Feiras e Eventos

Plástico Brasil: Máquinas e equipamentos exibiram avanços

Antonio Carlos Santomauro
11 de junho de 2019
    -(reset)+

    A Hercx, representante no Brasil dos equipamentos da Maguire, oferece dosadores gravimétricos e desumidificadores a vácuo. “Comparativamente aos sistemas tradicionais, que utilizam sílica gel para a retirada da umidade, os desumidificadores a vácuo trazem inúmeras vantagens, como a economia de até 85% de energia elétrica e redução no tempo de preparo do material”, diz o diretor Hercules Piazzo.

    Controle de temperatura, robôs – A Refrisat, empresa nacional especializada em refrigeração industrial, anunciou melhorias em seu sistema Datalog, que disponibiliza informações de mais de quinze variáveis dos processos. “Na linha de chillers superamos nossa tradicional redução de consumo de energia, na casa de 14% a 15% em relação à dos concorrentes. Conseguimos pelo menos mais 5% de eficiência”, garante Carlos Pereira, diretor-geral da empresa. A empresa também salientou a nova geração de drycoolers modulares, que ganharam novo painel e resfriador de ar comprimido voltado para melhorar a finalização dos produtos soprados.

    Também do ramo de controle de temperatura, a nacional Mecalor apresentou nova série de drycoolers. De acordo com Marcelo Zimmaro, diretor comercial, o novo modelo, quando comparado com o da geração anterior, ocupa 50% menos espaço e consome 66% menos energia. “Conseguimos essas melhorias evoluindo nossos trocadores de calor”. Outro anúncio foi o do início de uma operação no México, sua primeira filial no exterior. “Inicialmente, essa operação terá área comercial, de distribuição e assistência técnica. No futuro pretendemos fabricar equipamentos lá”.

    Plástico Moderno, Zimmaro: drycooler ocupa pouco espaço e gasta menos energia

    Zimmaro: drycooler ocupa pouco espaço e gasta menos energia

    Os robôs sempre atraem a atenção dos visitantes de feiras mecânicas, ainda mais agora que eles se transformaram em peças fundamentais para a adoção do conceito 4.0. Na Plástico Brasil, marcas bastante conhecidas estiveram representadas, caso da Dal Maschio, única fabricante nacional, e de nomes internacionais, como Star Seiki, Wittmann Battenfeld e Sepro.

    A Dal Maschio destacou as evoluções em seus produtos. Entre elas, a colocação de dois eixos rotativos no pulso de alguns modelos, o que amplia a mobilidade, facilita a colocação de insertos, permite a aproximação das peças de câmeras de inspeção visual e simplificam etiquetagem e impressão. A integração de seus robôs a sistemas visuais compostos por duas câmeras foi outra inovação. Uma câmera permite a localização e posicionamento de peças e outra pode ser usada para o controle de qualidade, para checar a existência ou não de insertos, furos, falhas de injeção e rebarbas. “Também trabalhamos para tornar nossos robôs mais ecléticos, para que com ajustes possam atuar em diferentes aplicações, casos da injeção IML ou na montagem de insertos durante o ciclo, entre outras”, complementa José Luiz Galvão Gomes, diretor comercial.

    No estande da Sepro, três modelos chamaram a atenção. Um deles, o Strong 50, robô do tipo pick-and-place de cinco eixos – dois para rotação – é dimensionado para aplicações em injetoras até 1.600 toneladas. O modelo 6X-140, da linha Sepro-Yaskawa, de porte pequeno e seis eixos articulados, é para injetoras até 200 toneladas. O terceiro modelo, o 5X-25, da linha Sepro 5X, tem cinco eixos servo-motorizados e é oferecido em parceria com a Stäubli Robotics.

    Matérias-primas, aditivos e masterbatch – Principal fabricante de matérias-primas do país, a Braskem não contou com estande na área da feira. Alugou uma espaçosa sala no mezanino do pavilhão. Para divulgar seus produtos junto aos visitantes, traçou uma estratégia diferenciada. Promoveu um tour duas vezes ao dia para levar os interessados aos estandes de fornecedores de equipamentos nos quais havia demonstrações de aplicações das resinas oferecidas pela empresa. Um exemplo se deu no da Romi, onde foram produzidos cachepots – espécie de revestimento para vasos de plantas – com a recém-lançada resina reciclada proveniente de big bags de PP. O “passeio” também envolveu marcas como Arburg, HGR, Rulli Standard e Carnevalli, entre outras.

    Distribuidoras de resinas “assinaram o ponto”. A Mais Polímeros adicionou o ABS em sua lista de produtos oferecidos ao mercado. Também destacou a inauguração, há cerca de três meses, de uma filial em Itajaí-SC. “Já tínhamos filiais em Caxias-RS, Piraquara do Sul-PR, e Aparecida de Goiânia-GO”, acrescenta a diretora Daniela Antunes Guerini. A empresa, em parceria com a Braskem e o Grupo Cofrag, participa do projeto da primeira palmilha feita com EVA verde. A Activas ressaltou que no início deste ano passou a trabalhar com mais três representadas: Covestro (PMMA), Samsung (ABS) e Cromex (concentrados de cores).

    A Cristal Master divulgou seus aditivos indicados para o mercado de reciclagem, como o neutralizador de odor. A empresa também apresentou um aditivo anticolapso, utilizado nos processos de expansão, e um aditivo antirisco, indicado para as indústrias automobilísticas e de eletroeletrônicos, entre outras. Outra linha com a marca foi a de compostos para XLPE, resina utilizada em fios e cabos. “Esse é um mercado técnico, cujas normas exigem produtos específicos”, afirma Peterson Miranda, responsável pela área de marketing.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *