Plástico

Plasticultura – Plásticos propõem aos agricultores explorar seus benefícios além do simples abrigo do tipo guarda-chuva

Maria Aparecida de Sino Reto
23 de Março de 2010
    -(reset)+

    Disseminar no país o uso dos filmes agrícolas, considerados uma ferramenta de alta tecnologia e indutora de elevada produtividade no cultivo das mais variadas culturas (flores, hortaliças, frutas, entre outras), exige um trabalho de formiguinha, mas a persistência de especialistas nessa área e de instituições como o Comitê Brasileiro de Desenvolvimento e Aplicação de Plásticos na Agricultura (Cobapla) contribui há anos para a evolução contínua e crescente desse mercado. Pelas estimativas do comitê, os agrofilmes destinados à cobertura de estufas consomem atualmente cerca de 20 mil toneladas/ano de poliolefinas e os filmes para mulching, outras 2.500 toneladas anuais. Especialistas avaliam o crescimento da plasticultura brasileira na casa dos 10% ao ano e consideram o nicho muito atraente e de forte potencial.

    O cultivo protegido compensa por muitos aspectos além do resguardo das intempéries. Sob o abrigo dos agrofilmes, o agricultor consegue evadir a proliferação de vírus (por impedir o vetor de agir) e pragas, controlar a temperatura, a disseminação de luz e de calor, entre outras tantas variáveis climáticas. A cobertura plástica também protege o solo (mulching), contribuindo para restringir a aplicação de agroquímicos, (inibe o crescimento de ervas daninhas), impede a erosão, diminui a perda de adubo por lixiviação, retém água (reduz a perda de umidade por evaporação) e impede o contato de frutos e folhas com o solo – vantagens traduzidas em menor custo, maior produtividade e qualidade dos produtos.

    Plástico Moderno, Antonio Bliska Júnior, Vice-presidente da Cobapla, Plasticultura - Plásticos propõem aos agricultores explorar seus benefícios além do simples abrigo do tipo guarda-chuva

    Para Bliska, quem busca alta tecnologia, opta pelos plásticos

    O último levantamento de amplo espectro do setor data de cinco anos atrás. O mapeamento, elaborado pelo Cobapla, registra os gargalos da plasticultura brasileira e a dimensiona. As informações, colhidas ao longo de dois anos, detectaram à época mais de 13 mil hectares de produção sob estufas e acima de 7 mil hectares cultivados com a aplicação de plástico como cobertura de solo.

    A carência de informações sobre a técnica e a falta de formação com foco na área explicam em boa parte porque o uso do plástico no cultivo protegido ainda não se disseminou em larga escala na agricultura brasileira. O estudo do Cobapla estima que de toda a resina processada no país apenas 2,5% corresponda ao consumo agrícola, mas o potencial de crescimento na área é alto e tende a ser mais explorado nos próximos anos, também em outros braços da tecnologia, como a irrigação localizada (gotejamento e microaspersão) e nos silos-bags (ou silos-bolsas), só para mencionar alguns exemplos.

    Para o vice-presidente do Cobapla, Antonio Bliska Júnior, as empresas estão encarando o setor agrícola como um bom negócio e buscando novos mercados – o que deve impulsionar a plasticultura. “Quando se envolve alta tecnologia, coloca-se plástico no meio produtor rural”, pontua.

    Plástico Moderno, Jair A. de Oliveira, Responsável pelos negócios dos agrofilmes da Nortene, Plasticultura - Plásticos propõem aos agricultores explorar seus benefícios além do simples abrigo do tipo guarda-chuva

    Silos-bolsas vendem bem e Oliveira já admite a sua nacionalização

    Prova da maior anuência dos agricultores brasileiros às benesses da plasticultura está na demanda crescente de uma nova tecnologia: os silos-bags, bolsas gigantes e flexíveis para acondicionamento e armazenamento de grãos.

    Ainda pouco explorada no Brasil, embora muito difundida em outros países da América do Sul, como Argentina, a novidade começa a despertar interesse nos usuários e a encorajar os fabricantes nacionais de agrofilmes a investir na nacionalização dos silos-bolsas. Por ora, os argentinos alimentam a maior parte da demanda brasileira.

    Nome tradicional no ramo brasileiro de agrofilmes, a Nortene descobriu o filão e comercializa produto que leva o nome da DuPont, que já fabricou silo-bag no passado, mas declinou do negócio, hoje continuado por uma de suas parceiras, terceirizada, que manufatura os silos com as especificações determinadas pela multinacional renomada. Jair A. de Oliveira, gestor de carteira de clientes, responsável pelos negócios dos agrofilmes da Nortene, admite o interesse da empresa em negociar com a DuPont o uso da tecnologia para produzir os silos, com vistas a nacionalizar o produto até 2011.

    “Um filão muito grande de mercado.” É assim que Oliveira avalia a oportunidade de fabricar as bolsas armazenadoras de grãos. A empolgação se sustenta nos negócios realizados no país. Só no ano passado, ele vendeu 20 mil unidades. “Esperamos atingir 30 mil neste ano”, enseja. Há cerca de cinco anos no negócio, a Nortene acredita deter, atualmente, 40% do mercado.

    Plástico Moderno, Nelson M., gerente de marketing da Electro Plastic, Plasticultura - Plásticos propõem aos agricultores explorar seus benefícios além do simples abrigo do tipo guarda-chuva

    Anúncios de expansão de Nelson Iida também contemplam os silos

    A variedade de silos-bolsas ofertada pela Nortene alimenta duas áreas: a de silagem e a de acondicionamento de grãos. Os produtos direcionados à primeira medem cerca 1,5 m de diâmetro por 60 metros de comprimento e dispõem de capacidade entre 90 e 100 toneladas. Para o segundo segmento, comportam até 180 toneladas, ou 3 mil sacos, e medem 60 metros de comprimento por 2,75 m de largura.

    Outro nome de peso dos agrofilmes nacionais, a Electro Plastic engrossa o rol das pretendentes a introduzir os silos-bolsas à sua linha produtiva. A intenção se inclui nos projetos de investimentos idealizados para expandir as vendas da empresa no mercado do agronegócio (hoje da ordem de 30% das atividades) e também envolve a aquisição de novas máquinas, como atesta o gerente de marketing da Electro Plastic, Nelson M. Iida. Segundo ele, os planos de expansão contemplam filmes para mulching, cobertura de estufas e também inserem os silos-bags. Os projetos, porém, de longo prazo se estendem para os próximos dez anos. “A produção dos silos-bolsas envolve a união de forças tecnológicas, não basta ter equipamento, é preciso ter tecnologia”, justifica.


    Página 1 de 512345

    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *