Máquinas e Equipamentos

Termoformadoras: Técnica de transformação conquista aplicações com baixo custo operacional

Antonio Carlos Santomauro
28 de novembro de 2017
    -(reset)+

    Plástico Moderno, Máquina de alta produção, fornecida pela Kiefel

    Máquina de alta produção, fornecida pela Kiefel

    Comparado a 2016, mostra-se um pouco mais aquecido neste ano o mercado dos equipamentos para temorformagem, Isso não enseja comemorações, pois o ano passado foi muito ruim para toda a economia nacional. Na origem desse resultado menos ruim, aparecem tanto os sinais de uma conjuntura ligeiramente mais aquecida, quanto a evolução da tecnologia da termoformagem, oferecendo máquinas mais eficientes e mais produtivas, capazes de atrair potenciais clientes. Da mesma forma, é notável o avanço dos produtos termoformados sobre nichos antes ocupados por outras matérias-primas que não o plástico, ou de outros processos de transformação de resinas.

    Um dos mercados nos quais a termoformagem ganha espaço é a produção de embalagens de alimentos, substituindo em escala crescente o uso de materiais como polpa de celulose ou papelão nas embalagens de frutas e ovos, por exemplo. “Também observamos as caixas de papelão de alimentos congelados migrando pouco a pouco para as bandejas termoformadas feitas de polipropileno”, ressalta Paulo Lakatos, diretor comercial da Eletro-Forming, empresa cujo portfólio inclui equipamentos para termoformagem de bobinas – utilizadas na produção de embalagens – e de chapas.

    Lakatos visualiza potencial de uso dessa técnica também na produção de embalagens de alimentos feitas com plásticos, a exemplo de PET-PCR, PET expandido, TPO, filme de PET-PE, PBT, PP, PSAI, entre outros. “Muitos desses materiais terão aplicações relevantes no futuro, por exemplo, para embalagens plásticas que vão a fornos domésticos, para barreiras contra gases para conservação dos alimentos, e nas cápsulas de café”, detalha.

    Plástico Moderno, Máquina da Brawel aplica vácuo para incrementar a transformação

    Máquina da Brawel aplica vácuo para incrementar a transformação

    Também o vacuum forming – processo de termoformagem de chapas feito com o reforço da pressão a vácuo – amplia o campo de uso dessa tecnologia, até mesmo associando-a a outros gêneros de transformação de plástico: “Já há vending machines (máquinas de venda automática de produtos), com a parte superior injetada soldada a uma parte inferior feita por vacuum forming, bem como purificadores de água com o reservatório de vacuum forming soldado a peças injetadas”, relata André Bordignon, diretor-técnico da Brawel (empresa focada na produção de equipamentos para vacuum forming).

    Nos Estados Unidos, prossegue Bordignon, o vacuum forming gera ainda diversos outros produtos por enquanto pouco comuns no Brasil, como pequenas piscinas infantis e produtos para datas promocionais, entre outros. “O ciclo de vida dos produtos é hoje muito mais curto, e é mais complicado pensar em máquinas enormes e em desperdiçar ferramental de injeção”, ele diz. “Os equipamentos Router CNC também alavancaram bastante o vacuum forming, pois baratearam e agilizaram o acabamento”, acrescenta o diretor da Brawel, referindo-se a um gênero de equipamentos que integra em uma só operação várias etapas de usinagem e acabamento de peças (e que a Brawel também produz).

    E não para por aí o movimento de uso de peças termoformadas como alternativas a produtos antes fabricados com outras matérias-primas ou tecnologias: “Agora, usa-se termormagem também para peças antes feitas de plástico reforçado com fibra de vidro, como partes internas de ambulâncias e algumas carenagens de tratores (na termoformagem são feitas, respectivamente, de ABS e PC)”, relata Rui Katsuno, diretor da MFT, fabricante de equipamentos para as mais diversas aplicações da termoformagem.

    Velocidade e energia – O emprego mais intenso de resinas hoje pouco utilizadas no Brasil – como C-PET e BOPS (poliestireno biorientado) –, também contribuirão para ampliar o mercado dos produtos termoformados, prevê Patrick Claassens, diretor da Kiefel (empresa que comercializa no país equipamentos para diversos processos de termoformagem fabricados na Alemanha). “Com C-PET, podem ser feitas embalagens que resistam a fornos até 220°C e, com BOPS, bandejas para frios e queijos”, especifica.

    Plástico Moderno, Modelo HF-750 Tilt II gira o molde para empilhar o produto formado

    Modelo HF-750 Tilt II gira o molde para empilhar o produto formado

    A Kiefel, conta Claassens, atualmente comercializa um equipamento, denominado T-IML, que permite transpor para o universo das embalagens termoformadas o processo do in-mould labelling (já usual em peças injetadas). “Além de mais produtivo, o in-mould labelling permite um acabamento de melhor qualidade”, destaca. Também na área das embalagens, a empresa recentemente lançou um equipamento para a produção de cápsulas de café. “Na última feira K, lançamos nossa família de produtos KMD Power, cujas máquinas são compatíveis com os moldes de outros fabricantes de máquinas”, diz.



    Recomendamos também:








    Um Comentário


    1. José Antonio Teodoro Davini

      Muito interessante o informativo sobre termoformagem a vácuo e seus usos. Seria possível confeccionar peças em policarbonato e sobremoldadas? Estou escrevendo o meu trabalho de graduação sobre os vários processos de moldagem de plásticos, entre os quais incluo a termoformagem.



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *