Plástico

Reciclagem apoia plasticultura – Economia Circular

Antonio Carlos Santomauro
14 de maio de 2020
    -(reset)+

    Reciclagem é competitividade – Operações agropecuárias de menor porte também já conferem correta destinação aos plásticos empregados em suas atividades. É o caso do Rancho Raízes, que semanalmente produz 12 mil vasos de dálias no município paulista de Holambra (principal polo do mercado nacional de flores). Essa produção é feita em uma área de estufas de 42 mil m2 totalmente recoberta por filmes de polietileno “Em média, o plástico das estufas é trocado a cada dez anos, e os filmes que deixam de ser utilizados são coletados por uma empresa de reciclagem”, informa a sócia-proprietária Maritha Domhof.

    Os filmes plásticos das estufas, observa Maritha, são fundamentais para o cultivo de flores pelo Rancho Raízes. “Sem eles, a única opção seria o vidro, inviável no Brasil não apenas pelos aspectos financeiros, mas também pela dificuldade em conseguir esse material”, destaca.

    Também há o uso de filmes plásticos para recobrir os vasos que são enviados aos consumidores finais. “Eles retêm a umidade, protegem as flores contra impactos leves e as mantêm apertadas para evitar a quebra dos galhos”, justifica Maritha.

    A Termotécnica incluiu em seu programa de logística reversa e reciclagem de produtos pós-consumo de EPS (poliestireno expandido) os integrantes de sua linha DaColheita, de soluções concebidas para acondicionar frutas, legumes e verduras no trajeto entre o produtor e os canais de distribuição, conferindo-lhes proteção contra variações térmicas.

    Denominadas ‘conservadoras’, essas embalagens são produzidas pela Termotécnica em unidades localizadas em Santa Catarina, São Paulo e Pernambuco. Batizado Reciclar EPS, o programa de logística reversa e reciclagem da empresa é mantido em parceria com outros integrantes da cadeia produtiva: caso do varejo, que armazena as embalagens de EPS, posteriormente coletadas e destinadas à reciclagem, cujo produto serve como matéria-prima para novas aplicações.

    “Temos hoje conservadoras DaColheita produzidas no Nordeste, coletadas pós-consumo em rede de varejo no Rio Grande do Sul, e recicladas em nossa unidade de Santa Catarina”, diz Albano Schmidt, presidente da companhia.

    Plástico Moderno - Schmidt: EPS reciclado tem aplicações em diversos setores

    Schmidt: EPS reciclado tem aplicações em diversos setores

    Maior fabricante nacional de soluções em EPS, a Termotécnica informa já conseguir reciclar 1/3 de todo o EPS pós-consumo que circula no Brasil. “Com a marca Repor, nosso poliestireno reciclado vem conquistando mercado crescente, principalmente no segmento de construção civil, em elementos decorativos e de acabamento, como rodapés e molduras”, afirma Schmidt.

    A correta destinação dos resíduos plásticos e de outros materiais tornou-se até fator de competitividade no mercado global da agropecuária. “A comprovação da sustentabilidade, mesmo na destinação de materiais e insumos, é fundamental para a presença no mercado internacional”, diz Dantas, da Top Reciclagem.

    Segundo ele, a Agrícola Famosa exporta anualmente cerca de 150 mil toneladas de frutas para países como Inglaterra, França, Portugal, Holanda, China, Turquia, Emirados Árabes, entre outros. E atesta a sustentabilidade de seus processos com certificações globalmente reconhecidas, como a Rainforest e Global G.A.P. (essa última, específica para a sustentabilidade da produção agrícola).

    A atuação da operação de reciclagem desse grupo pode brevemente até extrapolar suas fronteiras: “Por enquanto, reciclamos apenas materiais das unidades da própria Agrícola Famosa, mas futuramente queremos receber e reciclar também materiais de outras fazendas”, adianta Dantas.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *