Reciclagem – Portais eletrônicos facilitam negócios com a reciclagem

Um novo ambiente de negócios voltado à reciclagem começa a ganhar forma no Brasil por intermédio de três portais eletrônicos colocados à disposição das empresas na internet. O desenvolvimento do sistema foi debatido em Porto Alegre, por ocasião do Primeiro Fórum Internacional de Resíduos Sólidos, realizado de 17 a 19 de maio na Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs).

Plástico Moderno, Andrés Gonzalo Reyes Unda, responsável pelo sistema, Reciclagem - Portais eletrônicos facilitam negócios com a reciclagem
Unda: portal fomenta o setor com informação

O mais antigo desses portais pertence à Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) e o modelo de gestão e de acesso foi apresentado pela coordenadora-geral do projeto, Elisabeth Stapenhorst. Segundo ela, em 1997, uma comissão foi formada pela Fiep com assessoria técnica do Centro de Tecnologia em Saneamento e Meio Ambiente do Senai/PR.
Esse grupo de trabalho detectou as principais barreiras enfrentadas por empresários interessados em apostar na indústria de reciclagem, por conta da escassez de informações sobre onde estavam os resíduos passíveis de reaproveitamento, quem fabricava máquinas e equipamentos e quais empresas prestavam assessoria para a montagem de usinas de reciclagem e, sobretudo, onde se localizavam os recicladores.

Em 2000, a parceria do Senai/PR com a Fiep produziu os primeiros estudos no sentido de tornar viável a criação de uma bolsa de resíduos ágil e dinâmica.  Para tanto, foi contratada uma consultoria vinculada ao Estado de Baden-Württemberg, Alemanha.

No ano seguinte, ocorreu o lançamento da Bolsa de Reciclagem Sistema Fiep, já com um site como base de dados para permitir o intercâmbio de informações.

Em 2004 ocorreu a atualização do sistema de administração com a segunda versão do website, quando foram adicionadas informações sobre preços de materiais, notícias, agenda de eventos, matérias e artigos técnicos, mercado de resíduos, onde estão os recicladores em todo o Brasil, dicas para gerenciamento de passivo ambiental, e ainda pesquisas acadêmicas e científicas.

Durante a apresentação de Elisabeth Stapenhorst estavam cadastradas 4.691 empresas, vinculadas a 30 setores industriais, com mil anúncios, 45 mil manifestações de interesse e 232 mil visitas. Mas esse número com certeza mudou expressivamente porque, conforme a coordenadora, o cadastro ganha dez novas adesões por dia, em média.

O outro portal pioneiro entre as federações de indústrias para negócios com reciclagem pertence à Federação da Indústria de Minas Gerais (Fiemg) e funciona desde outubro de 2006. O responsável pelo sistema, Andrés Gonzalo Reyes Unda, também esteve em Porto Alegre para mostrar como funciona a versão mineira da bolsa para recicláveis. O propósito do sistema é promover o intercâmbio de resíduos e o fortalecimento do setor de reciclagem por meio de informações sobre oferta, procura e doação de resíduos.

Entre as diversas opções de conteúdo, o portal Fiemg engloba comunicados sobre obrigações das partes, normas de acesso ao banco de dados por meio de login e senhas, cancelamentos de registro, garantias de sigilo comercial e operacional do comitê gestor. As empresas cadastradas podem manifestar interesse sobre anúncios disponíveis no sistema.

Após prévia avaliação da equipe da bolsa de recicláveis, os interesses são liberados. Tal medida visa a evitar a ação de atravessadores. Um espaço foi reservado às empresas que optarem por fazer publicidade com logomarca, endereços, descrição dos serviços prestados, locais de aterros de resíduos industriais, consultorias, equipamentos para reciclagem, endereços de incineradoras, laboratórios de análises ambientais, recicladoras, tratamento de resíduos orgânicos e inorgânicos, soluções ambientais, remediação de solo, medições, centrais de sucatas, fornecedores de tambores, contêineres e bombonas.

Plástico Moderno, Tito Goron, presidente do Banco de Resíduos, Reciclagem - Portais eletrônicos facilitam negócios com a reciclagem
Goron conta com apoio do sindicato na formação da base de dados

O portal da Fiemg apresenta artigos publicados em formato PDF extraídos de sites acadêmicos com assuntos voltados ao gerenciamento de resíduos sólidos, mudanças climáticas, projetos de mecanismos de desenvolvimento limpo (MDL), normas de licenciamento ambiental e novas tecnologias. “O principal objetivo é estimular as empresas a acessarem o site e se beneficiarem dos negócios com reciclagem”, assinala Unda.

O volume negociado desde outubro de 2006, quando o site foi lançado, é de 20 toneladas. Das empresas cadastradas, 13% fecharam negócios.

O mais recente dos portais eletrônicos entre as Federações das Indústrias é o da Fiergs, do Rio Grande do Sul. A bolsa de recicláveis da entidade foi oficialmente apresentada em 18 de maio, numa palestra dentro do Fórum Internacional. Neste caso, a bolsa está vinculada ao Banco de Resíduos, ligado ao Conselho de Cidadania da Fiergs e tem apoio técnico do Centro Nacional de Tecnologias Limpas (CNTL) do Senai.

O presidente do Banco de Resíduos, Tito Goron, enfatizou que o papel da bolsa de recicláveis gaúcha é “organizar as empresas interessadas em oferecer e procurar os mais variados tipos de matérias-primas e resíduos industriais, por meio de um sistema integrado de administração e gestão de negócios”. Goron observa que a iniciativa conta com o apoio do Sindicato da Indústria Química (Sindiquim), Sindicato da Indústria de Papel (Sinpasul) e do Sindicato da Indústria da Borracha (Sinborsul), os quais liberaram seus cadastros para a formação da base de dados inicial.

Durante o Fórum Internacional o segmento plástico anunciou que ingressaria no sistema, conforme informou Goron.

Plástico Moderno, Wanderley Coelho Baptista, analista de meio ambiente da unidade de competitividade da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Reciclagem - Portais eletrônicos facilitam negócios com a reciclagem
Baptista planeja integrar as federações excluidas

Wanderley Coelho Baptista, analista de meio ambiente da unidade de competitividade da Confederação Nacional da Indústria (CNI), antecipa que, atualmente, 12 federações filiadas à entidade contam com bolsas de recicláveis, mas apenas Paraná, Minas Gerais, e agora o Rio Grande do Sul, desenvolveram sistemas on-line com capacidade de promover operações comerciais. Além desses, Amazonas, Pará, Ceará, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais e Rio de Janeiro oferecem serviços de bolsa, mas sem a mesma tecnologia, assim como Goiás, Santa Catarina e Mato Grosso. As empresas de São Paulo fazem uso do sistema do Paraná.

Baptista anunciou a idéia de operar em rede nacional e integrar todas as federações ainda excluídas da tecnologia de ponta. Para isso, a CNI pretende estimular as demais federações a montarem seus portais. Baptista reconhece que a entidade não tem como enquadrar as associadas, as quais são instituições independentes e com peculiaridades regionais.

No entanto, o executivo da CNI apontou como uma grande vantagem, caso ocorra a adesão expressiva das federações, a possibilidade de montar um pregão eletrônico nacional capaz de promover leilões e proporcionar bons negócios em reciclagem. Ele explica que os leilões eletrônicos já se tornam viáveis com negócios na casa dos R$ 50 mil por sessão.

“É um mecanismo de ajuda, divulgação e capacitação. O leilão é importante porque confere credibilidade. Imaginem a movimentação que causaria no mercado um leilão nacional de PET”, exemplificou Baptista. Conforme as conversações realizadas em Porto Alegre, a CNI irá procurar as demais federações. Uma primeira reunião ficou pré-agendada para ocorrer em Curitiba.
O Primeiro Fórum Internacional de Resíduos Sólidos foi uma iniciativa do Instituto Venturi e da Fiergs e contou com patrocínio técnico e financeiro de empresas como Petrobrás, grupo Gerdau, Copesul, Randon, Braskem, governo federal, estadual, prefeitura de Porto Alegre, entre outros. Na opinião da coordenadora do evento, Arlinda Cézar, a iniciativa foi como um dever de casa, em que alguns dos mais conceituados especialistas debateram como minimizar, reutilizar e achar a destinação final segura dos resíduos, tanto pelos gestores públicos quanto privados, incluindo tecnologias inovadoras de reciclagem.

Aproximadamente 600 participantes conferiram palestras e painéis com especialistas dos Estados Unidos, Alemanha, França, Espanha e Brasil. A organização do evento informou que vários Estados manifestaram interesse de receber a próxima edição, marcada para maio de 2009, entre os quais Minas Gerais, Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Amazonas.

 

Leia a reportagem principal:[box_light]Reciclagem – País é líder mundial no reúso das embalagens de agrotóxicos[/box_light]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios