Compósitos

4 de novembro de 2014

Plástico na medicina: Das seringas às próteses, polímeros e compósitos conquistam mais aplicações

Mais artigos por »
Publicado por: Jose Paulo Sant Anna
+(reset)-
Compartilhe esta página
    Plástico Moderno, Plástico na medicina: Das seringas às próteses, polímeros e compósitos conquistam mais aplicações

    Plástico na medicina: Das seringas às próteses, polímeros e compósitos conquistam mais aplicações

    Multinacionais com atuação na indústria química investem generosas quantias em pesquisa e desenvolvimento de polímeros adequados para peças as mais variadas voltadas para a medicina. Boa parte dos recursos é destinada à descoberta de fórmulas sofisticadas, indicadas para aplicações em que o desempenho exigido é rigoroso. São matérias-primas com grande resistência mecânica, térmica e química, muitas vezes biocompatíveis com os pacientes. Além disso, esses materiais precisam estar aptos a serem esterilizados mediante as diversas técnicas disponíveis no mercado para essa finalidade. O esforço das empresas vale a pena. Quanto mais sofisticado o polímero, maior o retorno financeiro para quem o produz. O raciocínio vale para nomes como Solvay, Bayer e Sabic, entre outros. A representante nacional nessa lista é a Braskem.

    Só para lembrar: estamos falando de um nicho de negócios gigantesco. O mercado global de polímeros médicos deve chegar a 17,05 bilhões de euros até 2020, número apontado por estudo recente da consultoria norte-americana Grand View Research. A pesquisa, intitulada “Análise de polímeros para o mercado médico por produto e por segmento para 2020”, prevê que a demanda por plásticos no segmento atingirá 7,15 mil toneladas métricas em 2020, partindo da base de 4,9 mil t em 2013. O crescimento calculado tem taxa anual média de 5,6%.

    Plástico Moderno, Implantes e peças como os afastadores cirúrgicos aproveitam as vantagens dos polímeros especiais

    Implantes e peças como os afastadores cirúrgicos aproveitam as vantagens dos polímeros especiais

    A contínua substituição de materiais tradicionais, como vidro e metal, e a crescente demanda do mercado de saúde explicam a estimativa otimista para os próximos seis anos. Além disso, com população geriátrica crescente, é esperado aumento da procura de dispositivos feitos com base em polímeros nas cirurgias minimamente invasivas. Os produtos mais usados hoje são fibras e resinas, que registraram demanda de 4,24 mil t em 2013. Os maiores mercados de aplicação são dispositivos e equipamentos, que representaram o consumo de mais de 2 mil t no ano passado.

    “É preciso ressaltar a influência do plástico na evolução da medicina”, resume Miguel Bahiense, presidente do Instituto do PVC e do Plastivida, Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos. Para ele, hoje é quase impossível pensar em procedimento médico que não conte com a presença de algum tipo do material. Ele aponta algumas aplicações para lá de nobres, casos, por exemplo, dos corações artificiais, peças usadas em próteses e outras.

    O dirigente também faz questão de ressaltar outros usos também importantes. No dia a dia, por exemplo, são aproveitadas milhões de bolsas de sangue ou de soro, seringas para injeções e outras peças descartáveis. “O plástico ajuda até em detalhes pouco notados. Um piso de PVC enriquecido com partículas antimicrobianas é muito útil quando instalado nos hospitais. Hoje, quase todas as embalagens de remédios são feitas com a ajuda do plástico”, acrescenta Bahiense.

    Plástico Moderno, Mônica: implantes e peças como os afastadores cirúrgicos (acima) aproveitam as vantagens dos polímeros especiais

    Mônica: implantes e peças como os afastadores cirúrgicos (acima) aproveitam as vantagens dos polímeros especiais

    Investimento pesado – A Solvay Specialty Polymers, ligada ao grupo Solvay, conta com onze centros de pesquisa e desenvolvimento de tecnologia mundo afora. Um desses centros, localizado no Estado da Geórgia, nos Estados Unidos, reúne um grupo de pesquisadores de polímeros de alto desempenho especializados no mercado de saúde. Lá são investidas pesadas somas para se chegar a soluções inovadoras.

    Mônica Martins, gerente do mercado healthcare para a América do Sul, lembra que as propriedades dos insumos oferecidos pela empresa permitem ampla variedade de aplicações, entre elas de ortopedia e hemodiálise, dispositivos médicos, caixas e bandejas, instrumentos dentários e cirúrgicos e dispositivos médicos implantáveis. “Há polímeros de alta performance que não demonstram evidências de reatividade, citotoxicidade, sensibilização intracutânea ou toxicidade sistêmica aguda. Eles podem ser esterilizados por todos os métodos convencionais, incluindo vapor, óxido de etileno, peróxido de hidrogênio vaporizado e radiação gama”, relatou.

    A gerente destaca que a produção de dispositivos voltados para medicina requer do transformador a seleção criteriosa da resina para cada caso. A escolha depende de questões de biocompatibilidade, ciclo de vida do produto, métodos de esterilização, resistência aos agentes de limpeza e desinfecção, e propriedades mecânicas.


    Página 1 de 3123

    Compartilhe esta página








      1. Sarah Ribeiro

        Gostaria de ser informada quais são os polímeros.


      2. Sarah Ribeiro

        Gostaria de ser informada com clareza quais polímeros se usa na medicina.
        Grata pela atenção.



      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *