Máquinas e Equipamentos

Notícias – Itália desenvolve sistemas para combater pirataria

Anelise Sanches de Roma
3 de maio de 2011
    -(reset)+

    Na prática, no espectro eletromagnético modificado ad hoc, as informações necessárias para identificar o material são codificadas. “A decodificação, por sua vez, é realizada através de algoritmos especiais que, de acordo com um ou mais parâmetros matemáticos revelados no momento da produção de Mpid, podem interpretar os espectros, produzindo uma sequência de números ou barra alfanumérica, um código, que é específico de Mpid e que permite identificar o material de forma única”, explica o professor.

    A ideia agradou o mercado e para administrar essa patente foi fundada a MITES Srl (Materiais para a Informação, Rastreabilidade, Criptografia e Segurança), uma spin-off da Universidade de Perugia que visa a projetar e a produzir novos produtos e etiquetas antifalsificação, além de softwares e serviços para a introdução do Mpid nos produtos de futuros clientes.

    No Brasil, produzir tecnologias como essas ainda faz parte de uma realidade distante, mas instituições como o Instituto de Química da Universidade de São Paulo têm realizado grandes passos na área de foto e eletroluminescência para dispositivos antifalsificação.

    O que Brasil e Europa têm em comum, no entanto, é o desafio de superar as fronteiras do âmbito acadêmico, aplicando, na prática, os resultados das promissoras pesquisas.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *