Máquinas e Equipamentos

Sopradoras – Aumento da procura por modelos de injeção-sopro compromete as vendas das máquinas convencionais no mercado brasileiro

Simone Ferro
7 de abril de 2007
    -(reset)+

    As vendas no Brasil atendem principalmente os segmentos de injeção-sopro de até 100 ml e sopro com cabeçote acumulador acima de 200 litros. Diversas empresas atuam no mercado de injeção-sopro e injeção-estiramento-sopro no Brasil, como a Nissei ASB, Aoki, Krones e Kammann, entre outras (confira as principais novidades da Brasilplast nesta edição).

    De acordo com as empresas do setor, a concorrência acirrada e o dólar desvalorizado em relação ao real vão definir o cenário da Brasilplast 2007, favorecendo as importações e limitando as exportações. Mesmo assim, os fabricantes estão otimistas. “Os resultados do primeiro trimestre se equiparam aos volumes registrados no mesmo período de 2004. Estamos confiantes de que o desempenho vai se manter favorável até o fim do ano”, diz Zanetti.

    Porém, ele não aposta numa reedição de 2005, um dos melhores anos para os fabricantes de sopradoras. Já a Uniloy Milacron acredita que vai alcançar os resultados daquele período, de carona no avanço da injeção-sopro e também nos segmentos de grande porte com a tecnologia de cabeçote acumulador. “O faturamento da filial brasileira deve chegar a 2,5 milhões de euros”, diz Piazzo.Enquanto os importadores se beneficiam com a desvalorização do dólar, os exportadores lamentam a desaceleração no ritmo de crescimento das vendas. “A Bekum do Brasil se preparou ao longo dos anos para entrar no mercado externo, se adequou às normas de segurança americanas e européias, divulgou a produção brasileira nas demais filiais e ganhou participação. O câmbio prejudicou esse trabalho”, lamenta Margraf. Dessa opinião compartilha Zanetti. “Está difícil impor metas para as exportações, que estão baixas desde 2004. Caso o câmbio se mantenha nesses patamares, a situação não vai melhorar em 2007.”

    Plástico Moderno, Cristiano Cava, gerente-comercial da JAC, Sopradoras - Aumento da procura por modelos de injeção-sopro compromete as vendas das máquinas convencionais no mercado brasileiro

    Cava: tendência é de produzir mais em menos tempo

    Perfil – O mercado brasileiro de sopradoras pode ser classificado em três categorias: a de alta tecnologia e desempenho, dominada pelas marcas importadas; a das máquinas de combate, mais simples e funcionais, reduto dos fabricantes locais; e a intermediária, onde se acirra a disputa dos modelos nacionais com os importados.

    Segundo os empresários do setor, o mercado intermediário está em expansão. Nos últimos anos, o transformador brasileiro passou a investir em sistemas completos de sopro e a exigir soluções de automação com o objetivo de obter melhor custo/benefício da máquina. Transformadores de médio porte, com atuação em produtos populares, de grande escala e baixo custo final, como os segmentos de higiene e limpeza, cosméticos e farmacêuticos, estão à frente dessa mudança.

    A tendência ampliou o mercado das sopradoras importadas, cujos fabricantes já trabalham dessa forma há algum tempo, e forçou a adequação das marcas nacionais. O Brasil conta com pelo menos cinco fabricantes locais de sopradoras por extrusão contínua, dentre eles se destacam a Bekum, a JAC e a Pavan Zanetti.

    Na avaliação do gerente-comercial da JAC, Cristiano Cava, o mercado de embalagens está cada vez mais exigente, forçando a verticalização do processo de produção. “Os transformadores buscam tecnologias avançadas para automatizar a fabricação, simplificar a mão-de-obra e produzir mais em menos tempo.”

    Dentro desse contexto, os fabricantes de sopradoras trabalham para encontrar soluções mais eficazes. “Os novos desenvolvimentos têm por objetivo aumentar o número de cavidades, a velocidade dos movimentos e a precisão e a estabilidade de processo, além de reduzir o ciclo, produzindo embalagens totalmente acabadas e de qualidade”, afirma Cava. Zanetti também considera alto o atual estágio da tecnologia do sopro nacional. “Os equipamentos utilizam recursos modernos tanto na parte eletrônica quanto na hidráulica e pneumática.”



    Recomendamos também:








    Um Comentário


    1. boa tarde vc vende maquina sopradora de galaõ de agua de 10 e 20l ?



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *