Máquinas e Equipamentos

Roscas e Cilindros – Peças superam funções com projetos especiais e manutenção adequada

Simone Ferro
26 de setembro de 2009
    -(reset)+

    Dentre os lançamentos mais recentes, Alves cita os materiais especiais não bimetálicos para roscas com até 50 mm de

    Plástico, Antonio Azevedo Alves, diretor da By Engenharia, Roscas e Cilindros - Peças superam funções com projetos especiais e manutenção adequada

    Alves aposta na retomada das vendas neste segundo semestre

    diâmetro e ponteiras destinadas ao processamento de poliamida com fibra e baquelite. “Alcançamos resultados espetaculares em termos de durabilidade nas roscas e ponteiras.” Cita ainda ponteiras com desenhos especiais que tanto favorecem o fluxo como auxiliam a redução do desgaste e desenhos especiais de roscas patenteadas.

    O segmento de injeção representa 65% das vendas da empresa; seguido pela extrusão, com 30%; e sopro, com os 5% restantes. A Xaloy desenvolveu o processo de bimetálicos em 1931. Graças ao histórico de aquisições, a empresa oferece vasto pacote de itens, como camisas e roscas bimetálicas, ponteiras, bicos valvulados e filtrantes para injeção, troca-telas, bombas de engrenagens e cilindros para calandras, entre outros.

    Na avaliação de Alves, 2008 foi excepcionalmente bom. “Já 2009 começou com vendas bastante reduzidas em virtude da crise financeira, mas agora no segundo semestre houve um considerável aquecimento. Esperamos fechar o ano com resultados compatíveis com o período anterior.

    Mercado reestruturado – Em 1986, após um desmembramento, a Miotto criou a Equipamentos Universaloi, responsável desde então pela fabricação de roscas e cilindros marca Universaloi, sob a assessoria técnica da Miotto. Um dos pontos fortes, segundo dados divulgados pela empresa em sua página na internet, é a fabricação com o uso de revestimentos bimetálicos.

    A empresa fabrica, com tecnologia nacional, roscas simples, duplas contrarrotantes e duplas corrotantes. Além da nitretação, dependendo das características do material a ser extrudado e da liga aplicada no cilindro, as roscas poderão receber revestimentos especiais na crista dos filetes ou em toda a sua superfície.

    Em setembro de 2008, a AWS Brasil, fabricante de periféricos e equipamentos para o setor de plásticos, com sede em Curitiba-PR, adquiriu a Matrix, indústria de roscas e cilindros, sediada no mesmo município. O valor da negociação não foi divulgado.

    Segundo o diretor-comercial, Samir Lopes, a nova empresa, denominada filial da AWS, rebatizada de Matriz, vai receber cerca de R$ 800 mil de investimentos em máquinas e processos. “Com a aquisição, passamos a produzir também troca-telas, cabeçotes e matrizes. Em breve, lançaremos linha de extrusoras.”

    A linha de roscas bimetálicas e nitretadas tem modelos até cinco metros de comprimento. “Produzimos sob encomenda para máquinas já existentes e projetos para melhorias de processos.” Dentre as principais evoluções registradas pelo setor nos últimos anos, Lopes cita a facilidade de importação das ligas especiais e de cilindros bimetálicos prontos, o que auxilia na melhora da qualidade do produto nacional.

    As estimativas são de crescimento, segundo Lopes. De acordo com ele, os desenvolvimentos focam as indústrias de injeção, extrusão e sopro, porém o maior volume de negócios fica entre os dois primeiros segmentos. “O mercado de recuperação está igualmente aquecido”, afirma.

    O avanço no mercado de reciclagem de plásticos também ampliou as operações das empresas do setor de roscas. Muitas passaram a focar boa parte de seus desenvolvimentos nesse nicho. A Wortex é um bom exemplo disso, assim como a paulistana Teck Trill e a AWS, entre outras.

    Recentemente, a Wortex apresentou novo modelo da linha Challenger Recycler, o WEX 90-38D, para o mercado de granulação. Dentre os diferenciais, o fabricante cita os sistemas de dupla degasagem, alimentação forçada e de corte, que garantem baixo consumo energético e alta produtividade.

    De acordo com informações divulgadas pela Wortex, a capacidade produtiva alcança de 300 a 350 kg/hora, no processamento de polietileno. O sistema de dupla degasagem permite o processamento de filmes com maior nível de impressão que a mono degasagem. A tecnologia, aliada a um design de rosca com capacidade de mistura dispersiva e distributiva, produz um granulado compacto, sem porosidade e com baixo nível de degradação.

    Já o sistema de alimentação forçada contribui para o aumento da capacidade de produção, além de torná-la mais estável. O sistema de corte, desenvolvido pela empresa, visa à obtenção de granulado uniforme e maior flexibilidade na escolha do diâmetro e comprimento final do grão.

    Todos os projetos de máquinas e acessórios são desenvolvidos no centro tecnológico da empresa, e visam a adequar os insumos ao processo final e ao equipamento de cada cliente.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *