K 2007 – Indústria destaca alternativas para os plásticos de origem fóssil

O PC ganhou a concorrência de um competidor improvável com a criação de um novo monômero comercial e o lançamento de uma geração inédita de copoliésteres pela Eastman Chemical Company.

O Eastman Tritan não se parece com nada no mercado de copoliésteres – é química nova. Porta-vozes da empresa não informaram qual é a molécula, mas garantiram ter criado uma nova família de polímeros e propriedades cujo primeiro rebento é uma versão higher heat, com resistência superior ao calor e temperatura de transição vítrea (Tg) de 108ºC. Ele tem as mesmas propriedades genéricas de outros poliésteres (clareza, resistência química e resistência à hidrólise) e está sendo utilizado inicialmente em utensílios domésticos, como garrafas de água reutilizáveis e copos de liquidificadores, e utensílios reutilizáveis para restaurantes. Não será surpresa se aplicações na área médica também forem abertas.

Plástico Moderno, K 2007 - Indústria destaca alternativas para os plásticos de origem fóssil
Pecorini: resina especial para máquina de lava-louças

O polímero não contém bisphenol-A e é mais resistente ao ambiente de lava-louças que o PC. “O policarbonato possui baixa resistência à hidrólise na temperatura e alcalinidade da água das máquinas lava-louças”, explica Tom Pecorini, pesquisador sênior associado da Eastman. O PC possui elevada Tg e, para minimizar tensões residuais que reduzem seu desempenho, os tempos de ciclo precisam ser expandidos e o design repensado. “Com o Tritan, não é preciso mais se preocupar com isso”, diz Pecorini. O material passou por testes que mostraram que após 50 ciclos de lavagem não houve dano e, na mesma condição, peças de PC começaram a se deteriorar. As propriedades de contração do novo copolímero (idênticas às do PC) e a Tg (mais alta que a de outros copoliésteres) eliminam a necessidade de alteração no ferramental e no sistema de refrigeração no caso da troca de matéria-prima.

Especialista em indústrias – Mais que expor produtos de seu amplo portfólio, a Dow preparou um estande com diferentes áreas temáticas relacionadas a segmentos de mercado, procurando ressaltar uma mudança introduzida na estratégia global da companhia. Essa reorientação, de acordo com o diretor de produto e marketing em polietileno na América Latina, Alberto Ulriksen, visa a transformar a empresa de uma fornecedora de produtos químicos, com foco nas diversas linhas de produtos, em uma especialista em soluções para determinadas indústrias, como já é feito com a Dow Automotive, dedicada à indústria automotiva. A tendência é de que esse agrupamento de negócios em unidades voltadas para segmentos particulares do mercado seja intensificado. Quem visitou o estande em Düsseldorf teve uma amostra do que a companhia pretende vir a ser nos próximos anos, representada pela divisão do espaço de exibição em unidades focadas em segmentos como embalagens alimentícias, eletroeletrônicos, lazer e entretenimento, construção, têxteis e indústria automotiva.

A mudança de estratégia, entretanto, não alterou o grande programa de lançamentos. Na área de lazer, um gramado artificial ilustrava o lançamento de um novo grade do PE Dowlex para a produção de filamentos utilizados em grama artificial. Ele é menos denso que o polímero mais usado nesse mercado, o Dowlex SC 2108G, e oferece mais suavidade ao toque e melhor resistência mecânica. O discurso é de que esse novo PE atende às necessidades de produtores de monofilamentos e filamentos fibrilados, sem a necessidade de blendagem com outros materiais.

Na área automotiva, um bólido da Audi atraía a atenção dos visitantes para o esforço da empresa no setor com os lançamentos de um ABS de baixo brilho e maior resistência ao risco, disponível nas versões padrão e high heat (com superior resistência ao calor), e de uma tecnologia de concentrados de PP com 60% de fibra de vidro longa (para diluição posterior com PP virgem). Os novos Audi TT e Renault Laguna III também foram usados como exemplos do que a companhia pode fazer: o Audi possui o encosto de banco soprado com Pulse 2200BG (PC/ABS), e o painel de instrumentos e das portas do Renault usam a blenda Pulse, o ABS Magnum e o PP reforçado com talco Inspire.

Plástico Moderno, K 2007 - Indústria destaca alternativas para os plásticos de origem fóssil
Peça médica feita de POM antimicrobial

No espaço reservado para moda e vestuário, além dos desfiles de modelos, o destaque amplo foi para a fibra elástica poliolefínica XLA, da Dow Fiber Solutions, que está sendo usada em trajes de banho da Adidas, e, na forma do tecido Ayrxx, em vestuário para ciclistas da Diadora. Há grande esperança no potencial desse material: ele possui resistência química superior à das fibras comumente usadas em vestuário (é mais resistente ao cloro das piscinas, por exemplo) e também suporta melhor o calor, permitindo que as roupas possam ser passadas a ferro. Grifes famosas como Calvin Klein e Banana Republic já aderiram ao XLA. O mesmo espaço foi compartilhado pela Dow Footwear Solutions, realçando inovações para calçados, como a série R dos sistemas poliuretânicos Voralast (contendo polióis de fontes renováveis), e a série G, ambas para a confecção de solados, e os PUs termoplásticos Pellethane, para aplicações que demandem baixo índice de amarelecimento do material.

A Ticona se apresentou em Düsseldorf destacando aplicações de sucesso de alguns de seus principais produtos, como o poliacetal (POM) Hostaform, os compósitos reforçados com fibra longa Celstran, e os polímeros de cristal líquido Vectra.

Página anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios