Máquinas e Equipamentos

Rotomoldagem – Determinados a expandir o mercado de atuação, os processadores apostam nos polímeros especiais

Rose de Moraes
16 de fevereiro de 2008
    -(reset)+

    Plástico Moderno, José de Jesús Villanueva Urtis, presidente da Tick Tack Toys, Rotomoldagem - determinados a expandir o mercado de atuação, os processadores apostam nos polímeros especiais

    Urtis investe na fabricação de brinquedos de maior volume

    “No Brasil, nossa produção estará inicialmente voltada a dois modelos de carrinhos: o modelo F1 Car, em alusão à Fórmula 1, e que vem com buzina acoplada ao volante que, ao ser acionada, reproduz o mesmo som dos escapamentos dos carros de corrida, e o modelo minicar, dimensionado para crianças até três anos de idade.”

    Mercados dinâmicos – Atuar no mercado de rotomoldagem de brinquedos de PVC plastisol também exige muita dedicação dos fabricantes. Eles devem estar sempre atentos à variedade de itens a ser lançada pelo menos uma vez por ano para atender o público infantil.

    Com produção em grande parte voltada a atender os licenciamentos negociados com empresas nacionais bem conhecidas, como Cultura Marcas, Maurício de Souza, Mila & Co., e internacionais como Warner Bros, a Teorema, de Guarulhos-SP, além de lançar de tempos em tempos brinquedos sob sua marca própria, a Alpha Brinquedos, não deixa de enfrentar “sazonalidades”, como qualquer outro fabricante desse ramo, e, por isso, começou a abrir espaço para a diversificação das linhas, rotomoldando também PE, e oferecendo ao mercado a possibilidade de trabalhar com terceirização da produção.

    Atuante desde 1989 no setor de brinquedos, com 150 itens em linha, a empresa se especializou em produtos destinados à primeira infância, faixa etária compreendida até os três anos de idade. Entre os mais recentes, destacam-se os brinquedos da linha Cocoricó, pertencente à Cultura Marcas e que abrange todos os personagens do programa de entretenimento levado ao ar pela emissora de rádio e televisão Cultura, de São Paulo.

    Plástico Moderno, Rotomoldagem - determinados a expandir o mercado de atuação, os processadores apostam nos polímeros especiais

    Linha Cocoricó apresenta vários detalhes complexos

    Lançados no final de 2007, os brinquedos da linha Cocoricó abrangem: “Empilhadinho do Cocoricó”, “Mordedor do Cocoricó”, “Boliche do Cocoricó” e “Banho Divertido”. Em 2006, a Teorema licenciou a linha Cartoon Network – The Flintstones, incluindo mordedores, bolinhas e saboneteiras, todos feitos de borracha, incluindo os inesquecíveis personagens Bam-Bam e Pedrita.

    “Tanto Cocoricó como The Flintstones são linhas de difícil execução porque envolvem brinquedos muito pequenos, entre três cm e quatro cm, com detalhes muito complexos, exigindo rígido controle do processo de rotomoldagem por meio de máquina provida de controle por CLP. Isso porque todos os movimentos rotacionais, nos sentidos horário e anti-horário, devem propiciar a distribuição adequada das matérias-primas pelas cavidades, incluindo também a necessidade de se realizar extrações a vácuo dos moldes”, informou Giovani Inácio de Souza, diretor da Teorema.

    Na rotomoldagem de brinquedos de maior estrutura, em PEMDL, abrangendo escorregadores, carrinhos, carrosséis, flutuadores, cavalinhos, gangorras, entre outros itens para playgrounds, as dificuldades em geral são outras e envolvem basicamente evitar deformações e possibilitar a penetração das matérias-primas em partes dos brinquedos cujos ângulos são mais agudos. Nesses casos, além de contar com recursos de CLP, que permitem não só controlar os movimentos de rotação e reversão, como também estabelecer rígido controle de temperatura durante os movimentos rotacionais, muitas vezes é preciso também recorrer a matérias-primas de baixíssima viscosidade.

    Plástico Moderno, Giovani Inácio de Souza, diretor da Teorema, Rotomoldagem - determinados a expandir o mercado de atuação, os processadores apostam nos polímeros especiais

    Souza superou desafio ao produzir boneca de PVC

    Segundo Souza, um dos seus maiores desafios no caso do PVC (plastisol) foi rotomoldar a boneca Mila, da marca Mila & Co.

    “Lançada em abril de 2007, a Mila traz um novo conceito em boneca de difícil execução e coube a nós desenvolver um processo bem afinado, envolvendo ajustes na composição das fórmulas e nos tempos de rotação e de reversão, principalmente para rotomoldar braços e pernas muito fininhos, com apenas 1,5 cm de diâmetro e 20 cm de comprimento”, informou o diretor.

    Outra preocupação da empresa, que também produz brinquedos em cores vibrantes, é, sempre que possível, escolher cores primárias para os brinquedos em tonalidades mais visíveis e acentuadas de amarelo, verde, vermelho e azul, isso para facilitar a visão das crianças, de acordo com Alexandra Bacalu de Souza, também diretora da Teorema.

    “Já foi comprovado que as crianças de menor idade enxergam mais as cores primárias e não cores em tonalidades pastel, como bege, verde e rosa claros e lilás, que são justamente as mais apreciadas pelos pais”, informou Alexandra. Ainda no rol de brinquedos com exigências mais complexas, a empresa deverá lançar na próxima exposição da Abrinq, a maior feira latino-americana de brinquedos, a ser realizada em abril próximo, a série “Monstros”, abrangendo três personagens famosos das histórias infantis, todos de PVC. O primeiro deles, e que já está pronto, é o lobisomem. Os dois outros – vampiro e múmia – se encontram em fase de modelagem e deverão ser conhecidos pelo público na próxima exposição da Abrinq.

    Texturas decorativas – Regresso do setor de extrusão de filmes por quase dez anos, o empresário Eduardo Savazoni pensou ter abandonado de vez os negócios no setor plástico ao resolver participar do mercado de jardinagem. Isso ocorreu em 2004, quando começou a atuar como distribuidor no Brasil de uma das maiores empresas especializadas em produtos para decoração e manutenção de jardins, a alemã Gardena, detentora de 60% das vendas no mercado europeu. De lá para cá, transcorreram mais de três anos, a parceria com a Gardena ficou fortalecida, houve tempo para trabalhar com uma carteira de mais de mil clientes, as vendas cresceram ao ritmo de 10% ao ano, mas a idéia de voltar a fazer negócios no setor plástico permaneceu latente.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *