Chapas e Perfis

Materiais plásticos proporcionam mais conforto e economia – Construção

Antonio Carlos Santomauro
1 de agosto de 2019
    -(reset)+

    Usos gerais e específicos – Poliolefinas também são usuais na construção civil. O polietileno (PE) aparece não apenas em proteção de pisos, preenchimento de juntas, isolação térmica e acústica, mas também em reservatórios, tubos de infraestrutura e geomembranas, entre outras aplicações. O polipropileno (PP) tem, entre outros usos, os geossintéticos – empregados em estradas, taludes, aterros e proteção de encostas –, além das fôrmas e das fibras para reforço de concreto e fibrocimento (incluindo o uso em lajes e pré-moldados).

    E há potencial para mais: “Considerando-se as principais tendências setoriais, como a industrialização da construção, redução de mão-de-obra, padronização, redução do impacto ambiental e gestão inteligente da obra (BIM), há grandes possibilidades de desenvolvimento de novos produtos e aplicações em PE e PP nesse mercado de obras”, avalia Jorge Alexandre, responsável por desenvolvimento de mercado da Braskem.

    Ele cita, entre esses novos desenvolvimentos, as estruturas para jardins verticais, os pisos alveolares, as mantas e filmes para proteção de pisos, caixilharia e sistemas construtivos de lajes, entre inúmeros outros.

    Também as resinas estirênicas já fincaram pé nesse mercado. Caso do ASA, mais associado a autopeças – como grades frontais e retrovisores –, mas utilizado nos Estados Unidos e em países europeus em telhas, decks e calhas, entre outros produtos aos quais, na forma de uma fina camada coextrudada com PVC, confere maior resistência à radiação UV. “No Brasil, algumas empresas já produzem telhas com perfis coextrudados de PVC e ASA”, informa Fabio Bordin diretor na América do Sul da fabricante de resinas estirênicas Ineos Styrolution. Os perfis de PVC, ele complementa, podem receber também pós de ABS ou AMSAN (uma variação de SAN) para adquirir maior resistência térmica.

    Plástico Moderno - Bordin: ABS cromado substitui metais em artigos sanitários

    Bordin: ABS cromado substitui metais em artigos sanitários

    Por sua vez, o ABS, mesmo no Brasil, substitui em escala crescente os metais em artigos sanitários, como torneiras, ralos e chuveiros, oferecendo até a possibilidade de cromação das peças pelo uso de um grade específico. “Há casos de migração, como ocorreu com nosso produto Novodur P2MC, um ABS especialmente desenvolvido para processos de cromação de peças da indústria automotiva que hoje é usado também em peças sanitárias”, relata Borin.

    Existem ainda plásticos por enquanto aproveitados em projetos e nichos específicos, porém com potencial para maior emprego na construção civil. Caso do policarbonato, matéria-prima de chapas posicionadas como alternativas ao vidro e também aos metais, em fachadas e em outras aplicações.

    Representante da Plaskolite – empresa dos EUA que no ano passado adquiriu o negócio de chapas de PC da Covestro no mercado norte-americano –, a distribuidora paulistana PolyBrasil oferece chapas de PC em várias modalidades, algumas com capacidade de proteção balística e até capazes de resistir a explosões. De acordo com Eduardo Senger, gerente desenvolvimento de negócios e produto da Polybrasil, mais usuais nos Estados Unidos e em países europeus, placas de PC com características especiais de luminosidade e resistência à chama já foram utilizadas também no Brasil, em projetos como a troca, há cerca de dois anos, da cobertura de auditórios do centro de convenções do Anhembi, em São Paulo.

    Uma chapa de PC, compara Senger, pode ter resistência 250 vezes superior à de uma placa de vidro de mesma espessura. E tem outras vantagens: “Ela dura mais que o vidro blindado, cujas camadas superficiais se quebram após os primeiros impactos de projéteis ou de objetos, exigindo manutenção constante”, informa. “Apresentamos projeto para substituir as portas de vidro do BRT (sistema de transporte coletivo), do Rio de Janeiro: além de muito mais resistentes, as portas de PC são mais leves e por isso requerem motores menos potentes para sua movimentação, e também mecanismos antiesmagamento mais baratos e mais eficientes”, acrescenta o profissional da PolyBrasil, distribuidora cujo portfolio inclui, entre outros itens, chapas de PVC com características antibacterianas da alemã Röchling, para uso em ambientes como hospitais e frigoríficos.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *