Máquinas dominam a área e obtêm bons resultados de negócios e visitação

A primeira Plástico Brasil (Feira Internacional do Plástico e da Borracha) gerou resultados satisfatórios para muitos de seus participantes.

Injetoras

Para os processos de injeção, a Plástico Brasil apresentou equipamentos elétricos, hidráulicos e híbridos; todos, também buscando se diferenciar através de quesitos como produtividade e menor consumo de energia.

KrausMaffei

A KrausMaffei, por exemplo, mostrava sua nova série de máquinas elétricas: a série PX, lançada na última feira K, já com modelos com força de fechamento de 50 a 200 toneladas.

“Brevemente, teremos também a máquina de 25 toneladas e, posteriormente, chegaremos a 600 toneladas”, adianta Rodrigo Olivetto, responsável pela área de vendas da empresa.

Essas máquinas, ele prossegue, podem ser equipadas com a tecnologia APC – exclusiva da Krauss Maffei – que automaticamente ajusta o processo dentro do ciclo, independentemente de variação de viscosidade e da fluidez do material.

Sumitomo Demag

A Sumitomo Demag mostrou a máquina com acionamento elétrico direto IntElect, de 350 toneladas de força de fechamento, com fusos comandados por servos motores resfriados a ar.

Plástico Moderno, Série IntElect apresenta ciclos rápidos e economia de energia
Série IntElect apresenta ciclos rápidos e economia de energia

“Comparativamente às máquinas de mesmo porte, porém hidráulicas, ela consome 40% menos energia”, afirma Christoph Rieker, gerente geral da Sumitomo (SHI) Demag do Brasil.

Segundo ele, a IntElect vem sendo continuamente aprimorada. Uma de suas evoluções mais recentes é a injeção sequencial, capaz de garantir que todas as peças tenham peso idêntico.

“É uma máquina com ciclos muito rápidos, inferiores a quatro segundos, sendo interessante, por exemplo, para a produção de embalagens e tampas. Mas também para ciclos menos rápidos, como em autopeças, nos quais ela reduz bastante o consumo de energia, pois fica inativa durante o resfriamento”, ele diz.

“Também trouxemos o modelo El-Exis SP, com altíssima produtividade e elevada performance, para ciclos rapidíssimos, de menos de 2 segundos”, acrescenta Rieker.

 

Romi

Entre os equipamentos instalados no estande da Romi, o diretor William dos Reis destacava a injetora para paredes finas em ciclos ultrarrápidos ES 300, híbrida, com fechamento e plastificação elétricos e injeção por acumulador hidráulico controlado por servo-válvulas “Também estamos mostrando nosso novo comando CM 20, totalmente preparado para a conectividade exigida pela Indústria 4.0, pois aceita qualquer tipo de conexão”, acrescenta Reis.

Plástico Moderno, Injetora híbrida ES 300, da Romi, faz peças de paredes finas
Injetora híbrida ES 300, da Romi, faz peças de paredes finas

Arburg

A Arburg enfatizou duas máquinas: uma delas, hidráulica da série Golden Edition, com 100 toneladas de força de fechamento e sistema AES (Arburg Energy Saving), capaz de reduzir o consumo de energia pela utilização de inversor de frequência no acionamento – sem reduzir a dinâmica da máquina – e com ciclo de 6 segundos.

Plástico Moderno, Inversores comandam acionamento da Golden Edition da Arburg
Inversores comandam acionamento da Golden Edition da Arburg

 

Plástico Moderno, Goulart: Arburg também exibiu a série híbrida e rápida Hidrive
Goulart: Arburg também exibiu a série híbrida e rápida Hidrive

“Também estamos mostrando, para o mercado de paredes finas e ciclos rápidos, a máquina da série Hidrive Packaging, híbrida, de altíssima performance, com fechamento e dosagem acionados por motor elétrico e injeção via acumulador hidráulico, projetada para ciclos inferiores a 5 segundos”, complementa Leandro Goulart, gerente de vendas da Arburg.

 

Wittmann Battenfeld

Cássio Saltori, diretor-geral da Wittmann Battenfeld, ressaltava os equipamentos da linha Smart Power, com máquinas de 25 a 350 toneladas de força de fechamento, equipadas com a linha de controladores B8, lançada na última K.

Também divulgava o conceito Insider, gerador de máquinas cujo conjunto injetora, robô e esteira vem todo enclausurado. “Essas máquinas já trazem todos os sistemas de segurança e economizam espaço, pois dispensam grades maiores para passagem dos eixos dos robôs que não vêm integrados”, afirma Saltori.

Outro conceito exposto pela mesma empresa foi o Wittmann 4.0, com máquinas novas dotadas de todos os periféricos integrados: robôs, desumidificadores, dosadores, controles de temperatura. “Uma das vantagens desse conceito é a maior facilidade de controle, feito por um único painel”, complementa Saltori.

Himaco

A Himaco expôs sua injetora nacional da série Atis, de 160 toneladas, equipada com bomba de vazão variável, hidráulica Parker e Eaton, comando Altus, e possibilidade de incluir o servo motor Baumuller.

Plástico Moderno, Injetora Atis é compacta e admite várias configurações
Injetora Atis é compacta e admite várias configurações

“A linha Atis se caracteriza por máquinas compactas e de maior produtividade, com grande versatilidade de configuração. Exemplo: máquinas com grande porte de fechamento equipadas com cabeçotes de injeção para pequenos volumes”, observa Luciane Bondan Schorr, diretora da Himaco.

“Também expusemos uma máquina da linha Apta 80, com servo-motor, de nossa linha de injetoras importadas”, complementa Luciane.

 

Página anterior 1 2 3 4Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios