Plásticos de Engenharia – Polímeros Modernos respondem a desafios mais complexos

Evolução de materiais permite responder aos desafios atuais de áreas como saúde e energia

Os fornecedores de plásticos especiais e de engenharia que atuam no mercado brasileiro esperam o desenrolar de 2021 com otimismo moderado.

Para a maioria deles, depois do momento negativo vivido nos primeiros meses após o início da pandemia, o segundo semestre do ano passado ensaiou um bom ritmo de recuperação.

A expectativa é de que os negócios retornem nos próximos meses aos índices anteriores aos da chegada da Covid-19.

O grupo de fabricantes dessas resinas é formado por grandes empresas de especialidades químicas, nomes como a brasileira:

  • Braskem

    E as multinacionais:

  • Solvay,
  • Basf,
  • Covestro,
  • Lanxess,
  • Radici,
  • Toray,
  • UBE,
  • Sabic,
  • Todas com escritórios de representação no país.

A evolução das vendas desses produtos depende muito do perfil dos clientes dessas empresas.

Alguns segmentos econômicos, como os de saúde e embalagens, por exemplo, vivem momento com vendas positivas.

Outros passam por dificuldades, caso da indústria automobilística, grande compradora dessas resinas.

Os fornecedores também vêm sofrendo com um problema que tem afetado a oferta de vários insumos mundo afora.

“Estamos muito impactados pela situação de baixa disponibilidade global de matéria-prima devido à rápida recuperação industrial e o aumento de demanda, fenômeno que deve se estender durante todo o ano de 2021”, explica Luiz Rocha, gerente de vendas e marketing da Toray.

O executivo lembra que outros eventos afetam a cadeia global de suprimentos, como o regime de lockdown adotado em alguns países, problemas no transporte marítimo devido ao aumento sem precedente na demanda de cargas, falta de containers por problemas no reposicionamento das unidades vazias e outros.

“Os impactos se iniciaram na Ásia, se instalaram nos Estados Unidos e Europa e chegaram na América Latina”.

Para não depender apenas do desempenho da economia, as fabricantes dessas matérias-primas contam com arma poderosa para conquistar participação no mercado.

Elas investem pesado em pesquisa e desenvolvimento para chegar a polímeros com novas formulações.

A oferta de plásticos com propriedades diferenciadas permite ampliar as vendas a partir da substituição de outras resinas ou de materiais como aço e vidro em aplicações as mais distintas.

A representante brasileira nesse seleto grupo é a Braskem, que nesse nicho de mercado oferece o PEUAPM com a marca Utec.

Lisa Jeffrey - Braskem - UTEC - Reportagem Plásticos de Engenharia ©QD Fotos: Divulgação
Lisa: PEUAPM suporta abrasão e ambientes muito agressivos

“O nome plástico de engenharia se refere aos polímeros especiais projetados para uso comercial e que oferecem propriedades técnicas superiores quando comparadas a polímeros convencionais e commodities”,

resume Lisa Jeffrey, líder global da empresa ligada à essa resina.

Para Lisa, a Utec reúne propriedades especiais, como alta resistência ao desgaste por abrasão, coeficiente de atrito extremamente baixo, leveza e resistência química e de impacto equivalente ou superior à de outros plásticos de engenharia.

A Braskem fabrica o polímero no Brasil e nos Estados Unidos.

“Essa resina plástica é utilizada em aplicações nas quais se constata alto desgaste por abrasão e ambientes hostis”.

Como exemplo, cita usuários de segmentos da construção civil, indústria, mineração, setor automotivo e de transporte, papel e celulose, óleo e gás, agricultura, alimentos e bebidas.

Entre as aplicações mais comuns podem ser apontadas peças sujeitas ao extremo desgaste, como revestimentos internos, separadores de baterias, fibras têxteis de alta performance, equipamentos de esporte ou recreação, filtros e outras peças porosas, bem como defesas marítimas.

“No Brasil, a Utec é líder no mercado de PEUAPM, sendo muito aproveitada na produção de tarugos, mantas e perfis”. A executiva se mostra otimista em relação às perspectivas de negócios.

“Há expectativa de crescimento no mercado global de PEUAPM, considerando os mercados atuais e emergentes”.

Plásticos especiais – A multinacional Solvay atua com polímeros especiais fora do escopo dos plásticos de engenharia tradicionais.

“Os produtos mais demandados atualmente são os destinados a aplicações na área de equipamentos e dispositivos médicos, no segmento de filmes para indústria de medicamentos, embalagens para alimentos, no segmento automotivo e em determinadas aplicações do segmento de exploração e produção de petróleo e gás”, explica Mônica Martins, gerente de mercado da Solvay Specialty Polymers na América do Sul.

A busca por soluções inovadoras por parte da empresa é constante. “Os mais recentes lançamentos estão ligados ao setor de equipamentos médicos e cirúrgicos de uso único”.

De acordo com Mônica, além das características tradicionais como alta resistência química, térmica e mecânica, as novas formulações têm propriedades diferenciadas, como as que atendem as necessidades das peças sujeitas à esterilização.

Uma estratégia é a de fazer parcerias com empresas internacionais para desenvolver a aplicação de seus produtos.

Um exemplo foi a recente parceria foi feita com a empresa TBL Performance Plastics, fabricante internacional de componentes e sistemas de bioprocessos em polímeros que atua no segmento médico/farmacêutico.

Plásticos de Engenharia - Udel P-1700 PSU garantiu alta transparência para a TBL - Solvay ©QD Fotos: Divulgação
Udel P-1700 PSU garantiu alta transparência para a TBL – Plásticos de Engenharia

Para o desenvolvimento de um produto biofarmacêutico de uso único, a TBL recorreu à resina Udel P-1700 PSU.

Mônica Martins, gerente de mercado da Solvay Specialty Polymers na América do Sul Plástico Moderno - Evolução de materiais permite responder aos desafios atuais de áreas como saúde e energia ©QD Fotos: Divulgação
Mônica Martins – Solvay

“É indicada para peças sujeitas a força superior e que necessitam de transparência, resistência ao calor, estabilidade hidrolítica e retenção de propriedades mecânicas sob esterilização a vapor”.

Mônica explica que o mercado de polímeros especiais também foi afetado pela pandemia, em especial no primeiro semestre do ano passado.

“Alguns segmentos, como o automotivo, foram mais afetados do que outros.

Outros, como os de alimentos e medicamentos, são essenciais e tiveram produção em níveis normais no ano passado”.

Para 2021, ela espera a retomada aos níveis anteriores aos da pandemia a partir do segundo semestre.

Automóveis, móveis, eletrodo­mésticos… – O grupo alemão Basf conta com ampla lista de produtos e soluções em plásticos de engenharia.

Exemplos de aplicações dos polímeros especiais - Plásticos de Engenharia da Basf ©QD Fotos: Divulgação
Exemplos de aplicações dos polímeros especiais – Plásticos de Engenharia da Basf

Ela é formada pelos produtos das famílias Ultramid (PA6, PA6.6, PA6.10 e copoliamidas), Ultradur (PBT e blendas especiais), Ultraform (POM), Ultramid Advanced (PPA) e Elastollan (TPU).

A empresa lança com frequência novas formulações.

Entre elas, a Ultramid Star A208F, PA6.6 indicada para peças com paredes finas e longos caminhos de fluxo, produzidas em ciclos mais rápidos.

Outra novidade, o Ultramid CA218 V30 Black, PA6 modificada reforçada com 30% de fibra de vidro, oferece boa fluidez e adequado balanço rigidez/resistência ao impacto.

Emy Yanagizawa - Basf Plástico Moderno - Evolução de materiais permite responder aos desafios atuais de áreas como saúde e energia ©QD Fotos: Divulgação
Emy Yanagizawa: resinas e seus compostos atendem a diversos setores

“Tem procura crescente em aplicações como tampas de motores, filtros, componentes de cadeiras, e outras”,

informa Emy Yanagizawa, gerente sênior de marketing de materiais de performance para a América do Sul .

A Ultramid B3PG6, PA6 reforçada com 30% fibra de vidro com pacote de estabilização térmica livre de halogenados, chega ao mercado e é definida como material de desempenho mecânico superior em peças com uso contínuo em temperaturas até 190°C.

“Ela evita a corrosão galvânica em componentes elétricos, oferece bom acabamento superficial e fácil soldabilidade”.

O gerente enfatiza a oferta de novos grades de PBT livres de halogenados e antimônio, com excelente combinação de rigidez, resistência ao impacto e alongamento na ruptura.

Também aponta o novo Ultradur B1520 FC R1, PBT com propriedade de barreira a oxigênio e aromas, desenvolvido para embalagens de paredes finas para cosméticos e produtos alimentícios.

“Com ele é possível eliminar embalagens secundárias, ou sistemas multicamadas, como os utilizados em cápsulas de café”.

Yanagizawa explica que a empresa atende empresas de diversos segmentos da economia na região.

Um cliente importante é a indústria automobilística, que utiliza produtos de todas as famílias da Basf na produção de peças as mais variadas.

São várias as aplicações da linha Ultramid na indústria de móveis, caso das cadeiras para escritórios, por exemplo.

A linha Ultradur é bastante solicitada para a fabricação de componentes de eletrodomésticos. Já a série Elastollan, com ampla faixa de dureza, atende diferentes demandas da indústria de calçados.

A empresa acredita na recuperação do mercado brasileiro, mesmo que em alguns setores isso aconteça de forma mais lenta.

“O mercado automotivo é um dos que mais sofreu impacto da crise e tem grande representatividade em nosso negócio no segmento das poliamidas. Mas temos um portfólio balanceado, que atende outros setores”.

Olho nos Veículos Elétricos

Policarbonatos são polímeros de destaque na linha oferecida pela multinacional Covestro.

A empresa comercializa as marcas Makrolon (PC), Apec (PC de alta temperatura), Bayblend (blendas PC/ABS ou PC/ASA) e Makroblend (PC/PBT ou PC/PET).

Também conta em seu portfólio com ampla gama de resinas e blendas de poliuretano termoplástico (TPU) de desempenho avançado.

“A família de produtos atende às mais diversas demandas dos diferentes segmentos de clientes”, explica Sérgio Navarro, representante comercial da área de PC.

No Brasil, os principais compradores são as indústrias automotiva, eletroeletrônica e de construção, esta última principalmente com chapas de policarbonato.

Dentre características mais buscadas por estes mercados estão resistência a impacto e temperatura, alto grau de transparência e propriedades antichama.

Uma das tendências mundiais da Covestro tem a ver com o aumento do uso de veículos elétricos.

Para essa demanda, várias são as aplicações que exigem pesquisa e desenvolvimento.

O representante comercial explica que materiais compostos leves e rígidos reduzem o peso das baterias e outros componentes, entre outras vantagens.

“A caixa de proteção das baterias precisa ser resistente a impactos e adaptável a sistemas de resfriamento. A possibilidade de produção em escala em peças para o sistema do motor, como plugues de alta tensão, sensores, conversores e outras, ajuda na obtenção de melhor relação custo-benefício”, exemplifica.

Navarro informa que, como em todas as empresas de todos os segmentos, 2020 foi marcado por redução de vendas.

“A procura começou a se recuperar no final do ano, resultado que se manteve durante o primeiro trimestre de 2021”.

Sopro de dutos

A multinacional de origem alemã Lanxess atua na área de polímeros com as linhas Durethan A (compostos de PA6.6), Durethan B (compostos de PA6) e Pocan (compostos de PBT e blendas de PBT+PET, PBT+PC, PBT+ASA e PET+PC).

Marcelo Corrêa - Lanxess - Plástico Moderno - motores turbo exigem resistência térmica superior Evolução de materiais permite responder aos desafios atuais de áreas como saúde e energia ©QD Fotos: Divulgação
Marcelo Corrêa: motores turbo exigem resistência térmica superior

“Nossa linha mais requisitada pelo mercado brasileiro é a Durethan B”, revela Marcelo Corrêa, head de marketing e vendas de materiais de alto desempenho para a América Latina.

De acordo com o executivo, os produtos da série são versáteis e aliam alta rigidez, resistência ao impacto e melhor resistência térmica do que os polímeros a base de poliamida 6.6 em aplicações onde peças atuam em regimes de temperatura contínua.

“O Durethan B é muito utilizado na indústria automotiva, mas também nos mercados de ferramentas elétricas, eletroeletrônico, agrícola e outros”.

Uma linha que tem recebido muita atenção da empresa é a de materiais voltados para o sopro de dutos automotivos.

Tubos para os freios de caminhões são feitos com PA da UBE Plásticos de Engenharia ©QD Fotos: Divulgação
Tubos para os freios de caminhões são feitos com PA da UBE

“Existe uma tendência de lançamento de novos motores turbo, que necessitam de materiais com maior resistência térmica”.

Esses materiais podem ser flexíveis, para suportar a vibração dos motores, ou de maior rigidez. Um exemplo é o Durethan BC700HTS, PA6 de alta resistência ao impacto e alta flexibilidade, indicado para operações nas quais ocorrem regimes contínuos de temperaturas bastante elevadas.

A empresa também oferece o Durethan AKV320Z H2.0, PA6.6 com 20% de vidro, material de maior rigidez e resistente à temperatura de aplicação contínua até 200ºC, com picos de 240ºC.

Corrêa se mostra otimista em relação ao desempenho do mercado nos próximos meses.

“As vendas vêm se aquecendo desde o início do terceiro quadrimestre de 2020 e nossa expectativa é de fechar 2021 com volumes vendidos acima dos de 2019”.

Lançamento – Plásticos de Engenharia

O lançamento da linha Radilon Mixloy, blenda de PA/ABS, é a grande novidade da italiana Radici.

Luís Baruque Radici Plástico Moderno - Evolução de materiais permite responder aos desafios atuais de áreas como saúde e energia ©QD Fotos: Divulgação
Baruque: blenda PA/ABS gera bom acabamento superficial

“A blenda apresenta propriedades de alto desempenho, com elevada resistência térmica e mecânica”, informa Luís Baruque, gerente de marketing e desenvolvimento de novos negócios.

De acordo com ele, a blenda permite a obtenção de peças com bom acabamento superficial e estabilidade dimensional. Possui baixa densidade e é fácil de ser processada.

“Um grande campo de aplicação para o Radilon Mixloy se concentra no setor automotivo, principalmente em componentes para o interior dos veículos, onde as características de aparência e resistência térmica e química são muito importantes”.

Mas os produtos da linha também são indicados para peças presentes nas partes externas da carroceria e no compartimento do motor.

“Outras aplicações se dão em peças de eletrodomésticos, artigos esportivos e capas de equipamentos eletrônicos.

Como o produto possui baixa absorção de umidade, baixa contração e facilidade de processamento, estamos apostando que teremos grande participação no mercado de impressão FDM 3D”.

No Brasil, a Radici também comercializa as linhas Radilon (PA6.6, PA6, PA6.10, PA6.12 e PPA), Torzen (PA6.6), Radistrong (PA6.6 com fibra longa), Heramid (PA6 e PA6.6 pós-consumo), Radiflam (PA6, PA6.6 e PTB auto extinguíveis), Heraform (POM), Raditer (PBT), Heraflex (TPE-E) e Raditeck (PPS).

A linha mais vendida é a Radilon, indicada para moldagem por injeção, extrusão e sopro em aplicações diversas nos mercados automotivo, eletroeletrônico, de embalagens e outras.

“A linha apresenta excelentes propriedades mecânicas, resistência química e à temperatura e excelente processabilidade, entre outras características”.

Baruque informa que após um período de vendas baixas no início da pandemia, houve forte retomada das vendas a partir do segundo semestre, fenômeno que se manteve até o primeiro trimestre desse ano.

Apesar da demanda continuar alta, ele acha difícil fazer uma previsão de como será o ano de 2021.

“A demanda continua alta, mas há falta de matéria-prima no mercado global.

Com a segunda onda da pandemia, muitas empresas, principalmente as do setor automotivo, estão suspendendo suas produções”.

— Reportagem continua depois do Guia —-

Guia dos Plásticos de Engenharia

Relação com 21 Plásticos de Engenharia, Blendas, Compostos entre outros e link para seus fornecedores:

  1. ABS – Acrilonitrila Butadieno-Estireno
  2. ABS Reforçado – Acrilonitrila Butadieno-Estireno Reforçado (ABS/PC)
  3. ASA – Copolímero De Acrilonitrila-Estireno-Acrilato
  4. Blendas (diversas)
  5. ETP – Plásticos De Engenharia
  6. MABS – Copolímero De Metilmetacrilato Acrilonitrila Butadieno-Estireno
  7. PA – Poliamidas (Poliamida 4.6, 6, 6.6 e diversos)
  8. PBT – Polibutileno Tereftalato
  9. PC – Policarbonato
  10. PET – Polietileno Tereftalato
  11. PET-G – (filmes e chapas)
  12. Plásticos de Engenharia
  13. Poliésteres (Resina Poliéster)
  14. POM – Poliacetal
  15. PPA – Poliftalamidas
  16. PPS – Polissulfeto De Fenileno
  17. SAN – Copolímero De Estireno-Acrilonitrila
  18. TPE – Elastômeros Termoplásticos (Tpe) (Tr) (Borrachas Termoplásticas)
  19. TPO – Elastômeros Termoplásticos, Olefínicos (Tpo)
  20. TPU – Poliuretana Termoplástica (Elastômeros Termoplásticos Vulcanizados)
  21. UHMW-PE – Polietileno De Ultra Alto Peso Molecular (Uhmw) (Peuapm)

Made in Japan

Com o avanço da pandemia e a necessidade no aumento da produção de insumos médicos, a japonesa Toray introduz no Brasil as resinas de ABS transparente Toyolac 950 ME1 e 950 ME2.

A família é composta por materiais projetados para atender às necessidades de dispositivos médicos como cateteres, adaptadores e conectores para equipamentos, dialisadores e outros itens.

Eles podem ser utilizados em peças que entram em contato com fluidos.

“São materiais livres de BPA, com certificação de FDA e biocompatibilidade atestada pelas normas internacionais”, afirma Luiz Rocha.

Os produtos oferecidos pela empresa, além da linha Toyolac (SAN, ABS, ASA e MABS), apresenta as famílias Toraycon (PBT e compostos), Amilan (PA6 e PA66) e Torelina (PPS).

Entre os mais solicitados no mercado nacional, encontram-se os produtos da linha Toyolac, entre eles formulações da resina ASA com alta resistência aos raios ultravioletas e de ABS especiais para peças pintadas e cromadas e compostos.

Também são muito procuradas as poliamidas da linha Amilan que apresentam excelente rigidez e resistência ao calor.

As indústrias automobilística, de eletroeletrônicos e outras fazem parte do grupo dos principais clientes. “A nossa perspectiva é de crescimento moderado em 2021”.

A UBE, outra multinacional japonesa, fabrica ampla gama de poliamidas com a marca UBE Nylon (PA6, PA6/6.6, PA6/6.6/12, PA6/12 e PA120), todas produzidas na planta que a empresa mantém na cidade de Castellón, Espanha.

“Estes grades cobrem todas as faixas de viscosidades”, informa Edgar Veloso, executivo de vendas técnicas para a América Latina.

No Brasil os principais segmentos atendidos são os de filmes para embalagens flexíveis (alimentos, produtos de higiene pessoal e limpeza), itens para sistemas automotivos (tubos para combustíveis, freios e arrefecimento) e peças que exigem compostos com modificadores de impacto, resistentes a altas temperaturas e outras propriedades.

Também na lista de clientes estão os mercados de peças técnicas para usinagem (pranchas, sapatas e hastes), monofilamentos para cortadores de grama, fios de pesca, vassouras e escovas de dentes, filmes para moldagem de pás eólicas e outros tipos de compósitos e filmes agrícolas, entre outros.

Veloso destaca os lançamentos recentes da empresa. São produtos indicados para a produção de filmes multicamadas recicláveis.

“Trabalhamos arduamente junto a recicladores e fabricantes de filmes para chegar a resultados satisfatórios e acreditamos que a demanda por estes materiais só crescerá”.

Esses produtos contêm entre 20% e 100% de PA e são utilizados para substituir a resina virgem de PE, com propriedades finais superiores.

“Eles podem ser largamente utilizados em aplicações não alimentícias”.

O perfil de produtos oferecidos pela UBE proporcionou bons resultados comerciais no ano passado.

“Por conta da pandemia, as vendas de nossas resinas cresceram em relação à 2019”. Este aumento se deve em boa parte ao aumento da demanda nos supermercados e do e-commerce proporcionados pelo distanciamento social.

A preocupação com a volatilidade do dólar gerou a antecipação nas compras dos clientes preocupados em manter bons níveis de estoque.

Para Veloso, há incertezas sobre o desempenho dos negócios ao longo de 2021.

“Gostaríamos de enfatizar que nossas poliamidas podem ajudar muito em tempos de pandemia, por garantirem maior segurança e proteção para as embalagens, contribuindo para a redução do desperdício dos alimentos e outros bens de consumo, entre outras vantagens”.

Iluminação Automotiva – Plásticos de Engenharia

A Sabic, multinacional com origem na Arábia Saudita, conta em seu portfólio com as linhas de PC, blendas de PC (PC/ABS, PC/PBT, PC/PET e PC/ASA), termoplásticos à base estireno (ABS e ASA), materiais cristalinos (PBT, PBT com fibra de vidro curta e PBT com retardantes de chama), e compostos de polipropileno (com fibra de vidro curta ou longa).

Um dos lançamentos recentes da empresa é um grade de PC com a marca Lexan HF4010SR, indicado para peças usadas na iluminação automotiva.

Lexan HF-4010SR de alto fluxo permite produzir faróis complexos - Plásticos de Engenharia
Lexan HF-4010SR de alto fluxo permite produzir faróis complexos – Plásticos de Engenharia

De acordo com informações prestadas pela empresa, a resina apresenta recursos de alto fluxo e fácil liberação de molde e proporciona liberdade para o desenvolvimento de design de faróis complexos e com estética aprimorada.

Uma das principais demandas do mercado brasileiro para a Sabic tem sido o PC e suas blendas.

De acordo com a empresa, as principais características desses produtos são transparência, alto impacto, resistência térmica, estabilidade dimensional e retardamento de chama.

Essas resinas são amplamente usadas em automóveis em peças como lentes, tampas e acabamentos do painel de instrumentos e spoilers.

Também são indicados para folhas de extrusão para protetores faciais, aplicações na construção civil, recipientes para alimentos, garrafas de água e outras aplicações.

A expectativa da empresa é de que a recuperação da economia iniciada no segundo semestre do ano passado prossiga em 2021.

Guia dos Plásticos de Engenharia

Relação com 20 Plásticos de Engenharia, Blendas, Compostos entre outros e link para seus fornecedores:

  1. ABS – Acrilonitrila Butadieno-Estireno
  2. ABS Reforçado – Acrilonitrila Butadieno-Estireno Reforçado (ABS/PC)
  3. ASA – Copolímero De Acrilonitrila-Estireno-Acrilato
  4. Blendas (diversas)
  5. ETP – Plásticos De Engenharia
  6. MABS – Copolímero De Metilmetacrilato Acrilonitrila Butadieno-Estireno
  7. PA – Poliamidas (Poliamida 4.6, 6, 6.6 e diversos)
  8. PBT – Polibutileno Tereftalato
  9. PC – Policarbonato
  10. PET – Polietileno Tereftalato
  11. PET-G – (filmes e chapas)
  12. Plásticos de Engenharia
  13. Poliésteres (Resina Poliéster)
  14. POM – Poliacetal
  15. PPA – Poliftalamidas
  16. PPS – Polissulfeto De Fenileno
  17. SAN – Copolímero De Estireno-Acrilonitrila
  18. TPE – Elastômeros Termoplásticos (Tpe) (Tr) (Borrachas Termoplásticas)
  19. TPO – Elastômeros Termoplásticos, Olefínicos (Tpo)
  20. TPU – Poliuretana Termoplástica (Elastômeros Termoplásticos Vulcanizados)
  21. UHMW-PE – Polietileno De Ultra Alto Peso Molecular (Uhmw) (Peuapm)

Leia Mais Sobre Plásticos de Engenharia:

Memória Plástico Moderno

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios