Fibra de Curauá substitui a de Fibra de Vidro: Composto Termoplástico de Poliamida 6 com Fibra Natural de Curauá

Pedido de Patente para Composto de Fibra de Curauá

A GE Plastics South America, subsidiária brasileira da GE Plastics, divisão da General Electric recentemente adquirida pelo grupo saudita Saudi Basic Industries Corporation (Sabic), entrou com pedido de depósito de patente internacional para um composto termoplástico de poliamida 6 com fibra natural de curauá, originário da região amazônica, em substituição à fibra de vidro.

O desenvolvimento resulta de estudo feito em conjunto com o grupo de pesquisas do prof. dr. Marco-Aurélio De Paoli, do Instituto de Química da Unicamp, que compartilha em partes iguais com a GE Plastics os direitos da patente.

Segundo explicações de Edson R. Simielli, diretor de marketing para a América Latina, a fibra de vidro deixa de ser utilizada e a de curauá substitui, ainda, de 20% a 30% da resina, como um todo.

Com propriedades mecânicas e térmicas semelhantes às da PA 6 reforçada com fibra de vidro, o novo composto oferece como vantagem adicional menor densidade (ao redor de 15%), diferencial que a indústria automotiva deverá apreciar bastante.

Plástico Moderno, Notícias - Fibra de curauá substitui a de vidro
Planta de curauá possui elevada resistência mecânica

Outro benefício é de ordem ecológica, aspecto muito valorizado nos tempos atuais: quando incinerado, o produto não deixa resíduos posto que o curauá é um material orgânico, ao contrário da fibra de vidro, uma substância inorgânica.

A planta curauá é comum na região amazônica, em especial no estado do Pará, onde tem largo uso na fabricação de cordas e redes, por sua elevada resistência mecânica.

Outro ponto a favor do novo composto fica por conta dos recursos economizados no processo de moldagem, pois, enquanto a fibra de vidro confere aos compostos abrasividade e, por conseqüência, provoca maior desgaste dos moldes e roscas, o novo produto à base de fibra de curauá preserva mais essas ferramentas e, portanto, reduz custos.

Para Compras FIBRAS NATURAIS consulte 

O projeto começou em meados de 2004 e constitui o primeiro depósito de uma patente em nível mundial do Centro de Tecnologia da GE Plastics de Campinas, em São Paulo, onde a empresa tem seu parque industrial.

O novo produto tem amplo potencial de aplicação: todas as que atualmente empregam o composto de PA convencionalmente reforçado com fibra de vidro, como peças e componentes das indústrias automobilística e eletroeletrônica, entre outras. “No futuro e com o suporte da LNP, dos Estados Unidos, outras resinas poderão ser utilizadas”, conclui Simielli.

Leia Mais sobre:

2 Comentários

  1. preciso de um conhecimento mais aprofundado, sobre todos os conhecimento dessa moderna amazônica… tenho um grande projeto a ser lançado no mercado, tenho certeza que vai ser um sucesso no brasil e no mundo… só preciso de um empresário…

    1. projeto com um custo baixo, tem lucro alto, é essa minha dedicação, jogar produtos no mercado com alta evolução de aceitação, meu sonho um dia vai ser realizado…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios