Gel Coats garantem qualidade superior

Insumos garantem qualidade superior do acabamento das peças de plástico reforçado

Os gel coats são materiais poliméricos fabricados a partir de resinas de poliéster, os quais têm fundamental importância para a produção de vários tipos de peças feitas de plástico reforçado com fibra de vidro. Encontra-se presente desde pequenas peças técnicas a produtos de grandes dimensões, tal qual banheiras e piscinas ou mesmo cascos de embarcações, entre milhares de outras aplicações.

O material se encontra no mercado em diferentes versões e conta com vários fabricantes nacionais, empresas como Morquímica, Embrapol, Comfibras, ESG e outras.

Quatro são as finalidades principais do aproveitamento dos gel coats. O seu uso mais comum é o de melhorar o acabamento superficial dos produtos finais. Ele proporciona beleza, cor e brilho às peças, além de as proteger de impactos. Pode ser usado como primer, quando exerce espécie de preparo para superfícies que vão receber pintura. Atua como revestimento, colabora com a geração de barreira química às peças. Também pode ser utilizado na fabricação de moldes voltados para a produção de peças de plástico reforçado com fibra de vidro.

As vendas de gel coats estão diretamente ligadas às do plástico reforçado com fibras de vidro (PRFV). Este ano, estão próximas das do ano passado, de acordo com alguns fabricantes. A expectativa é de que elas cresçam no segundo semestre.

Ao longo dos últimos anos, impulsionadas pelos usos tradicionais, por novas aplicações ou pela substituição de outros materiais em peças as mais variadas, esse mercado tem agregado volume. Ajudam nesse movimento usuários ligados a setores econômicos importantes, casos da construção civil, de autoveículos, energia, naval, de esportes e lazer, entre outros.

O histórico de bom desempenho prevalece a despeito de desafios, como instabilidade econômica e flutuações cambiais, além de fatores inesperados, caso, por exemplo, do surgimento da nefasta pandemia no ano de 2020. Na opinião dos especialistas há boas oportunidades de expansão no futuro, dependendo do desempenho da economia e de avanços tecnológicos.

Versões disponíveis de gel coats

A Sercel, de Praia Grande-SC, é uma transformadora fabricante de itens feitos de plástico reforçado, como protetores de ar condicionado, cubas e pias para banheiros, tanques e outros, além de produzir peças sob encomenda de projetos personalizados. De acordo com informações prestadas pela empresa, existem diferentes tipos de gel coats.

O processo de seleção para cada aplicação é muito importante. Antes de realizar a escolha, é preciso avaliar as características das peças a serem fabricadas e atender as propriedades que ela precisará contar para suportar as condições de trabalho às quais são indicadas.

“Sem essa análise, corre-se o risco de adquirir um produto equivocado, que reduza a qualidade da peça e gere prejuízos”.

O gel ortoftálico pode ser aproveitado em vários tipos de aplicações. É amplamente utilizado em peças de fiberglass que não exijam resistência ao amarelecimento e não tenham contato permanente com água. Proporciona ótimo brilho, resistência química moderada e pode ser aditivado para exposição aos raios ultravioleta (UV).

O gel coat isoftálico é apropriado para peças que requerem elevada resistência à exposição externa e ao intemperismo. Proporciona ótima cor e brilho, resiste a impactos e pode ser aditivado para suportar radiação UV.

Gel Coats: Insumos garantem qualidade superior ©QD Foto: iStockPhoto
Produção de painel de PRFV

O isoftálico com neo-pentilglicol (ISO-NPG) foi desenvolvido especialmente para atender as necessidades da indústria de piscinas, banheiras e outras peças constantemente expostas à água. Apresenta brilho acentuado e ótima estabilidade mecânica.

Conta em sua fórmula com aditivos voltados para proteção contra UV. O gel conhecido como primer é voltado para dar acabamento superficial e muito usado em peças projetadas para instalar em automóveis, caminhões, ônibus, tratores e outros tipos de veículos. Não possui brilho, é sensível a umidade e está preparado para receber pinturas.

O éster-vinílico é apropriado para a peças que precisam ser submetidas a meios muito agressivos e corrosivos. Proporciona elevada resistência química, absorve choques térmicos e mecânicos e possui alta dureza. O gel coat molde é usado na fabricação de moldes utilizados no processo de fabricação de peças de PRFV. É oferecido nas versões isoftálico e éster- vinílico. É comum ser comercializado em cores chamativas (como laranja ou vermelho), expediente usado para o material se contrastar da cor das peças.

De acordo com informações da Sercel, existem equipamentos adequados para a aplicação dos gel coats. Rolos e pincéis são bastante usados por vários aplicadores, mas os técnicos da empresa ressaltam que esses recursos não são os mais adequados.

As gelcoateadeiras Air-Less são os equipamentos mais recomendados, pois padronizam e facilitam a aplicação, além de reduzir o desperdício. A gelcoateadeira Spray-Up, apesar de muito funcional, possui menos recursos que a Air-Less, requer maior manutenção e exige habilidade e atenção dos profissionais envolvidos no processo de transformação. O método mais utilizado hoje no Brasil conta com o auxílio de pistola. Pode não ser o melhor em questões técnicas, mas apresenta boa relação custo-benefício.

Perspectiva positiva para o gel coats

A Morquímica, de Caxias do Sul-RS, no mercado há 35 anos, nasceu para atender a demanda de uma encarroçadora de ônibus, segmento no qual permanece até hoje.

Gel Coats: Insumos garantem qualidade superior ©QD Foto: iStockPhoto“De lá para cá, além de termos aberto uma filial no Espírito Santo, ampliamos nosso leque de atuação, produzindo gel coats e outros materiais, como massas estruturais, pastas pigmentadas e ceras industriais, sempre de forma customizada”, diz o diretor comercial Otávio Marin Martínez.

Os produtos da Morquímica são aplicados em diversos mercados. Além das encarroçadoras de ônibus, podem ser citados clientes na construção civil, energia eólica, embarcações náuticas, implementos agrícolas e transporte ferroviário, entre outros. “O desempenho da empresa no primeiro trimestre foi muito semelhante ao do mesmo período do ano passado”, informa o diretor comercial.

Ele tem sentimento positivo para o desenrolar dos negócios no segundo semestre. “O mercado tem sinalizado maiores demandas para o resto do ano”. Além de atender o mercado interno, uma preocupação da Morquímica é ampliar a presença no mercado internacional – a região que vem recebendo atenção especial dentro da estratégia da empresa é a do Mercosul.

Na categoria de gel coats, a empresa produz os tipos primer, ortoftálicos, ISSO-NPG e éster-vinílicos. “Nós vamos além, sempre somos procurados por empresas que desejam inovar ou desenvolver projetos especiais”, garante Martinez.

Como exemplo de parceria, ele destaca o desenvolvimento do gel Morcoat autoextinguível. “É um produto voltado para a fabricação de peças que demandam propriedades de retardância à flamabilidade e baixa emissão de fumaça, atende clientes fabricantes de peças para trens e metrôs”. Outras características apontadas para o produto são alta propriedade mecânica (rigidez), possibilidade de uso como cobertura e obtenção de acabamento estético.

“Hoje, um dos nossos produtos mais vendidos é o Morcoat Eletrostático”. Trata-se de gel coat composto por estrutura condutiva que permite criar um sistema elétrico positivo quando aplicado com a atração das partículas de tinta não só nas partes de metal, mas também em peças de fibra de vidro. “Ele apresenta redução de névoa, proporciona menor emissão de tinta ao meio ambiente e melhor condição de trabalho, com menor exposição ao vapor de estireno”. Quando o usuário possuir linha compatível, o gel é indicado para aplicação em peças que sofrerão pintura posterior.

Uma novidade da Morquímica foi o lançamento recente do Safeguard LP Control, barreira química de baixa contração. “Ele impede a absorção de água e garante uma camada extra de proteção ao casco de embarcações. Durante o processo de laminação, evita a retratação das mantas de fibras aplicadas e previne o aparecimento de bolhas na superfície”, explicou.

Outro produto destacado, lançado em 2017, é o composto BX Zero. “Ele foi criado em parceria com um dos maiores nomes da indústria de compósitos, o professor Waldomiro Moreira”. Martinez diz tratar-se da primeira resina do tipo desenvolvida e produzida com matérias-primas nacionais. É utilizada na confecção de moldes de peças de plástico reforçado com fibra de vidro.

“Sua principal característica é a baixa taxa de contração durante o processo de cura. Isso ajuda a garantir maior precisão dimensional no molde, reduzindo o risco de distorções ou deformações e acelerando o processo de confecção”, garante.

Novos produtos

As vendas da Embrapol nesse início de ano têm se mantido estáveis, mas a expectativa para o segundo semestre é de crescimento. Para Maitê Santos, responsável pelo marketing da empresa, há perspectiva de demanda crescente no mercado, em especial pela introdução de novas linhas de produtos e iniciativas de marketing.

A Embrapol, com unidades em Jandira-SP e Curitiba-PR, é especializada na fabricação e comercialização de produtos poliméricos, com ênfase em poliéster, além de comercializar fibras de vidro e outros produtos. Entre as resinas de poliéster se encontram as insaturadas ortoftálicas e isoftálicas ISSO-NPG e os gel coats.

No campo de gel coats, oferece várias famílias de produtos. A Linha 4000 é composta de géis com pigmentos orgânicos e/ou inorgânicos. Os produtos possuem alta solidez à luz, boa resistência às intempéries e às temperaturas altas. “As cores são criadas conforme as solicitações dos clientes”, diz. A Linha 5000 é fabricada a partir de poliéster insaturado ortoftálico de média reatividade, cargas minerais e pigmentos balanceados para adesão de tinta de acabamento. Seus produtos são indicados para peças que requerem pintura posterior.

O gel coat isoftálico Linha 7000 é produzido com poliéster insaturado isoftálico de média reatividade. “Apresenta moderada resistência química e às intempéries, sendo usado em peças de plástico reforçado em geral, usadas em ambientes interno e externo”, indicou.

A linha ISSO-NPG 8000, de média reatividade, é modificada com monômeros acrílicos. Contém aditivos de proteção para raios UV e produtos antibolhas, nivelantes e anti-floculantes. “É recomendada para piscinas, banheiras, pequenas embarcações e em aplicações nas quais se requer alta resistência química e às intempéries”.

A linha Blendax 9000 foi desenvolvida para a fabricação de moldes. Os gel coats são fabricados a partir de blenda que reúne resina éster-vinílica e três poliésteres nobres. Contém ainda monômero acrílico. “Quando aplicado corretamente, proporciona aos moldes excelente acabamento superficial, alto brilho, resistência à abrasão e aos riscos, resistência química e alto desempenho mecânico”.

A empresa também comercializa a Linha 10000, formulada com poliéster isoftálico de média reatividade, modificado com monômero acrílico e aditivado com absorvedor de raios UV. “O gel dessa família é indicado para a fabricação de modelos e moldes de plástico reforçado que requerem alto desempenho e resistência mecânica”.

Compósitos

A expansão do mercado de compósitos no Brasil abre espaço para que fornecedores de produtos químicos utilizados na transformação de peças participem com o lançamento de produtos distintos.

É o caso da Chem-Trend, multinacional há mais de 60 anos no mercado e desde 1986 presente no Brasil, com instalações em Valinhos-SP. A empresa oferece produtos para diversos segmentos industriais.

Gel Coats: Insumos garantem qualidade superior ©QD Foto: iStockPhoto“Nossas soluções para o segmento de compósitos abrangem agentes desmoldantes, semipermanentes e convencionais, seladores, primers e limpadores de molde”, informa Marcelo Bianchini, especialista em vendas técnicas.

O profissional explica que, entre os produtos desse nicho de atuação, os mais procurados no mercado nacional são as soluções Chemlease PMR-90 EZ e Chemlease Sealer 15 EZ, formadas, respectivamente, por agentes desmoldantes e seladores de moldes.

As duas soluções podem ser utilizadas em diversos processos de fabricação de peças em fibra de vidro, incluindo RTM (Resin Transfer Molding), infusão, laminação manual e spray up.

“Elas são conhecidas por proporcionar excelente brilho, além de desempenho superior em desmoldagem, resultando ganhos significativos de produtividade”.

Bianchini destaca alguns lançamentos da empresa. “O primer Chemlease MPP 100, da linha Chemlease, proporciona superfície mais homogênea e adequada para desmoldantes semipermanentes, eliminando a necessidade de um selador”. Ele ressalta o resultado desses produtos em testes internos, realizados tanto em laboratório quanto no campo.

“Os testes demonstraram que o uso do produto pode melhorar o desempenho do molde em até 20%, em comparação com o sistema convencional de desmoldagem de quatro etapas, as de limpeza, primer, selador e desmoldante”.

Outras novidades recentes são os agentes desmoldantes Chemlease IM 9200 e Chemlease IM 9201, indicados para resinas de poliéster insaturado e epóxi. “Desenvolvidos no Brasil, eles foram especialmente projetados para a fabricação de perfis pultrudados de várias geometrias, permitindo a incorporação de diferentes cargas minerais à resina, o que aumenta sua versatilidade”. Bianchini ressalta como diferencial dos dois produtos a capacidade de reduzir a rugosidade, o que aumenta a produtividade ao prolongar o intervalo entre as reaplicações do agente desmoldante.

“Com essa característica, há redução do acúmulo de produto e do tempo necessário para a manutenção do molde. A adição desses desmoldantes internos facilita a impregnação das fibras e cargas, reduz a necessidade da força de tração e permite maior velocidade na linha de produção. Além disso, eles ajudam a evitar o acúmulo de sujeira na matriz, sem comprometer as qualidades da superfície, resultando em uma qualidade superficial superior”.

O especialista destaca a atuação da empresa como uma extensão do setor de pesquisa e desenvolvimento dos clientes. “Nosso objetivo é melhorar a produtividade, a qualidade final dos produtos e a sustentabilidade”. Para exemplificar, ele cita o lançamento recente do agente desmoldante semipermanente à base de água Mono-Coat RM-7105W, indicado para desafios da desmoldagem de peças fabricadas por rotomoldagem.

“Sua principal característica é promover excelente fluidez da resina sobre a superfície do molde, permite múltiplas desmoldagens de peças simples ou complexas e proporcionar alta qualidade estética aos produtos, por meio de uma superfície lisa e uniforme”, finalizou.

Para encontrar empresas fornecedoras de gel coats no Brasil, acesso Guia QD, a maior plataforma de compras e vendas online do setor.

Leia Mais:

Resinas – Demanda segue acelerada
Compósitos – Materiais e tecnologia avançam em resistência
Plástico reforçado: Qualidade e produtividade elevadas permitem disputar aplicações mais rentáveis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios