Chapas e Perfis

Materiais plásticos proporcionam mais conforto e economia – Construção

Antonio Carlos Santomauro
1 de agosto de 2019
    -(reset)+

    Diferenciais e potencial – A capacidade de combinar resistência e leveza é das características mais favoráveis ao plástico na construção civil, ressalta José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast. “Além disso, a utilização de plástico e material reciclado nas obras contribuem para a obtenção da Certificação LEED [concedida pelo US Green Building Council para estimular construções mis sustentáveis]”, destaca Roriz.

    Plástico Moderno - Materiais plásticos conquistam aplicações e proporcionam mais conforto e economia - Construção

    O uso de plásticos também agrega produtividade e reduz custos, por exemplo, quando eles servem como matéria-prima de sistemas modulares, ou no sistema construtivo de lajes ‘bubbledeck’, no qual esferas plásticas são inseridas entre as telas de aço, eliminando o concreto que não exerce função estrutural e reduzindo o peso. “E cada vez mais os plásticos são utilizados em soluções arquitetônicas, como estruturas para jardins verticais, pisos com características e design diferenciados, mantas para isolamento acústico, em áreas molhadas como piscinas e decks, em pisos suspensos para jardins”, detalha o presidente da Abiplast.

    Mas no Brasil, observa Alexandre, da Braskem, o uso de plásticos – e particularmente de PE e PE –, no mercado composto por construção civil e infraestrutura (que ele agrega na sigla CC&I), ainda é inferior àquele registrado em países como Estados Unidos, Japão, China, nações da Comunidade Europeia e mesmo outros países da América do Sul.

    No caso do PE, afirma Alexandre, cerca de 9% das vendas nacionais destinam-se a aplicações em CC&I, contra 17% na Comunidade Europeia, 14% nos EUA e 11% na China. “Para PP, acredita-se em diferenças semelhantes”, ele afirma. “Há um espaço interessante para crescimento do uso dessas resinas em CC&I no Brasil, tanto por conta de aplicações existentes em outros países e que podem ser trazidas para cá, quanto no desenvolvimento de soluções caseiras, como foi o caso das cisternas em PEAD destinadas ao programa Água para Todos, do governo federal”, pondera Alexandre.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *