Masterbatches – Sustentabilidade norteia os novos desenvolvimentos

Os pesquisadores da Cromex trabalham atualmente no desenvolvimento de óleos derivados de fonte renovável e também de pigmentos mais compatíveis com a dispersão, capazes de permitir maior concentração e otimização das fórmulas.

Com trinta anos de atuação no mercado, a fabricante elevou recentemente a sua capacidade instalada em cerca de 7%, alcançando 132 mil toneladas anuais ao colocar em operação uma extrusora de 16 mil t/ano, instalada em sua unidade fabril de Simões Filho, na Bahia. O equipamento se destina a atender à demanda de masterbatches de cores e aditivos para o polietileno verde da Braskem.

Plástico Moderno, Roberto Guzmán, Gerente de marketing, Masterbatches - Sustentabilidade norteia os novos desenvolvimentos
Guzmán espera revolucionar o mercado de master líquido

Para revolucionar – Uma nova tecnologia desenvolvida pela Clariant em concentrados líquidos chega ao mercado com a promessa de quebrar paradigmas e ideias pré-concebidas associadas a esses produtos. “A composição química dos novos masterbatches líquidos permite aperfeiçoar o processamento dos plásticos, reduzindo o consumo de energia e o desperdício gerado nas trocas de cor, e melhorando os ciclos de produção”, assevera Roberto Guzmán, gerente de marketing para a América Latina. Os novos produtos, diz ele, permitem trocas de cores mais rápidas, sem problemas de compatibilidade com resinas ou de patinagem na rosca.

Dotada de uma tecnologia inovadora, essa linha de concentrados de cores, aditivos e combibatches (produtos de alto desempenho para acrescentar produtividade e estabilidade dimensional aos concentrados de cor) permite o seu uso em quase todas as resinas processadas por injeção, extrusão, sopro convencional e biorientado, além de fibras, e chega com força à América Latina. A Clariant investiu em três plantas de masterbatches líquidos na região, com flexibilidade produtiva capaz de entregar lotes desde 20 quilos, em baldes recicláveis, até lotes de várias toneladas, em contêineres retornáveis de 500 quilos – versatilidade que permite à empresa suprir qualquer necessidade de fornecimento de seus clientes. “As fábricas são planejadas em um conceito modular e têm capacidade ilimitada de produção”, declara Guzmán. O objetivo do investimento, explica, é disseminar a tecnologia em toda a região.

O gerente assegura que os novos masterbatches líquidos conferem ótima dispersão de altas concentrações de pigmentos e aditivos, ou combinação de ambos, e excelente homogeneização do concentrado dentro da extrusora. “Possibilita uma ótima qualidade a níveis de dosagens menores.” Ele ressalta o fato de os novos veículos utilizados nessas formulações atuarem como agentes de limpeza, mantendo rosca e canhão livres de depósitos sólidos, sinônimo de melhor qualidade na produção, tempos reduzidos na troca de cores e paradas para limpeza e manutenção da unidade de extrusão da máquina. Esses veículos ainda oferecem vantagem no processamento de corantes e aditivos sensíveis ao calor, pois evitam sua degradação térmica durante a fabricação do concentrado.

Concentrados líquidos à parte, a Clariant planeja manter os investimentos em ampliação de capacidade também na produção das formulações granuladas. Em consonância com outros especialistas, Guzmán aponta maior eficiência para os masterbatches sólidos quando a opacidade da cor é relevante. Também vê mais vantagem nos grãos quando o processo exige a incorporação de altas concentrações de cargas ou pigmentos brancos. Há outros casos, ainda, que a natureza específica do pigmento ou aditivo não compatibiliza com os veículos líquidos, restando, como melhor solução, o granulado.

De acordo com Sandra Piva, gerente da Macroplast, a escolha do tipo de concentrado deve passar pela apreciação minuciosa de certos parâmetros como: o produto final, o processo de transformação, os recursos do equipamento do cliente, a qualidade desejada, a produtividade e o custo. O gerente da Clariant adiciona ainda outro peso importante nessa balança: cultura de trabalho. No entender dele, a opção pelos concentrados líquidos impõe ao transformador muita disciplina, em particular no tocante à ordem e limpeza. “Se você entra em uma planta de produção de plásticos e observa pellets e desperdícios jogados no chão, imagine o que acontecerá se concentrados líquidos forem utilizados. Com todas as vantagens que a nossa nova tecnologia oferece, só as empresas que praticam disciplina, ordem e limpeza poderão tirar o máximo proveito dela”, sentencia.

Página anterior 1 2 3 4 5 6

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios