Ferramentaria Moderna

Porta-moldes – Segmento lucra com a crescente exigência dos transformadores por ferramentas semiprontas

Jose Paulo Sant Anna
22 de fevereiro de 2009
    -(reset)+

    Plástico Moderno, Wilson Teixeira, diretor técnico da Tecnoserv, Porta-moldes - Segmento lucra com a crescente exigência dos transformadores por ferramentas semiprontas

    Teixeira: molde local ficou mais competitivo com dólar valorizado

    Horvate, da MDL-Danly, também acredita que o dólar valorizado pode colaborar com os fabricantes nacionais. “Por uma questão de custo, muitos transformadores de grande porte, como a indústria automobilística, passaram a pensar em produzir aqui peças antes importadas”, explica. A empresa conta com diferencial em relação aos concorrentes, possui equipamentos de usinagem de metais de grande porte, o que permite a fabricação de porta-moldes de maiores dimensões. Isso facilita as conquistas de encomendas e teve grande peso no fato da MDL crescer 18% no ano passado. Mas a empresa não despreza o mercado dos moldes de menores dimensões e está trabalhando para multiplicar as combinações de dimensões oferecidas.

    Mudanças de perfil – Criada nos anos 80, a Polimold ocupava, no início, um pequeno pedaço da transformadora de plástico Bracofix, que pertencia à família de Fix e representava no Brasil a fabricante norte-americana de porta-moldes DME. Como conta o dirigente, naquela época a própria Bracofix relutava em utilizar porta-moldes.

    O  tempo passou, o mercado se desenvolveu e a empresa cresceu. Hoje ocupa uma área de 15 mil m², onde estão construídos cinco prédios, e emprega 380 colaboradores, e ainda conta com uma fábrica no México. “Hoje a DME se tornou representante da Polimold em vários países do mundo”, orgulha-se o diretor. A empresa norte-americana enfrentou problemas econômicos e deixou de produzir porta-moldes.

    Historicamente, em torno de 20% do faturamento da Polimold vem de exportações. Esse valor se manteve no ano passado, mas os ventos da economia provocaram mudanças no perfil desses negócios. A valorização do real e o preço do aço prejudicaram as vendas externas dos porta-moldes. Em compensação, a empresa passou a comercializar com sucesso no exterior suas câmaras quentes e sistemas valvulados. “São produtos mais caros que os porta-moldes, nós agregamos valor às exportações”, revela Fix.

    Plástico Moderno, Cleber Jesus Silva, gerente do departamento de desenvolvimento e marketing, Porta-moldes - Segmento lucra com a crescente exigência dos transformadores por ferramentas semiprontas

    Projetista acessa os desenhos via internet, ressalta Silva

    Essa alteração trouxe consequências também nas vendas realizadas no mercado interno. Com a redução do comércio internacional de porta-moldes, a ociosidade nas máquinas de usinagem gerou a oportunidade para a empresa explorar a prestação de serviços, aproveitando a demanda dos clientes pelos moldes quase prontos. “Dessa forma, também conseguimos agregar valor às vendas nacionais”, emenda Fix.

    A Polimold oferece aos clientes em torno de um milhão de opções possíveis, levando-se em conta a combinação entre as dimensões das placas e as características dos diversos componentes. As dimensões máximas das placas dos modelos são de 696 mm x 996 mm. “Todos os desenhos dos nossos porta-moldes estão disponíveis na internet. O projetista pode acessar as informações e iniciar o projeto da ferramenta de forma mais ágil”, explica Silva.

    Uma das vantagens importantes da empresa apontadas por Fix se encontra na excelência da empresa na fabricação de câmaras quentes, componentes cada vez mais procurados pelos clientes. Elas foram desenvolvidas pela engenharia da Polimold. “Prova da qualidade de nossas câmaras se encontra no fato de as exportarmos para vários países”, orgulha-se. Além do mercado latino-americano, onde os clientes mais significativos são a Argentina e o México, a empresa vende para vários países europeus, Estados Unidos e China. As vantagens proporcionadas pelas câmaras, como a transformação de peças sem galhos, entre outras, fazem com que a venda desses componentes nos últimos anos tenha curva ascendente também no território nacional.

    Outra linha destacada é a de sistemas valvulados para câmaras quentes, também projetados pela Polimold, que igualmente fazem sucesso no mercado externo. “O sistema valvulado é bastante sofisticado e indicado para a fabricação de peças em moldes onde existam mais de um ponto de injeção”, diz Silva. Ele permite a fluência “inteligente” do material dentro do molde, e tem como finalidade evitar o surgimento de linhas de emenda ou de pontos com menor resistência mecânica.

    Pequenos e gigantes – De origem norte-americana e hoje controlada por investidores brasileiros, a MDL-Danly participa do mercado nacional como fabricante de bases para estampos há 35 anos. Na área de injeção de plásticos, passou a oferecer ferramentas pré-fabricadas há 18 anos. A empresa possui três fábricas no Brasil. Duas delas, localizadas na capital paulista e em Mairinque-SP, são voltadas para a produção das estruturas dos porta-moldes.

    Em Sorocaba-SP, a empresa conta com unidade voltada apenas para a fabricação de componentes para ferramentas, como buchas, pinos e outros. “Essa estrutura nos permite a pronta entrega de qualquer pino ou bucha solicitado pelo cliente”, destaca o gerente de vendas. As peças fabricadas em Sorocaba, além de atender o mercado nacional, são utilizadas pelas plantas que a empresa mantém na França e no México, além de serem exportadas para os Estados Unidos e diversos países da Europa e Ásia.

    A empresa oferece milhares de combinações de porta-moldes, com placas de dimensões de até 2.500mm x 2.000mm. O filão dos moldes gigantes é motivo de sucesso. Com equipamentos como uma retífica plana tangencial usada em placas de aço com dimensões de 3.000mm x 1.500m x 1.000m ou uma furadora que produz furos de até 32mm de diâmetro e 2 metros de profundidade, tem conquistado muitas encomendas entre representantes de segmentos que utilizam peças plásticas de grande porte, como as indústrias automobilísticas, de linha branca e de eletrodomésticos. Nessas dimensões, os porta-moldes, em geral, são acompanhados de prestação de serviços extras de usinagem.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *