Compósitos

Polímeros na Área Médico-Hospitalar – Inovação aliada à Saúde

Plastico Moderno
30 de dezembro de 2019
    -(reset)+

    A Figura 3 ilustra algumas aplicações típicas do PEEK na área médica.

    Plástico Moderno - Figura 3: A. Conjunto de tubos cirúrgicos

    Figura 3: A. Conjunto de tubos cirúrgicos

    Plástico Moderno - B. Engrenagens para equipamentos de Raios-X [Fonte: VICTREX].

    B. Engrenagens para equipamentos de Raios-X [Fonte: VICTREX].

    Há vinte anos, a Invibio, divisão médica da Victrex, fornece polímeros PEEK de alta performance para dispositivos implantáveis, incluindo coluna, artroscopia, reconstrução articular, trauma, procedimentos odontológicos e craniomaxilofaciais (CMF). Um exemplo prático é a placa cervical anterior feita em PEEK-OPTIMA™ vista na Figura 4.

    Plástico Moderno - Figura 4: Simulação de placa cervical anterior feita em polímero PEEKOPTIMA™ [Fonte: Invibio – Biomaterials Solutions].

    Figura 4: Simulação de placa cervical anterior feita em polímero PEEKOPTIMA™ [Fonte: Invibio – Biomaterials Solutions].

    Figura 4: Simulação de placa cervical anterior feita em polímero PEEK-OPTIMA™ [Fonte: Invibio – Biomaterials Solutions].

    Esse material foi o primeiro PEEK de nível médico utilizado em cirurgias de fusão de medula, com vantagens clínicas como ter um Módulo semelhante ao osso e reduzido efeito de stress shielding – quando a densidade óssea diminui em razão da remoção de tensão típica do osso por um implante. Atualmente, quase todas as placas de coluna são feitas em metais, tendo alguns deles sido ligados a complicações após a implantação. É o caso do titânio, que promove a adesão do tecido e acredita-se contribuir para a disfagia, ou dificuldade de engolir. O PEEK-OPTIMA™ Ultra-Reinforced é reforçado com fibras contínuas de carbono, biologicamente inerte e não promove adesão do tecido, comprovadamente ajudando a reduzir a prevalência ou gravidade da disfagia após a cirurgia. Além disso, quando comparado aos metais, possui similar resistência mecânica, resistência à fadiga 50 vezes maior, rigidez reduzida, ausência de corrosão galvânica, radiolucência, entre outras vantagens.

    O uso de polímeros de alta performance tem conquistado seu espaço nos mais diversos segmentos. A atenção ao desenvolvimento de soluções que respeitem os indivíduos promove as bases para a prática segura da tecnologia. Não somente na área médico-hospitalar, mas em todos os outros setores, é imprescindível que requisitos críticos sobre a compatibilidade da matéria-prima em projeto sejam estudados, garantindo a escolha ideal à longevidade e confiabilidade do produto.


    Plástico Moderno - Larissa Rodrigues Mendes: Engenheira de Desenvolvimento na empresa Master Polymers

    Larissa Rodrigues Mendes: Engenheira de Desenvolvimento na empresa Master Polymers

    Larissa Rodrigues Mendes: Engenheira de Desenvolvimento na empresa Master Polymers, possui experiência em polímeros de alta-performance a serem aplicados em setores com críticos requisitos técnicos (automotivo, aeroespacial, óptico, médico-hospitalar, embalagens, eletroeletrônico, entre outros).  Engenheira de Materiais de formação (Universidade Federal de São Paulo), com períodos-sanduíche em Universidade do Porto (Portugal) e Universidade de Wisconsin (EUA). Analista Técnica do Processo de Injeção Plástica (Escola LF). larissa@masterpolymers.com.br



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *