Tempos difíceis ou custos mais justos? – Gestão Transformadores

Plástico Moderno, Tempos difíceis ou custos mais justos? - Gestão

A grande maioria dos transformadores que visito tem a necessidade de melhorar seus processos a cada dia, no intuito de reduzir os custos de produção para manter ou melhorar suas margens, pois em momentos como este que estamos vivendo atualmente é o cliente quem acaba determinando o preço do item transformado.

Dessa forma, os transformadores acabam ficando nas mãos dos clientes e precisam realizar suas “mágicas” para trazer os preços dos seus produtos a níveis aos quais os clientes estão dispostos a pagar. É neste momento que muitos transformadores acabam cometendo grandes erros e tem início o processo que vai gerar grandes prejuízos para eles.

Se o transformador conhecer muito bem os custos dos seus produtos ou tiver um sistema para cálculos e souber como valorizar todas as etapas de seu processo, aqui começa a caça ao tesouro, ou seja, encontrar onde cortar custos para chegar ao valor imposto pelo cliente.

Mas, e se ele desconhece esses custos, o que ele poderá fazer?

Para orientá-lo nesta caça aos cortes de custos, o segredo está em elaborar o custo reverso de seus produtos. Se já é difícil avaliar custos de peças pelo processo de transformação, inverter essa cadeia pode ser ainda mais complexo, mas não desista: o importante é manter o foco e analisar onde podemos ganhar e o que podemos cortar em tudo isto.

Este artigo pretende ajudar o transformador a organizar esse trabalho de avaliar os custos reversos, montando um passo a passo para dar sentido e orientar as etapas de análise determinadas na composição do seu custo com base em alguns pontos da cadeia produtiva.

E quais são estes pontos?

1) Matéria Prima;

2) Máquina;

3) Meio ambiente (que no caso é a infraestrutura da sua fábrica).

Se conhecermos os custos envolvidos em cada um desses “M´s”, poderemos saber o que reduzir para alcançar o sucesso nesta árdua tarefa: atender às necessidades dos clientes!

Agora que você conhece cada um desses “M´s”, vamos falar do que você pode analisar em custos de cada parte do seu processo produtivo e identificar possíveis pontos de redução.

1) Análise da matéria-prima: é o primeiro passo para saber se o processo de transformação está gerando saldo positivo ou negativo. Saber se o preço que se está pagando pela matéria-prima é realmente o melhor valor, tenha sempre o peso certo da matéria-prima aplicado ao seu produto, essa é uma das maneiras de justificar os valores de entrada e saída da empresa. Sendo assim, comece conhecendo o quanto você gasta de material em peso médio dentro do seu processo. Este é o primeiro passo, depois faça uma avaliação do peso semanal do produto, assim você determina a amplitude e se há flutuações nesse peso, pois, ao contrário do que imaginamos, elas existem, sim e desconhecer isso pode afetar diretamente o custo da sua produção.

a) Nunca tenha apenas um fornecedor de matéria prima: tenha sempre homologados 2 ou 3 fornecedores para que você possa negociar valores. Infelizmente, se houver apenas um e este resolver impor aumentos, você ficará refém dessa situação e, caso não consiga repassar esses aumentos, suas margens ficarão menores.

b) Tenha opções de matérias primas alternativas: mesmo tendo fornecimentos de mais de um fabricante, é importante ter alternativas. Nesse caso, desenvolver materiais que possam substituir uma única opção pode dar a você a chance de driblar mais facilmente os custos e balizá-los.

c) Agregar um percentual de reciclado ou recuperado a seus produtos: o reaproveitamento é de extrema importância e pode trazer uma redução significativa nos custos de produção. Agregar os canais e peças com problemas moídas em um percentual adequado em seu produto pode ser uma opção atrativa para a redução dos custos e gerar ganhos importantes para reduzir alguns centavos no seu custo final. Mas fique atento para calcular os retrabalhos para que eles não se tornem um inconveniente e aumentem ainda mais os custos de produção. Uma boa dica é aproveitar as operações dentro do próprio processo, os operadores e funcionários já envolvidos e não agregar muitos retrabalhos a esta operação. Se você tem um moinho e um alimentador com válvula proporcional (para mistura de virgem e moído), pode usar o próprio operador da máquina nessas operações e já realimentar o processo, agregando pequenos custos, porém reduzindo o custo direto da matéria-prima. Faça testes com seu produto, avalie até que percentuais de material reciclado você pode alcançar sem alterar as suas propriedades.

d) Pese com frequência as peças que produz e avalie diariamente esta amplitude, e da próxima vez que considerar o peso médio de seu produto leve em conta esta flutuação. O peso é algo muito importante, dele você pode avaliar não só o custo direto, mas qual a amplitude de variações da sua máquina. Determine o peso mínimo e busque regular seu processo para se manter o mais próximo dele, avalie quais os principais parâmetros que podem impactar no peso e os monitore com frequência, pois tentar manter esse controle durante a produção é, no mínimo, racional, pois até variações na viscosidade e fluidez da resina podem influenciar essa flutuação.2) Análise do ciclo de produção: da mesma forma que o processo pode gerar flutuações de peso, ele também pode gerar flutuações no tempo de produção das peças. Quando digo tempo, este está relacionado entre a primeira peça boa produzida e a última peça boa entregue ao final do lote da produção e não apenas ao tempo de ciclo da máquina (que pode ser garantido por um processo automático).

a) Setup: é importante e conta para que esse saldo seja positivo ou negativo. Se hoje você tem 16 horas, por exemplo, para produção, podemos considerar que este seja um tempo curto, porém se dentro dessas 16 horas há 4 horas de setup (preparação e troca de moldes), em resumo, seu processo não está nada produtivo, pois, um terço do seu trabalho está sendo desperdiçado com trocas de molde ou preparos de máquina. Portanto, você deve estudar formas mais produtivas para que ele aconteça.

b) Tempos de ciclo: esta análise é uma das mais complexas, pois depende de conhecimentos específicos de cada técnico que atua nas empresas e sabemos que muitos necessitam de cursos específicos, de escolas, empresas especializadas, cursos dos fabricantes, etc. Muitas das vezes se depende da boa vontade e da iniciativa desses funcionários, pois muitas vezes o ganho está relacionado com a qualidade efetiva da peça e comprovar que a otimização não irá afetar a qualidade do produto é uma tarefa que exige tempo e muita dedicação. É fato que as análises de ciclo podem trazer ganhos rápidos à empresa, pois afetam diretamente o custo, e esse estudo é considerado melhoria contínua entre os processos produtivos, porém devem ser feitos seguindo uma rigorosa análise de processo, relacionando suas causa e efeitos sobre cada parâmetro relacionado ao ciclo, garantindo com que estas melhorias sejam sólidas e capazes de serem mantidas ao longo de toda a produção.

c) Iniciar uma análise de ciclo exige histórico acima de tudo, é preciso conhecer muito bem cada fase do ciclo, portanto inicie seus estudos pelos parâmetros que já são consolidados em seu processo, parta sempre de algo sólido, avalie todos os aspectos de seu produto e inicie apenas quando os pontos mais críticos forem conhecidos. Um exemplo disso é quando seu produto sofre montagens posteriores, a estabilidade dimensional é um item de extrema importância dentro desse processo, não comece sua análise alterando, por exemplo, o tempo de resfriamento da peça produzida, mas sim comece com os tempos que menos incidem no processo, como tempo de fechamento e abertura do molde, e inicie a otimização por estes pontos.

d) Fases posteriores à moldagem também são importantes e cabem análises particulares em, por exemplo, operações como retrabalhos, colagens de etiquetas, embalagens entre outras, que também podem impactar no custo direto de seus produtos, portanto elas não devem ficar de fora dessa análise. Assim, é possível racionalizar as operações e acertar e ajustar os tempos de forma que essas operações atendam ou contemplem dentro dos tempos de ciclo.


3) Meio ambiente, sua empresa, isto é, como é sua organização. O tipo de análise que podemos fazer de seu meio ambiente é a infraestrutura que sua empresa possui para auxiliar a produção. Essa infraestrutura não comporta apenas o espaço físico destinado à produção, mas todos os equipamentos e periféricos que nela estão dispostos e dimensionados para atender a cada máquina para transformação de plásticos instalada em sua empresa. Vemos exemplos claros, hoje, da falta de capacitação desses equipamentos e as causas e efeitos dessa má capacitação.

a) Espaço físico e layout produtivo: tudo dentro de uma empresa deve ser pensado para fluir de forma natural e escoar rapidamente para não gerar interrupções ou retrabalhos. Estudar o fluxo dos materiais, insumos e produtos acabados e sua logística dentro da empresa pode poupar pessoas e um tempo precioso, reduzindo gastos desnecessários. Avaliar para que este fluxo não se torne turbulento, cruzado ou demorado pode trazer benefícios diretos e gerar grandes economias, portanto, se puder reavaliar como funciona a logística de sua empresa e sugerir mudanças, estas serão bem-vindas.

b) Equipamentos e periféricos mal dimensionados: este é um ponto de grande discussão entre as empresas, pois depende da determinação da capacidade de seus equipamentos e dos custos gerados por essas especificações. Ter equipamentos superdimensionados ou subdimensionados pode gerar custos desnecessários e aumentá-los de forma exponencial em alguns casos, por exemplo, quando tratamos de unidades de água gelada para resfriamento de processos produtivos, podemos comprar equipamentos pequenos que de certa forma atenderão em sua plena capacidade (100%) todos os moldes de uma fábrica, porém a quantidade de energia gasta com este equipamento funcionando a capacidade plena e a chance de este parar por uma manutenção preventiva é tão grande que os custos envolvidos neste caso são muito maiores que usar dois equipamentos menores divididos para outros processos produtivos ou um equipamento maior sendo aplicado a 50% de sua capacidade.

c) Estoques: não há mais espaços para grandes estoques, atualmente manter um estoque alto é caro e dinheiro parado não traz nenhum benefício, portanto, gerir os estoques ao mínimo para atender seu cliente de forma eficiente é fundamental. Cabe uma análise crítica dos volumes mensais, semanais e diários de seus clientes para que o tempo entre a produção e os estoques sejam minimizados. Produzir racionalmente pode ser a chave para seu sucesso.O que deve ou não compor o custo da peça?

Acreditamos ser este o ponto em que muitas empresas erram na hora de contabilizar os custos de seus produtos, pois é o ponto mais importante da determinação dos custos. Saber quais são os elementos que farão a composição do custo, de certa forma, te dará o controle sobre o preço final. Deixar de fora elementos importantes pode ser a chave para o sucesso ou fracasso. Coloco ou não os custos fixos? Divido ou não pelos custos de mão de obra? Será que acertei no custo hora máquina? Impostos? Aí mora o perigo! Escolha e avalie todos os custos que incidam direta ou indiretamente no custo de seu produto e faça os cálculos considerando todas as opções. Assim, você conhecerá o quanto gasta para produzir uma peça com ou sem operador; com um ou com dois operadores; um, dois ou três turnos; quanto gasta com energia elétrica, com custos fixos, custos variáveis, etc. Se uma das operações ou trabalhos ficarem de fora, você pode ou não estar pagando por isso. Entenda e identifique todas as operações e trabalhos da peça, avalie o quanto será gasto em cada uma, só assim você atingirá o custo certo e justo.

A Pensei Nisso com a NQ Contábil desenvolveu um programa de consultoria para Custos de Processos Produtivos de Transformação para Peças Plásticas que pode ajudá-lo a de forma rápida, real e direta a saber o custo real de seu produto com grande eficiência e eficácia.

Os RP´s tradicionais normalmente são alimentados com dados de seus processos produtivos, mas não têm o dinamismo de informar os custos como seus usuários precisam. Dessa forma, existem muitas divergências de informações nos finais de mês em relação à quantidade de peças produzidas vs quantidade de matéria-prima, imprecisão de custos de produção por ciclos de máquinas vs diferenças de quantidades de peças, entre outros pontos.

A união entre a consultoria técnica e contabilidade poderá trazer a solução efetiva para a definição do custo real para a produção do seu produto e colocará sua empresa no caminho certo para garantir lucros. Para conhecer mais sobre o que podemos oferecer, acesse o site: www.penseinisso.com.br, ou entre em contato pelo telefone (11) 4901-4041 ou celular (11) 9 9696-8951 (Vivo e Whatsapp), ou pelo e-mail [email protected].


O AUTOR

Gilberto Baksa é analista de processos sênior para plásticos e especialista em engenharia de aplicação, idealizou e fundou a Pensei Nisso Tecnologia, com base na sua experiência de 24 anos em processos de injeção plástica, nas áreas de engenharia de processos e de aplicação, desenvolvimento de produtos, ferramentaria, manutenção, gerenciamento de produção, marketing, vendas e gerenciamento comercial no Brasil e América Latina. Treinou mais de 5,2 mil profissionais em toda a região, tendo ministrado mais de 500 palestras e treinamentos, além de participar de 70 feiras e seminários. Também é instrutor e palestrante em escolas técnicas e cursos de formação continuada de caráter teórico e prático.

2 Comentários

  1. Boa tarde vcs tem interesse na compra de PBT polibutileno tereftalato (máquinas de vidro elétrico altomotivos)
    (19) 982256167

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios