Periféricos – novos equipamentos embutem mais precisão e operam com menor consumo energético

Por isso, cerca de 95% dos projetos encomendados à Plast-Equip envolvem instalações que contam com centrais de vácuo e com tubulações aéreas que conduzem as matérias-primas até as máquinas de processo. Quanto às inovações, a empresa desenvolveu novos sistemas de filtragem e centrais de vácuo do tipo ciclone, que oferecem maior eficiência na separação de pós.

A linha de dosadores oferecida pela Plast-Equip ao mercado, abrangendo dez modelos que operam com capacidades desde 120 quilos/hora até 1.000 quilos/ hora, também conta com dispositivo especial que neutraliza as vibrações, permitindo instalar os periféricos diretamente nas máquinas de processo.

“Também lançamos em maio um dosador gravimétrico de pequena capacidade (120 quilos/hora) para trabalhar com matérias-primas virgens, materiais moídos e masterbatches em processos de injeção, extrusão e sopro, envolvendo máquinas com força de fechamento inferior a 600 toneladas”, informou Nunes. Tratase de gravimétrico que dispõe de três reservatórios e cuja descarga dos materiais é feita por gavetas pneumáticas.

Os nove modelos volumétricos disponíveis para operar com dois ou até quatro componentes também contam com sistema de gavetas pneumáticas e com capacidades desde 60 quilos/hora até 1.000 quilos/hora.

Com baixo consumo de energia, pouca manutenção, grau de precisão de dosagem de 0,1%, os dosadores volumétricos possuem acionamento totalmente pneumático e podem ser enquadrados em padrões de produção de alta sustentabilidade.

Como primeira empresa a fabricar um dosador volumétrico cem por cento nacional no mercado brasileiro, a PlastEquip colhe os frutos desse desenvolvimento há vários anos. Idealizado e projetado dez anos atrás, esse periférico é o carro-chefe de vendas até os dias atuais por ser considerado extremamente eficiente e apresentar custo/benefício interessante.

“O sucesso de vendas dos volumétricos é tão grande que muitas empresas de pequeno a grande porte substituem gravimétricos importados pelos nossos volumétricos, reconhecendo sua alta eficiência e precisão”, finalizou o diretor comercial da Plast-Equip.

A empresa vem trabalhando em vários novos projetos, mas os lançamentos, provavelmente, só serão anunciados na próxima na Feiplastic, nova denominação da Brasilplast, maior feira do plástico brasileira, a ser realizada em 2013.

De acordo com Ricardo Prado, vice-presidente da Piovan do Brasil, os equipamentos de alimentação, dosagem e desumidificação evoluíram de forma muito significativa e estão sendo concebidos para simplificar a interface homem versus máquina e ainda propiciar maior estabilidade aos processos de transformação.

“Nossos softwares, por exemplo, possibilitam a interligação de todos os periféricos de uma fábrica, permitindo o controle individual, o monitoramento dos processos e do consumo de materiais, informando o histórico de variações e o monitoramento dos consumos energéticos dos periféricos e das máquinas de transformação”, afirmou.

Esse monitoramento dos consumos de energia é extremamente útil, segundo ele, porque as variações nos consumos indicam também a ocorrência de variações nos processos, podendo comprometer a produtividade e a qualidade dos produtos finais.

“Não basta controlar as injetoras, as sopradoras e as extrusoras. Se a empresa não monitora o consumo energético dos periféricos, não tem condições de saber o que está acontecendo, muito menos terá condições de otimizá-lo e muito provavelmente estará deixando de ganhar dinheiro, o que, na somatória ao longo de meses de produção, representa muito”, afirmou Prado.

Ao fazer uso do software WinFactory, desenvolvido pela Piovan, para controle do consumo energético de periféricos e das máquinas de transformação, é possível supervisionar a produção e resolver problemas on-line, via tabletes, podendo-se detectar falta de ar comprimido, controlar os lotes de produção e dispor de um banco de dados e histórico de alarmes, para se trabalhar em prol de melhorias contínuas nos processos dentro das fábricas. “O WinFactory concentra num único software em base Windows todos os controles que antes eram feitos pelo WinFeeding, para controle de alimentação, e pelo WinDosing, para controle de dosagens, incluindo os monitoramentos quanto à secagem”, afirmou Prado.

Parcerias para fortalecer– Outra empresa que deverá aumentar sua participação na oferta de periféricos ao setor plástico é a Consolid. Especializada em tecnologias de processamento de pós, pastas, granulados e líquidos, como equipamentos para mistura e homogeneização de pós, abrangendo misturadores para matérias-primas em diferentes estados, formas, densidades e granulometrias, e de grande penetração nas indústrias de alimentos, a empresa planeja atuar mais fortemente no setor de transformação, respaldada por novas parcerias e aquisições.

Plástico,
Henrique (esq.) e Roberto Weiss, à frente de um misturador, apostam na diversificação

Atuando há mais de duas décadas com duas fábricas em Poá-SP, na fabricação de equipamentos de aço inoxidável, e em Itaquaquecetuba-SP, na produção de equipamentos de aço carbono, a empresa adquiriu recentemente a brasileira Rodrinox e firmou parceria com a americana LittleforDay, esta última, com sede em Cincinatti, é tradicional na fabricação de ampla linha de misturadores, secadores e reatores de leito fluidizado, e pertencente ao grupo cuja história remonta há 130 anos.

Página anterior 1 2 3 4 5 6Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios