Plástico

Tampas – Mercado incorpora leveza aos novos sistemas de fechamento

Renata Pachione
11 de fevereiro de 2012
    -(reset)+

    Sim, é possível respeitar as particularidades de cada segmento, sem perder o foco na economia de materiais. Setores como o de produtos químicos e agroquímicos, que se caracterizam por requisitos bastante exigentes no que se refere à segurança, também são abastecidos por soluções capazes de aliar funcionalidade à leveza. Não por acaso, a fabricante desenvolveu um sistema de abre e fecha para aumentar a eficiência da tampa, graças à presença de ligações (pinças). “Na hora de fechar, um sistema absorve todo o torque; e, na hora de abrir, esse sistema não age, facilitando a abertura”, explica Bonfim.

    Segundo o fabricante, o modelo é leve (pesa cerca de 30% a menos que outros similares) e conta com um selo de alumínio, encaixado – e não colado. Quando a tampa é fechada, o selo é torcido. Uma vez aberta, quebra-se o lacre e a tampa não pode ser reutilizada. Até por essa característica, o modelo tem boa aceitação em embalagens para defensivos agrícolas. Essa tecnologia é aplicada em tampas com 63 mm (utilizadas em embalagens de 5 litros ou mais), e nas de 45 mm (para frascos de 1 litro ou menos).

    Plástico, Tampas - Mercado incorpora leveza aos novos sistemas de fechamento

    Tampas autolacráveis priorizam a segurança

    “O setor de tampas procura desenvolver mecanismos capazes de tornar o envase e o transporte seguros e a abertura e o fechamento mais simples”, afirma Bonfim. Segmentos tão peculiares como o de produtos químicos e o de agroquímicos, reduto da Unipac, divisão de negócios do grupo Jacto, também exigem atenção especial quando o assunto é segurança de manuseio e transporte, bem como no que se refere ao uso e ao descarte das embalagens e tampas após a utilização do produto. “Não se pode conceber que uma tampa permita o vazamento do produto ou cause algum tipo de dano ao usuário e mesmo à embalagem na hora da abertura. Por isso, o sistema de abertura e fechamento e a resistência da tampa são fatores determinantes no desenvolvimento de um item”, explica Bonfim. Foto: divulgação

    A Unipac injeta tampas de PP autolacráveis para fechamento de embalagens que trazem como princípio básico a segurança, a fim de garantir a proteção contra a abertura involuntária, violação ou vazamentos.

    Foco no diferente – O movimento rumo à prática sustentável também conta com empresas focadas em nichos de mercado. Segundo Claudio Patrick, diretor da fabricante Clever Pack, a indústria de tampas plásticas precisa prover o mercado com produtos focados na sustentabilidade, mas capazes de melhorar também a sua usabilidade.

    Plástico, Tampas - Mercado incorpora leveza aos novos sistemas de fechamento

    PE com características especiais permite a fabricação de produtos sem disco de vedação

    Até por esse motivo, a fabricante se pauta em uma política de redução de custos, mas sem deixar de prover o setor com produtos inovadores e de fácil manuseio.

    O conceito posto à prática pode ser comprovado com um desenvolvimento específico para o público infantil. Trata-se de uma tampa composta por uma única peça do modelo flip-top à prova de crianças. Feita de PP, ela contraria a maior

    Plástico, Tampas - Mercado incorpora leveza aos novos sistemas de fechamento

    Eisler elevou a produção de tampas feitas com PE de fonte renovável

    parte do mercado, que adota para esse público peças feitas de PP e PE ou de uma peça, mas com parede dupla (leia-se mais pesada).

    O modelo, indicado aos mercados farmacêutico, de higiene pessoal e limpeza, possui um sistema patenteado que depende de dois movimentos simultâneos para sua abertura: a compressão de duas travas e o levantamento da peça superior basculante. A peça foi feita com um recurso capaz de indicar ao usuário quando está travada, com um click.

    Na prática, um estampido é emitido, com o acionamento da trava, o que, para Patrick, a torna ideal para uma mãe com deficiência visual. “Ela pode ter certeza, pelo som, de que seu filho está seguro”, exemplifica. Para ele, os desenvolvimentos também devem ser inclusivos, destinando-se a classes menos favorecidas ou deficientes, além de englobar a coleta seletiva, a reciclagem e afins.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *