Notícias

Notícias – Evento foca polímero de alto desempenho

Marcio Azevedo
13 de janeiro de 2007
    -(reset)+

    Inovação e construções multicamadas – O brasileiro Fernando Jorge, da área de desenvolvimento de mercado da Degussa norte-americana, apresentou uma visão geral dos novos produtos, aplicações e mercados que a empresa mira, e abordou mais intensamente a solução desenvolvida pela empresa para possíveis recrudescimentos nas regulamentações ambientais mundiais.

    Além de passar a ocupar uma posição no topo da pirâmide de polímeros com o lançamento do PEEK, a fornecedora alemã lançará novos polímeros de alto desempenho em 2007, mas Jorge não adiantou quais. Pronta para a produção está uma nova poliamida do tipo AA-BB 610, e segue o desenvolvimento de outras (PAs 1010 e 1012). A união recente com uma outra unidade de negócios trouxe ao portfólio da unidade de polímeros de alto desempenho determinados produtos semi-acabados como filmes e chapas de PMMA, espumas de polimetacrilimida (PMI), espumas e fibras de poliimida (PI), e fibras de PPS.

    Essa ênfase em inovação também abriu aplicações sofisticadas, entre elas tubos de PA 12 de grande diâmetro para a indústria off-shore e o transporte de gás, espumas de poliimidas empregadas em submarinos para proteção acústica e térmica, e laminados à base de polifenileno sulfona (PPSU) presentes na face interna das janelas do novo Airbus A380.
    O ponto principal da apresentação de Jorge, no entanto, foram as novas construções multicamadas desenvolvidas pela Degussa para o cumprimento de normas mais rígidas acerca da emissão de poluentes em linhas de combustíveis.

    É disseminado amplamente no mercado automotivo o uso de tubos de poliamida 12 mono e multicamadas em diversos componentes do sistema de combustível dos automóveis, tanto no tanque quanto no módulo de fornecimento de combustível e no compartimento do motor. Os conectores de engate rápido utilizados para ligar essas tubulações também são domínio da PA 12.

    Essa história de trinta anos na indústria automobilística começou com tubos monocamadas nos Estados Unidos em modelos da Ford, e nos anos 90, devido a novas regulamentações de emissões no estado da Califórnia, foram desenvolvidos os tubos multicamadas. Atualmente, os novos produtos para esse tipo de aplicação convivem com normas mais restritivas, combustíveis com diferentes composições e constante pressão por redução de custos.

    O maior desafio dos pesquisadores recai sobre a emissão de poluentes. As normas da Califórnia ditam a quantidade de hidrocarbonetos que tanques, bombas, sistemas de reaproveitamento de vapor e filtros podem liberar para o ar, e o resto dos Estados Unidos e do mundo tendem a seguir o padrão obedecido pelos californianos.
    Algumas dessas normas obrigam que nos próximos anos as emissões de hidrocarbonetos de todo o conjunto do sistema de combustível emita no máximo 0,054 gramas por teste, dez vezes menos que o permitido hoje. Cerca de 70% do mercado mundial ainda segue o arcabouço normativo da Europa, mas a Degussa espera nos próximos anos a adoção do padrão da Califórnia.

    As construções multicamadas oferecidas pela empresa, com camadas de PA 12 intercaladas por polifluoreto de vinilideno (PVDF) modificado, dominam 60% do mercado e já permitem que o conjunto do sistema de combustíveis atinja emissões de 0,032 g por teste. Essas construções podem ser barateadas com o uso de camadas internas de polibutileno tereftalato (PBT), mas como a pressão por menores custos na indústria automotiva não esmorece, foram necessárias alternativas ainda mais competitivas. Nesse segmento, o aumento das exigências técnicas não é acompanhado por preços mais remuneradores, como em outros mercados. Pelo contrário. A principal meta a ser atingida pelos fornecedores é satisfazer a exigência crescente com custo menor.

    Para atender a esse desafio, a Degussa criou cinco novas combinações baseadas em camadas com propriedades de barreira à base de copolímero de etileno e álcool vinílico (EVOH). Todas as cinco construções utilizam as mesmas três camadas internas (de fora para dentro, PA 12, adesivo de PA e EVOH), e de acordo com as necessidades particulares de cada fabricante podem conter ainda camadas de copolímero de politetrafluoretileno e etileno (ETFE) modificado, PA 6, PA 12, ou ETFE condutivo. As três camadas fixas contribuem para que a solução possa ser facilmente adaptada a requisitos globais, modificando-se apenas as intermediárias. Esses designs também propiciam a extrusão de tubos corrugados e são adequados a processos de soldagem de tubos e conectores de engate rápido.

     

    Saiba mais:



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *