Reciclagem Têxtil: Tecnologia separa resíduos

Tecnologia separa resíduos têxteis para reciclagem

Até hoje, apenas uma pequena fração de têxteis descartados é destinada a reciclagem têxtil. Enquanto a indústria de roupas duplicou a produção nos últimos 15 anos, o tempo que as mesmas roupas são usadas caiu mais de 30%, evidenciando a velocidade das mudanças de consumo.

Ao mesmo tempo, a crescente demanda por moda rápida de baixo custo está impulsionando um declínio na qualidade dos materiais, o que os torna mais difíceis de reutilizar ou reciclar.

De acordo com dados da Fundação Ellen MacArthur, estima-se que 114 milhões de toneladas de resíduos têxteis sejam gerados a cada ano. Da roupa coletada para reciclagem, 12% são reduzidos em aplicações de menor valor, como material de isolamento térmico, e menos de 1% é usado para fazer novas roupas em uma economia circular de circuito fechado.

O alto conteúdo de poliésteres nas peças de moda rápida também significa que uma quantidade crescente de têxteis descartados é incinerada em plantas geradoras de eletricidade para aproveitar o seu alto valor calorífico desses resíduos.

O impacto ambiental

O aumento do consumo de roupas, aliado à diminuição do tempo de uso e ao aumento do uso de materiais sintéticos, como poliéster e poliamida, está agravando o impacto negativo sobre o meio ambiente.

Grandes quantidades de microfibras de plástico eliminadas durante a lavagem de tecidos vazam para o oceano, representando 35% da poluição por microplásticos (segundo J. Boucher e D. Friot, 2017).

O descarte inadequado também pode resultar na liberação de têxteis planos no meio ambiente, colocando em risco a vida selvagem em terra (Malorie Macklin) e a vida marinha (Center for Biological Diversity).

Reciclagem Têxtil: Campanha regulatória

Os formuladores de políticas têm um papel fundamental a desempenhar na promoção de um aumento na reciclagem.

Na Europa, em 2022, a Comissão apresentou uma Estratégia da UE para Têxteis Sustentáveis (EU Strategy for Sustainable Textiles), que inclui prolongar a vida útil dos têxteis por meio da reciclagem dos materiais que contêm em novos produtos de alta qualidade.

A Diretiva-Quadro de Resíduos revisada exige que os países membros da UE estabeleçam sistemas de coleta seletiva de resíduos têxteis até o início de 2025 e, ao mesmo tempo, novas metas de coleta e reciclagem entrarão em vigor.

A infraestrutura para coletar, classificar e reciclar esses materiais precisará crescer rapidamente em preparação para os novos regulamentos.

O desafio da classificação têxtil

As roupas são feitas de diferentes tecidos, materiais e acessórios, como botões ou zíperes, e contêm uma variedade de matérias-primas – combinações de fibras naturais e sintéticas, plásticos e metais. Isso torna o descarte sustentável uma questão complicada.

Têxtil: Tecnologia separa resíduos ©QD Foto: Divulgação
Annika: é preciso separar bem os polímeros para reciclá-los

“A indústria de reciclagem requer frações puras ou misturas muito específicas”, explica Annika Ludes, engenheira de soluções digitais da Stadler.

“Isso significa retirar brilhantes e acessórios do tecido; os diferentes materiais da peça – o tecido exterior, o forro, as costuras – têm de ser separados, depois devem ser separadas as diferentes fibras de cada parte – algodão, elastano, poliéster, etc.

Hoje, a separação de têxteis é feita manualmente e apenas uma pequena parte do material obtido é adequada para reciclagem. No entanto, pesquisas estão em andamento para automatizar o processo com o objetivo de produzir as frações de alta qualidade necessárias para enfrentar o desafio da reciclagem.

Reciclagem Têxtil: A Stadler

Fornecedora líder de plantas de triagem para a indústria de reciclagem – está pesquisando soluções automatizadas baseadas em sensores para triagem de têxteis.

Em 2017, em parceria com a Tomra, projetou e construiu uma pequena planta piloto em Avesta, na Suécia, na segunda fase do projeto da Plataforma de Inovação Sueca para Classificação Têxtil (SIPTex), financiado pelo governo, que visa desenvolver uma solução de classificação adaptada às necessidades dos recicladores têxteis e da indústria de vestuário.

Seguiu-se, em 2020, a terceira fase do projeto: a primeira planta de mistura de resíduos têxteis totalmente automatizada em escala industrial do mundo, capaz de atingir a pureza e a recuperação necessárias para reciclagem e reutilização.

Esta instalação, localizada em Malmö, processa resíduos pré-consumo de produtores têxteis (recortes e refugos) e resíduos pós-consumo, que consistem em roupas e têxteis domésticos, podendo conter partes não têxteis, como botões e zíperes.

O material é entregue em fardos de 350 a 500 kg e é classificado por inteiro. A planta tem capacidade para processar até 4,5 toneladas/hora em uma linha.

O processo de classificação

O processo desenvolvido pela Stadler com a cooperação da Tomra no projeto SIPTex começa com os resíduos têxteis entrando na fábrica em lotes, dosados, alimentados por correias transportadoras em quatro unidades Tomra Autosort® baseadas em sensores.

Têxtil: Tecnologia separa resíduos ©QD Foto: Divulgação
Küpers: equipamentos evitam que os tecidos se emaranhem

“Devido à natureza do material têxtil alimentado na planta, o sistema de alimentação e a dosagem são muito importantes para o sucesso do processo de classificação”, explica o dr. Bastian Küppers, engenheiro de desenvolvimento de negócios digitais da Stadler.

“O tambor dosador Stadler possui componentes mecânicos projetados para lidar com materiais têxteis macios e flexíveis, de várias formas e tamanhos imprevisíveis, propensos a enroscos. Da mesma forma, o design e o layout das correias transportadoras, tremonhas e calhas precisam ser projetados para evitar o emaranhamento de longos pedaços de tecido.”

A tecnologia de classificação Tomra NIR (infravermelho próximo) também é fundamental para o processo e capaz de reconhecer e diferenciar vários tipos de têxteis em uma primeira etapa. Um segundo classificador óptico é adicionado para limpeza adicional de impurezas.

Rumo a uma economia circular têxtil

À medida que a indústria têxtil caminha para uma economia circular, impulsionada pela opinião pública e pela legislação, a demanda por equipamentos de classificação têxtil deve crescer em ritmo acelerado.

A Stalder já viu um aumento no interesse por fábricas de triagem têxtil e foi procurada por empresas do setor de reciclagem.

“Estamos recebendo muitas partes interessadas que gostariam de visitar a fábrica de triagem de têxteis que projetamos e construímos em Malmö”, comenta Annika Ludes.

A Stadler está bem posicionada para atender a essa nova demanda, trazendo para a mesa seu amplo know-how no projeto e construção de plantas de triagem e a experiência específica que adquiriu através do projeto SIPTex, bem como a expertise de seus parceiros tecnológicos, como a Tomra.

Com sua abordagem holística, é capaz de desenvolver soluções completas adaptadas às necessidades de cada cliente.

Leia Mais:

Acesse o Guia QD,  a maior plataforma de compras e vendas do setor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios