Uso de Degradantes Prejudica a Reciclagem dos Filmes Plásticos: Economia Circular

Empresa Gaúcha Recicla Mais de 900 Toneladas de Embalagens Flexíveis por Mês

Sediada na cidade gaúcha de Feliz, a Plastiweber mensalmente recicla algo entre 900 e 950 toneladas de embalagens flexíveis secundárias pós-consumo, de PEBD e PELBD.

Comercializa parte da resina resultante desse processo, e com outra parte produz novas embalagens flexíveis secundárias – filmes stretch e shrink, plástico bolha, entre outras –, com 90% a 100% de conteúdo reciclado.

“Nossas embalagens são utilizadas por grandes empresas de setores como as indústrias alimentícia e de higiene e limpeza”, orgulha-se Moisés Weber, CEO da empresa.

A Plastiweber recebe o material que recicla de supermercados, cooperativas, catadores, projetos sociais, e brand owners.

“E transformar embalagens flexíveis pós-consumo em novas embalagens flexíveis é algo mais complexo, essas embalagens precisam atender a critérios de soldabilidade, resistência, coeficiente de fricção, entre outros”, observa Weber.

Como um “ponto crítico” desse processo, ele cita o uso de degradantes, que inviabilizariam a reciclagem caso presentes em pelo menos 5% do material.

Plástico Moderno - Uso de degradantes prejudica a reciclagem dos filmes ©QD Foto: Divulgação
Moisés Weber, CEO da Plastiweber

“O uso de degradantes parece hoje mais contido, mas volta e meia aparecem materiais recicláveis nos quais eles foram adicionados”, relata Weber.

Outro desafio, ele complementa, é a coloração desse material:

“As empresas exigem da resina reciclada a mesma aparência da resina virgem. Mas é impossível conseguir isso se o material recebido tiver cor, sempre ficará algum resquício”, pondera o CEO da Plastiweber.

Essa Reportagem sobre Economia Circular – Embalagens Plásticas Flexíveis foi dividida em tópico, acesse:

1.      Embalagem Plástica flexível fica mais Reciclável e evolui para Facilitar a Reciclagem – Parte I: Economia Circular.

2.      Só Polietileno nas embalagens, Se possível: Reciclagem de Embalagens – Parte II: Economia Circular

3.      Provedora de soluções de poliéster oferece versões biodegradáveis: Embalagem Flexível – Parte III: Economia Circular

4.      Aditivos para Embalagens Flexíveis podem Agregar Mais Sustentabilidade – Parte IV: Economia Circular

5.      Uso de Degradantes Prejudica a Reciclagem dos Filmes Plásticos: Economia Circular – Parte V: Economia Circular (essa página).

 

Leia mais:

Encontre Polietileno para Embalagem, Resinas Virgens e Recicladas e muita mais:

Consulte o GuiaQD

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios