Máquinas e Equipamentos

Injetoras – Fornecedores buscam atender nichos de mercado

Jose Paulo Sant Anna
6 de junho de 2020
    -(reset)+

    Chinesas – A China foi o primeiro país a sofrer as amargas consequências do surgimento do coronavírus. Fabricantes chinesas com forte participação no mercado nacional de injetoras, seja por escritórios próprios ou por meio de revendedores, ficaram sujeitas às dificuldades de importação que surgiram graças às dificuldades vividas pelo país asiático. Vale lembrar que por lá no momento a doença está controlada e as coisas estão voltando ao normal.

    Plástico Moderno - Injetora SM-100 Spark da Chen Hsong tem pronta entrega

    Injetora SM-100 Spark da Chen Hsong tem pronta entrega

    Com sede em Hong Kong, quatro fábricas na China e uma em Taiwan, a Chen Hsong possui galpão em Taboão da Serra-SP, onde mantém equipe de assistência técnica. Luís Guerra, gerente comercial da empresa, conta que a crise de saúde na China não prejudicou o cotidiano da empresa no Brasil. “Começamos o ano bem confiantes na evolução do mercado nacional, quando a crise chegou nós estávamos com grande estoque local de máquinas e peças de reposição”, justifica.

    Plástico Moderno - Guerra: financiamento próprio com prazo longo ajuda a vender

    Guerra: financiamento próprio com prazo longo ajuda a vender

    A empresa ainda conta com máquinas para pronta entrega, fator importante para atender clientes que precisam ampliar a linha de forma urgente. O gerente destaca outro diferencial da empresa. “Oferecemos financiamento próprio em prazos longos”. Em relação ao comportamento futuro das vendas, ele prefere não arriscar um palpite. “O mês de março foi muito ruim, pior do que abril. Maio eu acredito que será bem difícil. Não consigo dizer como serão as coisas até o final do ano, vai depender de como vai evoluir a doença”.

    Para ele, a forma como o vírus atingiu os segmentos econômicos nos quais atuam os clientes é fundamental para explicar como será a evolução do mercado. “Alguns transformadores compraram máquinas porque suas encomendas aumentaram muito de uma hora para outra. Foi o caso das fabricantes de tampas para embalagens de álcool gel ou de tampas para garrafas de água mineral”, exemplifica.

    Por outro lado, os fabricantes de descartáveis, como talheres, pratos e outros itens, diminuíram muito o ritmo de produção. “Eles estão sofrendo com o fechamento de bares e restaurantes e a suspensão da realização de eventos, até mesmo das festas domiciliares feitas pelas pessoas”. A Chen Hsong oferece ampla gama de máquinas com tamanhos e estruturas de funcionamento variadas, indicadas para as mais diversas aplicações.

    Plástico Moderno - Ortega: produção de tampas plásticas segue bem aquecida

    Ortega: produção de tampas plásticas segue bem aquecida

    A empresa brasileira Simco representa há dez anos no país a fábrica chinesa de injetoras Log. “Terminamos o ano extremamente empolgados, vendemos todo o nosso estoque. Começamos o ano com muitas encomendas e embarques programados de máquinas da China”, conta Vítor Ortega, diretor de novos negócios. Os embarques para o Brasil ficaram mais difíceis a partir de fevereiro. Mesmo enfrentando uma crise de saúde, a China passou a oferecer grande número de máquinas para fabricantes de produtos médicos de todo o mundo, caso dos respiradores e testes para Covid-19.

    Tal dificuldade foi em parte compensada pela queda de procura no mercado interno. “As vendas transcorreram com certa normalidade até a primeira quinzena de março, quando o vírus chegou. Depois despencaram. Ainda estamos faturando com alguns negócios realizados no início do ano e atendendo alguns clientes fabricantes de itens muito procurados, como as tampas de embalagens para álcool gel”.

    Ortega não sabe ao certo como e quando acontecerá a retomada da economia por aqui. “Com a forte queda do poder de compra dos consumidores brasileiros alguns setores vão sofrer bastante, caso da indústria automobilística. Outros segmentos podem se recuperar mais rápido, como os de alimentos e produtos de higiene e limpeza” avalia. A empresa oferece modelos que variam de 30 a 4 mil toneladas de força de fechamento. “As máquinas mais procuradas no momento são as com de 160 a 210 toneladas, justamente as utilizadas nas linhas de produção de tampas”.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *