Notícias

Notícias: Fabricante de peças de ABS investe em automatização

Renata Pachione
17 de fevereiro de 2014
    -(reset)+

    A Docol Metais Sanitários investiu cerca de 10 milhões de reais na automatização do processo de galvanização das peças feitas de copolímeros de acrilonitrila butadieno estireno (ABS). A fabricante prevê elevar sua capacidade produtiva em torno de 70%.

    A automação do processo de galvanização também acarretou novos ganhos operacionais. Os controles dos parâmetros do banho (temperatura, dosagens, movimentação e filtragem, entre outros) deixaram de ter a interferência direta dos operadores. Ou seja, essa tecnologia minimizou falhas, gerando estabilidade no resultado e reduzindo o percentual de refugo das peças. Além disso, os procedimentos de controle passaram a ser feitos também via monitoramento on-line – realizado de celulares e computadores, ou off-line – por meio de alarmes.

    Na sua linha de produção, as peças de ABS se restringem a componentes dos produtos finais, ou seja, canopla, porta-letra, botão, entre outros. “A opção por ABS vem suprir uma necessidade de criar geometrias mais diversas, entretanto, a maior parcela do portfólio é composta de peças metálicas”, explica o gerente de tecnologia da Docol Metais Sanitários, Luis Daniel Lemisz.

    Segundo ele, existe demanda para diversos tipos de acabamentos, porém a galvanização confere ao produto uma aparência mais atraente, o que chama a atenção dos consumidores, além de garantir uma maior durabilidade do produto.

    Em geral, o processo de galvanização gera uma grande quantidade de efluentes líquidos carregados de metais pesados que precisam ser tratados antes do descarte. Para dar conta desse problema, a empresa adotou equipamentos de purificação de água, o que, segundo Lemisz, reduz significativamente a emissão de efluentes líquidos. Além disso, o processo automatizado permite uma dosagem mais efetiva no banho, o que reduz o volume de metais para as águas de lavagem das peças. “Toda a água passa por uma estação de tratamento, não gerando, portanto, impacto ao meio ambiente”, observa.

    A qualidade final do produto depende da qualidade da peça injetada, pois eventuais defeitos podem ser evidenciados instantaneamente ou ao longo do uso. Por este motivo, a Docol optou por responder por todas as etapas do processo de injeção e cromagem de peças de ABS. “Injetamos internamente, pois precisamos ter estes parâmetros sob controle, e porque nenhuma empresa terceirizada supria esta demanda por qualidade”, comenta o gerente.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *