K 2010 – 2ª Parte – Fabricantes de resinas focam soluções com apelo sustentável

A Braskem já havia usado a K em 2007 para divulgar seus planos de produzir polietileno obtido de cana-de-açúcar no Brasil, e retornou em 2010 se declarando a líder mundial na produção de biopolímeros, após ter dado partida no projeto de Triunfo no terceiro trimestre do ano passado, e anunciando a conclusão da fase conceitual para construir uma fábrica de propileno verde.

Se confirmadas as previsões da empresa nacional, a produção de no mínimo 30 mil t/ano começa no segundo semestre de 2013, requerendo investimento na casa de US$ 100 milhões.Plástico Moderno, K 2010 - 2ª Parte - Fabricantes de resinas focam soluções com apelo sustentável

O propileno feito de cana-de-açúcar, assim como o eteno, se mostrou vantajoso em termos ambientais, segundo estudos realizados pela Braskem em parceria com a Fundação Espaço Eco, e revelou que cada tonelada de propileno verde produzida sequestra 2,3 t de CO2.

E como plásticos verdes também precisam de aditivos verdes, outra empresa brasileira, a Cromex, esteve na Alemanha para apresentar uma linha específica de masterbatches modificadores de cor (branco, preto e coloridos) e de aditivos (antiestático, antibloqueio, agentes deslizantes, retardantes, auxiliares de fluxo, agentes auxiliares de processo, auxiliares de limpeza e outros) para uso com plásticos verdes.

“Se o polímero é renovável, o masterbatch também precisa ser renovável, senão ele se torna uma espécie de contaminante para o plástico”, explicou o gestor de produtos e serviços técnicos da Cromex, Anderson Maia. A linha criada pela Cromex é formada por produtos em que o veículo do master é um polietileno verde – a Braskem é parceira da Cromex e fornece o polímero para ser utilizado como veículo.

O conteúdo verde, porém, não é restrito ao veículo, pois é possível utilizar outros insumos que também sejam renováveis. Algumas matérias-primas, como o óleo de palma e o babaçu, podem gerar aditivos que oferecem características como a facilidade de desmoldagem e propriedades antiestáticas, por exemplo. A Cromex já possui alguns produtos em seu portfólio baseados em química renovável. Tecnicamente, não há maior dificuldade em trocar o PE convencional pelo PE verde, como veículo do masterbatch, por tratar-se de materiais com as mesmas propriedades, e o fato de a empresa ser a primeira a disponibilizar o master renovável acaba mais ligado à sua parceria de longa data com a Braskem.

 

Leia a reportagem principal:[box_light]K 2010 – 2ª Parte – Mercado de injetoras reitera vigor e evidencia inovações tecnológicas[/box_light]

Página anterior 1 2 3 4 5 6

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios