Plástico

Semiacabados: Expansão na demanda anima o mercado e atrai mais investimentos

Maria Aparecida de Sino Reto
12 de julho de 2013
    -(reset)+

    Plástico Moderno, Semiacabados: Expansão na demanda anima o mercado e atrai mais investimentosEmbora a injeção seja um dos processos mais tradicionais para a fabricação de peças técnicas, um nicho de mercado avança sem alarde: a utilização de semiacabados plásticos, como chapas, tubos e tarugos, na produção desses itens, por usinagem. A moldagem de semiacabados e a produção de peças oriundas deles representam filões interessantes e em crescimento na indústria brasileira de plástico, com estímulos a investimentos em expansão.

    Duas empresas de peso no ramo, a Quadrant Solidur e a Ensinger, programam aportes nesse sentido. Nos próximos meses, o grupo suíço Quadrant irá concluir a aquisição de 100% da brasileira Solidur, parceiras em uma joint venture ativa desde junho de 2010, com planos de construir uma nova unidade fabril. A empresa brasileira, situada em São Paulo, começou sua história em 1990, como revendedora de semiacabados. A solicitação dos clientes por peças motivou investimentos em maquinaria (tornos, fresadoras, centros de usinagem) para a ampliação do negócio com uma área de usinagem de peças técnicas.

    Plástico Moderno, Fernandes: foco da Solidur é a usinagem de peças técnicas oriundas de semiacabados

    Fernandes: foco da Solidur é a usinagem de peças técnicas oriundas de semiacabados

    Antes da parceria, a Solidur já distribuía semiacabados da Quadrant. O acordo para operação conjunta, conta o diretor industrial Marcello Oliver Fernandes, ampliou o acesso a produtos da multinacional, particularmente aos materiais de alto desempenho, e contribuiu para internacionalizar a Solidur. “A Quadrant possui fábrica em 21 países”, informa. A incorporação da empresa brasileira, detalha Fernandes, é parte dos aportes programados pelo grupo suíço para o país, incluindo a construção de uma nova unidade prevista para produzir semiacabados. “A aquisição da Solidur possibilitará o investimento na nova planta, que trará crescimento para o negócio, em espaço e maquinário.” Ele esclarece que o foco da Quadrant é a transformação de resinas em semiacabados. Já o carro-chefe da Solidur são as peças técnicas.

    Não à toa, a Quadrant responde por 70% dos semiacabados, somados os distribuídos e os utilizados na confecção de peças técnicas, da joint venture. Particularmente, quando se trata de material de alto desempenho, Fernandes destaca que todo o fornecimento provém da fabricante suíça.

    Os produtos de polietileno de ultra-alto peso molecular representam um filão à parte, equivalente a cerca de 60% a 65% do volume. Por suas propriedades como resistência ao desgaste e à abrasão, elevada resistência ao impacto e baixo coeficiente de atrito, encontram fartas aplicações nas indústrias alimentícias e de celulose e papel, principalmente.

    Fisiologicamente inerte e com excelente resistência contra radiação gama e raios X, também é muito usado em implantes médicos. A propósito, a Quadrant dispõe de uma família de semiacabados específica para utilizações na área médica, transformados em linha de produção dedicada e com características diferenciadas para produtos assépticos (sala limpa etc.). Essa área de atuação carrega a marca Meditech e representa 10% do faturamento da Quadrant Solidur.

    Plástico Moderno, Peças técnicas usinadas oriundas de semiacabados

    Peças técnicas usinadas oriundas de semiacabados

    Principal negócio da joint venture, a usinagem de peças equivale a 60% do faturamento. A distribuição, então foco no início das atividades, encolheu para atuais 10%. Os 20% restantes são representados pela área de revestimentos (chapas), destinados a revestir equipamentos usados nos setores de mineração e químico.

    Embora a demanda de semiacabados produzidos com polímeros de alto desempenho apresente crescimento contínuo, Fernandes lamenta a utilização ainda pífia desses materiais no mercado brasileiro. Os de engenharia ainda são mais comuns, como náilons e poliacetais. A nova fábrica de semiacabados da Quadrant no país embute a pretensão de impelir alguma mudança nesse paradigma. A empresa possui um amplo portfólio de semiacabados. Os fabricados com resinas commodities (PE, PP e PVC) se agrupam nos materiais de resistência a temperaturas medianas (inferiores a 80oC). Plásticos de engenharia, a exemplo das poliamidas e dos poliacetais, entre outros, são indicados para operação sob temperaturas entre 80oC e 160oC. Os semiacabados de materiais mais nobres são elaborados com as resinas de alto e altíssimo desempenho, situadas no topo da pirâmide classificatória dos polímeros (entre outras, polissulfona, polieterimida, poliéter-éter-cetona, poliamida-imida, poli-imida), capazes de suportar acima de 160oC.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *