Injeção – Ciclo rápido e parades finas – Fabricantes investem em técnicas mais sofisticadas

“Estamos nos especializando no IML, pois a automação é o nosso diferencial”, explica.

Dos clientes do segmento de embalagens da Wittmann Battenfeld, segundo Cardenal, cerca de 80% procuram modelos para peças de parede fina; e desse percentual, praticamente todos buscam o IML.

Plástico, Kai Wender, diretor da Arburg Brasil, Injeção - Ciclo rápido e parades finas - Fabricantes investem em técnicas mais sofisticadas
Kal Wender: tecnologia de maior valor agregado está em alta

Um lançamento da fabricante Arburg também traz o IML como destaque. Trata-se de máquina capaz de injetar um balde de 1 litro de volume e espessura de parede de 0,53 mm (já com o label), e peso de 30 gramas, em duas cavidades. “Com a automação, conseguimos inserir o rótulo, e retirar dois baldes e duas alças injetadas no mesmo molde. Além disso, fora do molde, as alças foram montadas e os baldes empilhados”, detalha Kai Wender, diretor da Arburg Brasil.

A linha para embalagem de paredes finas da Arburg chama-se Hidrive. São injetoras híbridas, cuja plastificação com acionamento servoelétrico garante precisão no volume dosado e baixo consumo de energia, segundo Wender. “Na injeção via acumulador hidráulico, junto com a regulagem ativa da rosca, a máquina garante alta densidade de energia em combinação com a alta dinâmica na aceleração e na frenagem da rosca”, diz Wender.

A linha conta com um novo desenho da placa móvel (especialmente desenvolvido para atender às exigências de alta pressão e dinâmica das paredes finas). A proposta é assegurar uma melhor distribuição da força de fechamento do molde. A Hidrive responde por cerca de 15% das vendas da Arburg.

O negócio vai bem, e se depender das projeções do executivo, tende a melhorar ainda mais. A companhia prevê para este ano aumentar as vendas deste tipo de máquina em 20%. “O mercado de embalagem no Brasil está crescendo acima do mercado em geral, e também vejo que os clientes buscam mais sofisticação”, afirma Wender.

A demanda aquecida é um ponto crucial para o crescimento do negócio, no entanto, ele aposta também no serviço de pós-venda. As injetoras para ciclos rápidos sofrem um desgaste maior do que as convencionais. Por isso, os fabricantes de máquinas precisam estar muito próximos dos clientes. “Buscamos dar uma resposta rápida e qualificada. Por isso, montamos uma excelente estrutura no Brasil”, completa.

Demanda aquecida– Para dar conta desse segmento altamente técnico e em expansão, os fabricantes de máquinas não poupam investimentos. Atento ao aumento da procura por esta tecnologia, o mercado amplia constantemente o portfólio e aprimora sua oferta aos transformadores. A Husky adotou como estratégia ter uma visão sistêmica do negócio. Na prática, a companhia se responsabiliza integralmente por todo o sistema de injeção. “Nós detemos toda a cadeia”, destaca Paulo Carmo, gerente de negócios da área de embalagens. A empresa fabrica máquinas, câmaras quentes e também a linha de periféricos. “Temos robôs de fabricação própria e ainda oferecemos células integradas de

Plástico, Paulo Carmo, gerente de negócios da área de embalagens, Injeção - Ciclo rápido e parades finas - Fabricantes investem em técnicas mais sofisticadas
Paulo Carmo: máquina é oferecida como integrante de um pacote completo

outros fabricantes”, conta. Hoje a fabricação do molde se dá via parceiro.

A fim de atender os segmentos que requerem altas potências e velocidades de injeção, como os de embalagens de paredes finas e tampas, a Husky dispõe de máquinas híbridas com plastificação elétrica da família Hylectric, que vai desde 90 t a 1.000 t de força de fechamento, e atende a 80% das aplicações para ciclos rápidos – essa é a linha base de injetoras da companhia. Também há os modelos específicos: Hypac (para peças de paredes finas) e Hycap (tampas). Para a área de pré-formas de PET, a fabricante conta com o sistema Hypet HPP 4.0 (high performance). Compõe o portfólio ainda a linha HMED (de injetoras totalmente elétricas).

O gerente destaca o desempenho da máquina Hypac, com 300 t de força de fechamento. Em operação, o modelo desenvolveu um pote de margarina, com peso de 6.6 gramas, e relação L/T de 450 (distância percorrida do ponto de injeção e espessura); o molde de quatro cavidades permitiu ciclos de 2,8 segundos, com aplicação de IML.

Outro modelo da linha Hypac possibilitou que a injeção de um copo (PS), com peso unitário de 14,3 gramas, passasse para 12,2 gramas, e que o ciclo, antes de 3 segundos, caísse  para 2,6 segundos. Trata-se de uma máquina de 300 t de força de fechamento, com molde de seis cavidades. “O sucesso da aplicação motivou o cliente a construir um molde com sistema stack-mold 2 x 8.

Página anterior 1 2 3 4 5Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios