Máquinas e Equipamentos

Plástico no automóvel: Advento do carro elétrico gera desafios adicionais

Jose Paulo Sant Anna
30 de outubro de 2019
    -(reset)+

    PC, PU, revestimentos – A Covestro, nome da empresa formada a partir da antiga divisão de materiais especiais da Bayer, atua em diversas frentes para atender a indústria automotiva. A importância dada pela empresa ao setor é tanta que ela chegou a desenvolver um carro elétrico conceitual, todo elaborado a partir do uso do plástico. A empresa oferece uma série de materiais específicos para revestimentos, adesivos, espumas, filmes e compósitos que podem ser aproveitados em peças o interior e exterior dos veículos, iluminação, estofamento e protetores para baterias de carros elétricos, entre outras aplicações.

    Plástico Moderno - Carro elétrico conceitual da Covestro é feito de plásticos

    Carro elétrico conceitual da Covestro é feito de plásticos

    Com as marcas Makrolon e APEC, a empresa comercializa policarbonatos que podem ser aproveitados em uma série de aplicações. Entre as características desses materiais, se encontram durabilidade, resistência e possibilidade de substituição de metais com a respectiva redução de peso, além de permitir aos projetistas grande liberdade de desenvolvimento de design. Outro destaque fica para a linha de Bayblend, formada por diversas formulações de blendas feitas a partir da adição de policarbonato a outros materiais (ABS, ASA ou SAN), cujas características atendem a uma série de aplicações.

    As espumas rígidas de poliuretano são produtos tradicionais da empresa. Elas podem ser aproveitadas na produção de tetos, displays, componentes nos quais se acondicionam alto-falantes ou como isolamento térmico. Também de poliuretano, as espumas flexíveis são utilizadas na produção dos assentos. Outro foco de atuação da empresa é o fornecimento de endurecedores feitos a partir de produtos biológicos voltados para revestimentos. O produto, aplicado recentemente de forma pioneira em um corpo de teste de um modelo de automóvel da Audi, proporciona maior proteção e resistência a arranhões.

    Resistência térmica – Os principais produtos comercializados pela Radici para o mercado automobilístico são as poliamidas da marca Radilon (PA 6, PA 6.6, PA 6.10 e PA 6.12). “Eles apresentam excelentes propriedades mecânicas, resistência a altas temperaturas de utilização contínua e elevada resistência química. São materiais com desempenho estrutural para a substituição do metal”, resume Luis Baruque, gerente de marketing e desenvolvimento para o mercado automotivo sul-americano.

    Hoje, a maior preocupação da empresa tem sido a de desenvolver novos grades com alta resistência térmica, que mantenham propriedades mecânicas ao longo do tempo quando submetidos a elevadas temperaturas de trabalho. “Para aplicações desse tipo lançamos duas novas linhas de produtos”, informa o gerente. Um deles é o Radilon Aestus T. “Trata-se de um PPA com elevada temperatura de fusão e distorção sob carga, possui reduzido índice de absorção de umidade e excelente resistência ao envelhecimento quando em contato com ar, etilenoglicol e gasolina com álcool”. O outro é o Raditeck P. “É um PPS com excepcional resistência química e térmica, excelente estabilidade dimensional e propriedades antichama”.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *