K 2007 – Fabricantes mostram máquinas “verdes”, velozes e com novas funções no molde

Plástico Moderno, Hercules Piazzo, gerente comercial da Milacron, K 2007 - Fabricantes mostram máquinas "verdes", velozes e com novas funções no molde
Piazzo: injeção em um só ciclo de assento sanitário

Com o projeto, dois materiais, o PP do assento e o TPE (elastômero termoplástico) das dobradiças, são injetados em duas unidades da máquina em um molde de quatro faces que gira em 45º para realizar a operação. O molde de aproximadamente 12 t é acionado por sistema hidráulico que permite sua rotação em 90º em apenas 1,5 segundo graças à robustez da base da máquina. “As injetoras K-Tec foram concebidas para operar com moldes complexos, sem precisar ser adaptadas”, explicou Hercules Piazzo, gerente comercial da Milacron. Um fator fundamental para a facilidade da operação é o acionamento hidráulico inteligente que permite movimentos paralelos dos eixos da máquina de forma simultânea aos do molde.

A operação integrada reduziu o tempo de ciclo e o custo da produção em comparação com as soluções convencionais, por permitir a simultaneidade de etapas. Mas, ressalta Piazzo, isso só é possível quando a máquina tem capacidade suficiente, o que significa uma unidade de injeção e rosca de alto desempenho. Além disso, a segunda unidade de injeção se transfere pelas placas móveis e não requer uma base adicional ou mais espaço para funcionar. O mesmo ocorre com o robô responsável pela remoção das peças, o qual é montado na placa fixa. Já a unidade de fechamento utiliza design de três placas com formação de força no centro da placa, para evitar deflexão das placas. Esta última, aliás, é uma característica também de outras linhas da empresa, como a híbrida Maxima, exposta na K com força de fechamento de 650 t e robô de seis eixos.

Plástico Moderno, K 2007 - Fabricantes mostram máquinas "verdes", velozes e com novas funções no molde
Injetora Cap-Tec: considerada a mais rápida para tampas

Outro destaque da exposição da Milacron, de certa forma ligada à aplicação, foi o lançamento da considerada a mais rápida injetora específica para tampas, denominada Cap-Tec. Segundo revelou Piazzo, a máquina de 300 toneladas em operação no estande produzia 72 tampas em 2,8 segundos, com inspeção visual. A máquina hidráulica foi desenvolvida no final de 2006 e se baseia no conceito da série K-Tec, mas com alteração no design da unidade de fechamento para permitir a operação com peças pequenas. A placa móvel do fechamento se move em guias lineares permitindo que as colunas sejam isentas de óleo de lubrificação, tornando-a apropriada para aplicações na indústria de alimentos.

Plástico Moderno, K 2007 - Fabricantes mostram máquinas "verdes", velozes e com novas funções no molde
Peça de interior automotiva: dupla injeção com PBT e poliéster

Revestimento na injeção – A austríaca Engel, famosa por suas sofisticadas injetoras na cor verde-abacate, também destacou uma tecnologia de aplicação em seu estande concorrido de 1.100 m2, com dez máquinas em operação. Tratava-se do processo Dolphin, apresentado finalmente em escala “quase comercial”, conforme os termos oficiais da própria empresa. Isso porque a tecnologia teve protótipo lançado em 2006 para operação na transformadora especializada em peças automotivas Johnson Controls, amadureceu e deve ter seu uso expandido em breve.

A unidade Dolphin integra a injeção de peças de interior automotivo, em portas ou painéis, concebidas com estrutura sólida em revestimento macio espumado. A primeira peça produzida é moldada, na parte interna, com PBT, e seu revestimento de poliéster especial espumado. O desenvolvimento contou com o apoio da Basf, fornecedora do PBT, do grupo italiano P-Group, do poliéster, e da empresa especializada em molde suíça Kaufmann, responsável pela idéia central do processo.

Plástico Moderno, K 2007 - Fabricantes mostram máquinas "verdes", velozes e com novas funções no molde
Wiesbauer: nitrogênio como agente expansor

A previsão do corpo técnico da Engel é integrar a tecnologia com máquinas de duas placas, permitindo a aplicação de quatro materiais em uma única etapa. Por enquanto, a tecnologia é de uso exclusivo dos participantes do desenvolvimento, mas deve ter um futuro promissor quando passar a ser comercializada globalmente. Em um projeto para a Scania, na Suécia, por exemplo, o processo reduziu o custo da fabricação de instrumentos de painéis de caminhão em 20%, em comparação com peças convencionais feitas de PP revestidos com poliuretano.

Também serviu como prova da tendência das novas tecnologias de aplicações, no estande da Engel, a apresentação da máquina totalmente elétrica Engel E-motion, de 55 t de força de fechamento, operando com um novo processo, o Exjection, que produzia perfis de ABS de 930 mm de comprimento e 1,2 mm de espessura. Segundo o gerente de vendas da HDB Representações, Carlos Guisso, responsável pela Engel no Brasil, o grande trunfo do processo é usar molde pequeno para produzir peças grandes, fato possível com o deslocamento da ferramenta interna do molde, que permite a moldagem em um único ponto de injeção com uma única cavidade.

De acordo com Guisso, em maio de 2008, a tecnologia Exjection estará disponível no país. Seu grande uso é na indústria de autopeças, visto que facilita e baixa o custo da produção de frisos, permitindo a operação com máquinas de tonelagem menores. Aliás, a venda no Brasil não só dessa tecnologia mas mas de toda a extensa linha da Engel será facilitada. De forma oficial na K, a empresa austríaca anunciou a inauguração em outubro de um escritório de vendas e assistência técnica próprio, que passará a administrar os negócios da Engel a partir de 1º de janeiro de 2008. Conforme o comunicado, a HDB, que por anos foi sua representante no Brasil, será integrada na nova empresa e gerenciará o escritório.

Página anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios