Periféricos – Fabricantes priorizam mais proximidade com o cliente

Competitivos e ecológicos – Trabalhar focado em soluções que possam dar maior competitividade aos negócios dos clientes, oferecer periféricos com capacidade para exercer melhor controle sobre os processos, reduzir descartes e, sobretudo, o consumo energético são atividades que fazem parte do dia a dia dos especialistas da Piovan do Brasil.

“A eficiência energética é uma ferramenta poderosa e eficaz para a redução de custos e para alcançarmos um futuro mais sustentável”, declarou Ricardo Prado, vice-presidente da Piovan do Brasil.

Plástico Moderno, Ricardo Prado, Vice-presidente da Piovan do Brasil, Periféricos - Fabricantes priorizam mais proximidade com o cliente
Prado foca em soluções capazes de garantir ao cliente competitividade

Segundo ele, toda a melhoria implementada em prol da eficiência energética reduz a necessidade de investimento em infraestrutura, aumenta a competitividade e reduz as emissões de CO2 na atmosfera, o que vale não só para as empresas, como também para o desenvolvimento de todo um país.

Responsável por 30% de toda a energia utilizada globalmente, o setor industrial como um todo também responde por cerca de 40% das emissões globais de CO2 e, por isso, é tão importante, segundo Prado, oferecer soluções em periféricos altamente eficientes do ponto de vista energético, de modo que não só aumentem a competitividade industrial como também contribuam para o meio ambiente, reduzindo as emissões de carbono.

Atuando com esses conceitos, a empresa vem destacando no mercado equipamentos capazes de reduzir as emissões de CO2. Um deles é o desumidificador de PET denominado Genesys. Autorregulável, esse periférico permite aos transformadores reduzir o consumo energético na produção de transformados de PET, sejam pré-formas ou outros materiais.

“Só contando as máquinas Genesys instaladas até o momento, pudemos verificar que os novos sistemas proporcionaram uma economia da ordem de 43.630 GW, o que equivale a uma redução de emissões de carbono de 21.414 kg por ano”, calculou Prado.

Em se tratando de chillers de alta performance, como os das linhas EcoSmart e PET Chiller, o grau de economia proporcionado aos usuários é de mais de 60% no consumo de energia, comparativamente com as soluções convencionais em uso no mercado.

“Pelos nossos cálculos, nesse exato momento, somente no Brasil, com as primeiras máquinas em funcionamento há alguns meses, estamos proporcionando aos nossos clientes uma economia de mais de 12 milhões de kWh por ano, o equivalente à redução das emissões de 6.330 kg/ano de CO2”, destacou o vice-presidente da Piovan do Brasil.

Em virtude da capacidade de acompanhar automaticamente todas as variações de processo relacionadas com as necessidades de vazão e de pressão, se autoajustando às condições requeridas pelas máquinas de transformação plástica, tanto os desumidificadores Genesys como os chillers EcoSmart e PET Chiller são considerados periféricos de última geração, e foram desenvolvidos para funcionamento contínuo durante mais de 360 dias por ano.

“Ao se trabalhar com sistemas avançados como esses não há qualquer necessidade de intervenção de operadores. Assim, se um molde foi trocado, se a matéria-prima foi fornecida com mais ou menos umidade, se a temperatura do ambiente mudou, entre tantas outras variações que podem ocorrer, o sistema é capaz de se ajustar automaticamente às vazões, capacidades, quantidades de ar etc.; e, ao final, otimiza o uso de energia, fazendo uso do mínimo que será suficiente ao processo”, explicou Prado.

Controlador de ciclo – Os altos custos de energia tornam as medidas voltadas à redução de consumo fundamentais para as indústrias de transformação. E foi pensando em racionalizar esse consumo que a Automata do Brasil desenvolveu um novo sistema que permite baixar os custos de energia em até 60%. Trata-se do controlador EcoDrive, um sistema capaz de coletar informações da injetora, processar os dados e acionar o inversor de frequência da máquina para atuar de forma pontual, de acordo com a necessidade.

“Muitas empresas instalam inversores de frequência nas máquinas somente na partida do motor ou para desligá-lo durante o resfriamento. Tal procedimento reduz o consumo energético, mas é possível alcançar níveis de economia muito superiores, acionando o motor principal na medida necessária para executar os movimentos requisitados durante todo o ciclo da injetora, por meio do controlador EcoDrive”, afirmou Fabio Tavares, diretor da Automata do Brasil.

Entre os benefícios gerados pelo novo sistema estão também a redução de ruídos das máquinas, a redução de temperatura do óleo, o aumento da vida útil do sistema hidráulico, incluindo bombas e vedações, e maiores chances para obter a certificação ISO 14000, segundo informou Tavares.

Passível de ser aplicado em qualquer modelo ou tamanho de injetora, com as mais diversas forças de fechamento, o sistema EcoDrive, de acordo com o fabricante, propicia percentual crescente de economia energética: “À medida que aumentamos o tamanho das máquinas e a potência dos motores, aumentamos também o tempo de ciclo de injeção”, informou o diretor.

Perdas viram ganhos – Transformando perdas em ganhos, os moinhos também constituem periféricos primordiais nas moldagens por injeção, sopro, termoformagem e extrusão. Mais recentemente, porém, vêm agregando melhorias e diferentes acessórios que permitem estabelecer maior controle sobre os pós gerados nas operações de moagem.

Página anterior 1 2 3 4 5Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios