Compósitos

Volante de PU reduz descartes – Plásticos nos automóveis

Jose Paulo Sant Anna
28 de outubro de 2020
    -(reset)+

    Plástico Moderno - Volante de PU reduz descartes - Plásticos nos automóveis ©QD Foto: iStockPhoto

    A ZF, multinacional fabricante de sistemas para carros de passeio, veículos comerciais e tecnologia industrial, tem plantas industriais em vários países do mundo, inclusive no Brasil. A equipe de engenharia de manufatura da fábrica mantida pela empresa em Limeira-SP desenvolveu durante cerca de um ano novo método de produção de volantes veiculares.

    A solução, adotada há dois anos no Brasil, resultou na redução de quase 80% dos descartes, com otimização no uso de materiais, e recebeu o título de vice-campeã do ZF Excellence Award, concurso global de melhoria contínua de processos promovido pela empresa. O sucesso da ideia foi reconhecido de lá para cá. “Ela também foi adotada em plantas na Romênia, Portugal, China, México e Ásia Oriental”, informa Sildson Corrêa, gerente sênior de meio ambiente, saúde e segurança da ZF América do Sul.

    Os volantes são fabricados a partir da injeção de poliuretano. A matéria-prima é depositada em um molde que gera uma reação química e sua expansão no formato da peça. Pelo procedimento anterior, o mecanismo utilizava 24 saídas de gás, o que gerava elevada emissão de poluentes e apresentava baixa produtividade. Em um período de um ano, a produção de volantes gerava até 60 caçambas de resíduos de PU com 5 toneladas cada.

    O novo projeto previu a criação de um gerador a vácuo e novos moldes. “Ao criar uma nova concepção para retirada forçada dos gases resultantes da reação química, foi possível adotar apenas quatro saídas de gás, gerando menos impacto ao meio ambiente e diminuição no descarte de materiais”, explica Dasayév Moraes, engenheiro ambiental da ZF.

    Outras vantagens são ressaltadas. “Houve vantagem em termos de qualidade, pois o volante sai da produção com melhor acabamento, sem falhas de injeção provenientes da reação química. Com o menor índice de descarte possível, a movimentação de caçambas também diminuiu drasticamente no interior da fábrica”, diz Corrêa.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *