Feiras e Eventos

FMU

Plastico Moderno
22 de abril de 2010
    -(reset)+

    Além dos sistemas hidráulicos, a LS Mtron também divulgou injetoras elétricas. “As máquinas elétricas da série LGE-II têm custo/benefício bastante interessante e competitivo com as tecnologias alemãs e japonesas, apresentando significativas reduções no consumo de energia e de água na refrigeração, que alcançam até 70%”, comentou Zorzi.

    Com capacidades desde 30 toneladas até 550 toneladas, as velocidades de injeção dessa série de máquinas podem alcançar até 800 mm por segundo, de acordo com as operações do modelo super HSM – High Speed Machine. Segundo Zorzi, as reduções no tempo de ciclo são da ordem de 20% e os acionamentos são realizados via servomotor AC, com resposta rápida, obtendo-se aumentos de produtividade graças aos movimentos simultâneos.

    Tecnologias avançadas – A FMU também foi alvo para divulgar sistemas de injeção já consolidados, como a injetora Diplomat Spazio Platinum Plus – DW 90, da Deb’Maq. Com força de fechamento de 90 toneladas, essa máquina apresenta tecnologia moderna e conta com componentes de primeira linha assinados pelas marcas Vickers/Bosch, Gefran/Telemecanique, além de comandos Techmotion, de Taiwan, e B&R, da Áustria.

    “As muitas unidades já comercializadas dessa série nas indústrias mais exigentes quanto ao desempenho, como automotivas, eletroeletrônicas e de embalagens, comprovam a qualidade avançada do equipamento”, garantiu Salmeron.

    Plástico Moderno, F+M+U

    Tanaka (à esq.) e Sawamura representavam a Kyocera

    O grupo Megga também se fez representar por duas das suas empresas na FMU deste ano: a Meggaplástico, de Cabreúva-SP, e a Meggaton, de São Paulo. A primeira se preocupou em levar à FMU sistema de injeção. O modelo apresentado, uma injetora da marca Sinitron, é fabricado pela Borchê, da China, e opera com força de fechamento de 60 toneladas. Já a Meggaton destacou dois centros de usinagem. Um deles, um sistema CNC High Speed Machine, fabricado em Taiwan, pela Chmer, pertence à série HE, para usinagens de eletrodos de grafite, mas também pode ser aplicado na fabricação de moldes. Entre as principais características, possui spindle (cabeçote rotativo) para operar com velocidades de 30.000 r.p.m. O outro centro de usinagem exposto pertence à série FVP (Feeler Vertical Power). Trata-se de modelo vertical fabricado pela Feeler, de Taiwan, que conta com alguns aprimoramentos para executar as tarefas com maior desempenho, e que opera com avanço de 15 metros/minuto, sob velocidade de 12 mil r.p.m.

    A 5ª FMU ainda mobilizou a participação de grandes conglomerados industriais, como do grupo Kyocera, trazendo à feira um de seus principais executivos, Eiji Tanaka. Há três meses ocupando a presidência da Kyocera do Brasil Componentes Industriais, o senhor Tanaka ocupou durante os últimos trinta anos a vice-presidência e a diretoria industrial da Kyocera América, instalada nos Estados Unidos.

    Sediado em Kioto, no Japão, o grupo, que possui atualmente 219 empresas espalhadas por 29 países, destacou na FMU sua ampla linha de ferramentas de corte para operações de fresamento nas indústrias de moldes. Constituídas de fresas de topo, fresas de face, insertos positivos, insertos redondos, bem como de perfis para moldes, essas ferramentas são fabricadas em unidades industriais do Japão, Coreia e China, sendo importadas e distribuídas por intermédio da unidade brasileira do grupo, de Sorocaba-SP.

    Desde que descontinuou a produção de componentes para máquinas fotográficas Yashica, em 2007, a Kyocera do Brasil, segundo o seu gerente de marketing e de tecnologia da informação da Kyocera do Brasil, Marcelino Hiroshi Kawamura, passou a dedicar-se também à atividade de transformação, especialmente no campo da injeção de polímeros para as indústrias automotiva, médica, farmacêutica e cosmética, atuando como prestadora de serviços para sistemistas e outros setores industriais, e contando com a operação de 20 sistemas de injeção elétricos e dois sistemas hidráulicos, com capacidade avaliada em torno de 15 mil horas/máquina por mês.

    Veterana em participações na feira, a multinacional coreana Taegutec destacou na exposição linha de fresas de facear com pastilhas intercambiáveis, para a mais alta remoção de materiais (cavacos) durante as operações de desbaste, com capacidade para remover até 2 mm por faca e com reduções de tempo de desbaste dos moldes de injeção que chegam a 30% e/ou 40%.

    Além das fresas de facear, a empresa também destacou a linha de fresas de topo, integralmente confeccionadas em metais duros, para utilização em high speed machines, em altas velocidades de corte, nas operações de acabamento.

    Também no segmento de ferramentas, a NGT Top Tools apresentou novas fresas e brocas pertencentes à família nanogrãos de metais duros (44HRC) para operações envolvendo menores tempos de usinagem, com altíssimos ganhos de produtividade. Ou seja, com as novas ferramentas, as furações que antes demandavam em torno de 15 horas para serem finalizadas agora podem ser realizadas em apenas meia hora de usinagem.

    A Almathi, distribuidora autorizada da Alfa Laval em Santa Catarina, destacou diversificada linha de trocadores de calor com vários tipos de placas, mas foram as centrífugas, também fabricadas com tecnologia sueca, os equipamentos que mais chamaram a atenção do público.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *