Plástico

Silicone – Versátil, polímero ainda esbarra em preço para crescer no país

Marcio Azevedo
26 de dezembro de 2008
    -(reset)+

    Agregar tecnologia – A Bluestar Silicones pode produzir óleos modificados com outras terminações, como éster, acrilato, poliéster, álcool, amina e epóxi. O produto final, no caso do tipo empregado como desmoldante, é uma emulsão em água, livre de solventes, e transparente. Segundo o gerente de pesquisa e desenvolvimento brasileiro, ele é muito utilizado na indústria de pneus, pois os grandes volumes de fabricação envolvidos tornam mais sensível a questão da produtividade. Os pneus, é preciso lembrar, são itens muito importantes de segurança. Seus produtores optam pelo silicone para evitar contaminações e também facilitar as inspeções do molde para controle de qualidade. No segmento de plástico, transformadores de peças com geometrias muito técnicas, complexas ou desafiadoras, e alto valor agregado, poderiam, igualmente, interessar-se por esses polissiloxanos mais avançados. Eles estão sendo fornecidos pela fábrica local, que polimeriza pré-polímeros, e produz diversos óleos, com os quais obtém as emulsões. Como no caso da produção de borrachas, a de óleos, desde os primeiros intermediários químicos, é onerosa e requer altos investimentos em plantas petroquímicas de larga escala, que a empresa mantém na França e na China, onde, por sinal, constrói outra.

    O segmento de desmoldantes, na visão de Motta, é bastante intenso em serviço técnico. Então, inicialmente, a empresa pode até fornecer um produto de prateleira, mas, se o cliente quiser maior produtividade, há a possibilidade de testes e ajuste da tecnologia. Como, por definição estratégica, as aplicações em termoplásticos não têm sido o foco da companhia no Brasil, a utilização de seus óleos é mais enfática em transformadores de borracha e poliuretano. Pelo mesmo motivo, somado à pouca divulgação local da gama de produtos desmoldantes para plásticos, o gerente justifica a pequena demanda por projetos especiais nessa área. “Mas estamos sempre abertos”, diz, informando que podem ser modificados a viscosidade dos óleos e o modo de aplicação; a forma de apresentação, como fluido ou emulsão; a concentração das emulsões; as faixas de resistência à temperatura, e os grupos funcionais terminais. Nessa categoria, o desmoldante empregado por aqui principalmente em pneus, capaz de formar filmes semipermanentes, é compatível ainda com polietileno e polipropileno. Essa tecnologia provavelmente será promovida pela Bluestar Silicones em outras áreas de aplicação e, no futuro, os termoplásticos poderão se inserir em seu foco.

    Por enquanto, porém, Motta confirma um consumo de silicones, de maneira genérica, ainda baixo no país. Quem usa, é porque não tem alternativa, e estes não são muitos, dado que os maiores consumidores industriais nessa situação não produzem aqui.

    Silanos – No portfólio dos grandes produtores baseados na química do silício, figura outro composto químico, o silano, um dos intermediários para a produção de silicones. Na indústria de plásticos, os silanos são conhecidos há décadas como eficientes reticulantes de polietileno, gerando o PE reticulado (XLPE ou PEX). O processo melhora as propriedades em baixas e altas temperaturas, bem como eleva as resistências química e mecânica. As características dielétricas, em particular, são muito favorecidas. Por esses motivos, as principais aplicações para o XLPE são os revestimentos de fios e cabos, e tubos de condução de água quente ou fria – nessa hipótese, sendo reticuladas as resinas de polietileno de alta densidade (PEAD).

    Plástico Moderno, Silicone - Versátil, polímero ainda esbarra em preço para crescer no país

    Agente de acoplamento com silicone interessa à indústria de fios e cabos

     

    A Momentive Performance Materials, criada com a venda do negócio de silicones da GE Advanced Materials, é, nas palavras do gerente de marketing na América Latina para silanos e especialidades, André Danc, a segunda maior produtora mundial de silicones e derivados e, dentro da extensa lista de produtos e aplicações, fabrica também silanos. Para a produção de XLPE, a empresa fornece silanos sólidos encerrando sistemas completos de reticulação, na forma de grânulos que, além das aplicações usuais, podem ser utilizados para a criação de resinas injetáveis, com melhor resistência química, ou de filmes de PE e copolímero de etileno acetato de vinila (EVA), com superior desempenho mecânico. Nesse tipo de aplicação, o composto de silício compete com peróxidos e radiação, que possuem a desvantagem de necessitar de equipamentos especificamente desenvolvidos para sua utilização, ao passo que, para quem já processa compostos termoplásticos, adicionar mais um componente sólido não causa gastos extras. Há reticulantes com base em silanos líquidos, mas são produtos mais perigosos, pois são inflamáveis, além de requererem cuidado mais apurado no manuseio, e encarecerem até o seguro da planta de produção.

    Essa linha de agentes sólidos de reticulação da Momentive é terminada no Brasil, após a importação, e é considerada como bem consolidada no mercado local de fios e cabos por Danc. Nos tubos de XLPE, no entanto, as vendas não crescem no ritmo desejado porque o PVC e o cobre foram ameaçados na liderança como materiais de tubos de condução de água fria e quente – e que, a propósito, nem é tão fria nem tão quente no Brasil quanto nos mercados onde as vendas de XLPE são mais expressivas.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *