Compósitos

Termofixos também podem ser reciclados – Compósitos

Antonio Carlos Santomauro
10 de dezembro de 2018
    -(reset)+

    Plástico Moderno, Termofixos podem ser reciclados - Compósitos

    Desenvolver tecnologias de fabricação de produtos feitos com compósitos reciclados e licenciá-las para empresas que cuidam de produção e vendas: esse é o modelo de negócios da Termofixo, empresa sediada no município catarinense de Braço do Norte que já desenvolveu tecnologias desse gênero para a fabricação de revestimentos de paredes, molduras, rodapés, placas para sinalização de trânsito, isoladores elétricos, entre vários outros artigos.

    Quando fundada, em 2004, a Termofixo trabalhava com reciclagem química de PU. “Mas desenvolvemos uma reciclagem mecânica – na realidade, uma reutilização muito eficiente e econômica – que com um ciclo curto de processamento permite a utilização de mais de 90% de resíduos de compósitos em uma nova peça”, relata Ícaro Vivan, gerente de P&D da empresa. “Adaptamos essa técnica para vários tipos de materiais termofixos, entre eles o PU, os papéis impregnados com resinas melamínicas e a fibra de vidro”, acrescenta.

    O processo desenvolvido pela Termofixo é teoricamente simples: começa com a trituração em moinhos especiais dos resíduos previamente separados, com a posterior a mistura desse material triturado com uma resina aglutinante, pigmentos e aditivos. Essa formulação é então colocada em uma prensa com matriz aquecida e, cumprido o tempo de cura, as peças estão prontas para acabamento. “Até o desenvolvimento desse processo, as opções de reaproveitamento dos resíduos de compósitos eram pouco efetivas. Resíduos de fibra de vidro, por exemplo, eram moídos para serem usados como carga”, lembra Vivan.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *