Sopradoras – Setor encolhe e fabricantes de máquinas convencionais apostam no mercado de PET

O desempenho da Brasilplast também ficou além do estimado em virtude do panorama atual do mercado. “Inicialmente, estávamos com dúvidas, mas especialmente a qualidade das visitas nos surpreendeu. A quantidade, porém, foi menor em relação à edição anterior, em 2007. Estamos trabalhando em diversos projetos novos e alguns reativados do ano passado.”

A Jomar fabrica desde sopradoras convencionais por extrusão, com modelos entre 1 e 25 litros de capacidade, até as máquinas injection-blow (injeção-sopro) para produção de frascos farmacêuticos, roll-ons de uma peça só, potes cosméticos e outros. “Opera com todo tipo de termoplástico”, ressaltou.

O destaque ficou por conta da nova máquina de injeção-sopro híbrida, o modelo M-135, cujo principal apelo refere-se à redução no consumo de energia elétrica da ordem de 35%. “Isso é muito importante, se considerarmos que o modelo convencional já consumia aproximadamente 33% menos energia que um modelo similar da concorrência”, garantiu Lüters.

Os principais nichos de atuação da Jomar no Brasil são em embalagens para cosméticos e farmacêuticos. “Atendemos a uma pequena parte do mercado de PET, já que o processo de injeção-sopro opera muito bem com todos os termoplásticos.”

A Kal Internacional também divulgou na Brasilplast as impressoras serigráficas da Kammann para embalagens plásticas e de vidro, cilíndricas, ovais, planas e cônicas, como frascos, copos, potes, garrafas, bisnagas, tampas e similares. “São máquinas automáticas lineares e CNC, de uma até dez cores, com capacidades entre mil e 12 mil frascos por hora, trabalhando principalmente com tintas de cura UV.”

Plástico Moderno,Carlos Alberto Pintarelli, diretor, Sopradoras - Setor encolhe e fabricantes de máquinas convencionais apostam no mercado de PET
Pintarelli ressaltou em sua máquina o baixo consumo energético

Reduzir o consumo de energia elétrica também foi o objetivo da Pintarelli. Ao reestruturar sua linha de máquinas, a empresa buscou ainda melhorar a relação custo/benefício dos equipamentos, segundo informações do diretor Carlos Alberto Pintarelli. A empresa fabrica três séries de sopradoras, Starmak, Versátile e Soprática, com capacidades para até 8, 6 e 5 litros, respectivamente, desde 2005. “São linhas complementares com preços e construções diferenciados”, afirmou.

As duas primeiras possuem versões com mesa simples e dupla. A Soprática tem duas versões, ambas com mesa simples, e podem ser hidráulicas ou pneumáticas. Dedicado à produção de pequenos frascos, o novo modelo pneumático visa a reduzir o custo e o consumo de energia, além de facilitar e simplificar a manutenção.

Assim como a Soprática, a linha Versátile também estava no estande. O modelo possui cabeçote que permite fabricar frascos com capacidade para um litro, em três cavidades; dois litros em duas cavidades e bombonas de cinco litros em uma cavidade. “Trata-se de equipamento de baixo custo inicial que garante boa produtividade e baixo consumo de energia elétrica”, disse o diretor da área técnica, Sérgio Pintarelli.

As máquinas são projetadas com saída frontal ou lateral orientada; mesa de sopro montada sobre guias lineares, cabeçotes exclusivos no modelo 3.2.1, e acionamento da rosca por motor de alto rendimento e redutor do tipo pendular com acoplamento direto, com variação de velocidade por inversor de frequência e resistências elétricas isoladas.

Com capacidade para fabricar 25 sopradoras por ano, a Pintarelli está confiante na recuperação do setor. “Se alcançarmos os índices de 2008, ficaremos satisfeitos”, afirmou Carlos Alberto. Segundo ele, a Brasilplast prospectou novos negócios e, certamente, vai influenciar nos resultados comerciais de 2009.

Página anterior 1 2 3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios