Fispal tecnologia – Expositores apostam em processos mais produtivos e de baixo impacto ambiental

As últimas inovações e tendências para o setor de embalagens de alimentos e bebidas sinalizam processos e produções mais eficientes e sustentáveis de modo que influenciem convertedores e indústrias nos próximos anos. Apresentadas na 27ª Fispal Tecnologia 2011 – Feira Internacional de Embalagens, Processos e Logística para as Indústrias de Alimentos e Bebidas, entre os dias 7 e 10 de junho, no pavilhão de exposições do Anhembi, em São Paulo, as novidades trazem à tona tecnologias mais comprometidas com a produtividade, sem deixar de lado os requisitos de sustentabilidade que deverão reger cada vez mais as condutas empresariais.

Na avaliação do organizador da feira, a Brazil Trade Shows (BTS), esta edição é uma das maiores realizadas nos últimos tempos, com níveis de participação 13% maiores em relação à edição de 2010, com a presença de grande número de expositores nacionais e internacionais, que ocuparam uma extensão de 76 mil m² de área.

A feira surpreendeu pela presença de expositores de 14 países – Estados Unidos, Canadá, Argentina, China, Espanha, Holanda, Itália, Peru, Suíça, Polônia, Taiwan, Turquia, Malásia e África do Sul –, mas também agradou pela participação de expressivo número de compradores e pela apresentação de novas tecnologias que deverão beneficiar as indústrias do plástico.

Plástico Moderno, Fispal tecnologia - Expositores apostam em processos mais produtivos e de baixo impacto ambiental
Novo sistema da Krones elimina o uso de filme termoencolhível

Embalagens do futuro – As novas soluções em embalagens secundárias incorporam à risca os preceitos de sustentabilidade para empacotar embalagens plásticas primárias, de acordo com inovação desenvolvida pela Krones. Trata-se de embaladora, denominada EvoLite, composta de dois módulos, sendo um deles projetado para a entrada de garrafas plásticas e, outro, para a aplicação de fitas de polipropileno que irão envolver as embalagens primárias, formando pacotes que agregam várias unidades, para facilitar o transporte. A principal vantagem desse novo sistema é oferecer alternativa ao uso de embalagens termoencolhíveis secundárias, conhecidas como shrink-packs, de uso generalizado no empacotamento de garrafas PET que acondicionam águas e refrigerantes.

“Os shrink-packs são as embalagens secundárias mais utilizadas no mercado de garrafas PET, mas trazem inconvenientes pelo uso de grandes quantidades de filmes termoencolhíveis e pela necessidade de instalação junto às linhas de empacotamento de túneis de encolhimento, ao passo que, com a instalação de nossa nova embaladora, que forma as embalagens LitePack, tornou-se possível alcançar grande economia”, informou Silvio Rotta, diretor comercial da Krones do Brasil.

A economia de custos é avaliada em mais de 50%, pois se elimina o uso de filmes termoencolhíveis, e o consumo de energia despenca, permitindo poupar até 90% de energia, em decorrência de não se utilizar túneis de encolhimento.

A nova tecnologia de empacotamento também propicia alcançar altas produções, podendo formar mil pacotes/hora por cabeçote, e embalar 24 mil unidades/hora, levando-se em conta a existência de quatro cabeçotes por máquina.

Em virtude dos ganhos financeiros e ambientais, as embalagens LitePack estão sendo consideradas embalagens do futuro, uma vez que seu uso está associado à baixa geração de resíduos e ao menor consumo de energia, sem que para isso a indústria tenha de abrir mão da conveniência oferecida aos consumidores no que diz respeito às facilidades de movimentação e de transporte de maior número de garrafas de uma só vez.

Com o conceito “embalagem do futuro”, a Krones também apresentou na 27ª Fispal garrafas PET ultraleves, produzidas por sopradoras da linha Contiform, também fabricadas pela empresa, e que, em comparação com garrafas PET convencionais, tiveram seu peso drasticamente reduzido.

Enquanto embalagens convencionais PET de 500 ml e de 330 ml podem pesar mais de 10 gramas, as novas embalagens comportando os mesmos volumes pesam, respectivamente, 6,6 gramas e 4,4 gramas, oferecendo significativos níveis de economia para as empresas, seja no uso mais racional de resinas ou na geração de menores volumes para reciclagem.

Também com sopradoras Contiform, geração ProShape, a empresa destacou a versatilidade desses sistemas que permitem produzir frascos retangulares e ovais em diversos tamanhos, variedades muito requisitadas pelas indústrias de embalagens que atuam no segmento de homecare.

Plástico Moderno, Silvio Rotta, Diretor comercial da Krones do Brasil, Fispal tecnologia - Expositores apostam em processos mais produtivos e de baixo impacto ambiental
Rotta destacou a tecnologia de aquecimento por micro-ondas

“Esse novo processo funciona graças ao aproveitamento da tecnologia amplamente aprovada de aquecimento e de sopro da série Contiform, em combinação com um novo módulo para a orientação e o aquecimento das pré-formas, permitindo alcançar rendimentos em faixas até duas mil embalagens/hora por estação”, acrescentou Silvio Rotta.

A Fispal deste ano também serviu para a Krones divulgar um inovador conceito em forno de aquecimento para sopro. Trata-se de uma tecnologia para aquecimento de pré-formas por micro-ondas (FlexWave), aplicada às sopradoras Contiform S8, e que propicia maior avanço ao sopro de garrafas PET, principalmente pelo menor consumo de energia em comparação com as tecnologias convencionais de aquecimento por infravermelho.

“Com a tecnologia de aquecimento por micro-ondas FlexWave é possível produzir garrafas em várias cores e tonalidades num único lote, além de garrafas multicoloridas, o que não se consegue ao se trabalhar com tecnologias de aquecimento por infravermelho, que são mais limitadas por não permitirem tempos diferenciados de aquecimento das pré-formas”, informou Rotta.

O aquecimento por micro-ondas também é especialmente indicado, segundo enfatizou ele, para blocos compostos de sopradora e enchedora, já que a quantidade de pré-formas no forno é reduzida pelo tempo extremamente breve do processo de aquecimento, permitindo alcançar, graças à presença de comandos individuais de cada estação de aquecimento, alta flexibilidade, seja quanto à cor da pré-forma, PET utilizado ou porcentagem de materiais reciclados.Plástico Moderno, Fispal tecnologia - Expositores apostam em processos mais produtivos e de baixo impacto ambiental

Injeção servoacionada – Única empresa a levar para a exposição sistemas para injeção de termoplásticos, a Meggaplástico, empresa do grupo Megga, atraiu grande número de visitantes para seu estande, todos interessados em conhecer de perto as características da linha Sinitron-Borchê, apresentada nos modelos BS 2000 e BS 1500, produzidos na China.

Com comandos que permitem memorizar até 120 moldes e com ajustes automáticos dos parâmetros de altura e de injeção, as injetoras BS possuem acionamento servomotorizado, garantindo várias vantagens competitivas aos compradores. Operando a pleno vapor na Fispal, com ciclos de 8 segundos, a BS 1500, máquina com 150 toneladas de força de fechamento, injetou descartáveis de poliestireno, tendo capacidade para injetar até 320 gramas de resinas; e a BS-2000, conforme programado pela empresa, operou com ciclos de 15 segundos, injetando utilidades domésticas de polietileno. Sua capacidade alcança até 460 gramas de resinas.

Plástico Moderno, Marcelo Pruaño, Gerentecomercial da Meggaplástico, Fispal tecnologia - Expositores apostam em processos mais produtivos e de baixo impacto ambiental
Pruaño: injetoras servoazionadas BSproporcionam ao transformador economia energética de até 70%

“A nova família de injetoras servoacionadas BS, lançada no final de 2010, propicia até 70% de economia de energia, quando comparada às máquinas convencionais, dotadas de bomba fixa, e 50% de economia energética, em comparação com as máquinas que contam com bomba variável”, informou Marcelo Pruaño, gerente comercial da Meggaplástico.

Na opinião do executivo, as máquinas importadas têm um papel muito importante para o equilíbrio entre a oferta e a procura. “As máquinas importadas ajudam a suprir a demanda do mercado brasileiro, hoje avaliada entre três mil e quatro mil injetoras ao ano, tendo em vista que a produção nacional atual não deve ultrapassar 1.500 máquinas ao ano”, comentou Pruaño.

Sopro com economia e produtividade – As novas soluções para sopro da Sidel também oferecem tecnologias de baixo consumo de energia, voltadas à produção de garrafas plásticas de alta qualidade e com níveis superiores de produtividade por permitir trocas rápidas por meio da utilização do sistema Bottle Switch, concebido para melhorar a flexibilidade das sopradoras e reduzir o tempo de troca de moldes.

Outra inovação apresentada pela empresa está no sistema de descontaminação seca, denominado Combi Predis. Disponível para leites UHT e outros produtos sensíveis, esse sistema permite esterilizar as garrafas na fase da pré-forma, sem a utilização de água.

Os desenvolvimentos mais recentes da empresa também contemplam soluções, como o Modulomold, que permite a produção de embalagens com diferentes designs em um único molde, pelo uso de insertos no molde, removíveis por meio de trocas rápidas.

Plástico Moderno, Fispal tecnologia - Expositores apostam em processos mais produtivos e de baixo impacto ambiental
Sidel mostrou soluções para sopro, como o Modulomold

Um novo paletizador com software inteligente também foi concebido para contribuir para os aumentos de produtividade. Trata-se do SP 1000 HS, que permite diferentes configurações e possibilita a realização de duas funções essenciais, como a preparação de camadas e a paletização.

Já no estande da Meggaplástico, o maior destaque ficou por conta da sopradora de mesa dupla Invex, modelo HFBA75R, que produziu durante o evento frascos de 50 ml de PP e que, uma vez equipada com  cabeçotes quíntuplos, com cinco saídas do programador de parison de100 pontos, alcança produções horárias de seis mil frascos, e contribui para acelerar as produções nas indústrias alimentícias, cosméticas e farmacêuticas.

Equipada com sistema hidráulico proporcional em todos os movimentos de fechamento, de abertura e do cabeçote, essa máquina pode produzir frascos e bombonas comportando volumes desde 10 ml até 5 litros de PP, PE, PVC, PC, entre outras resinas.

“Adicionamos melhores automações no equipamento e um dos grandes diferenciais da sopradora Invex HFBA75R está na sua estrutura construtiva de fechamento com três colunas, que permite uma fácil e rápida troca de moldes”, informou Marcelo Pruaño.

Segundo ele, a força de fechamento é aplicada por meio de um sistema hidráulico proporcional diretamente na placa de fechamento e o resultado é uma distribuição homogênea da força nessa área da placa, conseguindo-se também alcançar precisão nos movimentos graças à utilização de servoválvulas, que proporcionam alta estabilidade produtiva.

Em sua 4ª participação na Fispal, a Meggaplástico ainda divulgou ao público os atributos da CPSB Phoenix, máquina totalmente automática de reaquecimento, estiramento e sopro de pré-formas de PET, com bocas largas, uma das mais procuradas pelo mercado e cujo maior volume de vendas ocorre em virtude do fato de estar captando migrações oriundas de setores que antes investiam em sistemas de injeção de polietilenos e de polipropilenos.

“Começamos a atuar no segmento de máquinas para PET no Brasil em 2006 e já instalamos mais de 50 linhas, com diferentes capacidades de produção, desde 1.000 garrafas/hora até 24 mil garrafas/hora”, comentou Marcelo Pruaño, avaliando poder alcançar neste ano níveis de crescimento de vendas entre 20% e 40% somente no mercado brasileiro.

A Fispal 2011 também propiciou aos visitantes conhecer de perto os equipamentos nacionais fabricados pela Romi. Considerada a líder brasileira no setor de máquinas-ferramenta e de máquinas para processamento de plásticos, a empresa levou para demonstração ao público a sopradora de pré-formas Romi PET 230 automática. Direcionada à fabricação de garrafas ou frascos plásticos para as indústrias de bebidas, como refrigerantes e águas minerais, e também para as indústrias de óleos comestíveis, molhos, cosméticos, condimentos e produtos de higiene e limpeza, a sopradora foi programada para soprar pré-formas de garrafas de 500 ml para água mineral, podendo alcançar produção de 2,5 mil garrafas/hora. Com capacidade para produzir frascos e garrafas até três litros em moldes de duas cavidades, o diferencial dessa sopradora é a alta produtividade, obtida pelo fato de ser totalmente automática.

Plástico Moderno, Fispal tecnologia - Expositores apostam em processos mais produtivos e de baixo impacto ambiental
Sopradora de pré-formas Romi PET 230 é automática

PA ajuda a baixar emissão de CO2 – A introdução da poliamida no lugar do alumínio, utilizado há décadas na composição das estruturas multicamadas cartonadas, além de constituir uma das grandes inovações criadas nos últimos tempos no setor de embalagens, ajudou a elevar o ganho ambiental, contribuindo para a maior sustentabilidade dessa categoria, amplamente utilizada no envase de leites e sucos.

A responsável pelo novo conceito foi a Sig Combibloc, ao desenvolver a nova embalagem cartonada asséptica EcoPlus. Recentemente lançada na Europa com grande sucesso e pela primeira vez apresentada ao mercado brasileiro durante a 27ª Fispal, a EcoPlus reduz em 28% a emissão de CO2 na atmosfera em comparação com as cartonadas convencionais, pois graças à barreira oferecida pela poliamida foi possível fazer maior uso de matérias-primas de fontes renováveis na sua composição. Ou seja, o uso de PA de mais alta barreira permitiu elevar o percentual de uso de papel-cartão, fabricado com fibras de madeiras, de 75% para 82%. Os benefícios para o meio ambiente proporcionados pela nova embalagem atribuídos à menor emissão de CO2 foram comprovados pelo Instituto de Energia e Pesquisa Ambiental de Heidelberg, da Alemanha.

Plástico Moderno, Marcelo Gonçalves Nascimento, Coordenador de comunicação da Sig Combibloc, Fispal tecnologia - Expositores apostam em processos mais produtivos e de baixo impacto ambiental
Nascimento apresentou conceito em cartonada inédito no Brasil

Por isso, enquanto a estrutura de uma camada ultrafina de poliamida atua como barreira de proteção contra a perda de sabor e também contra a contaminação por odores externos, a estrutura formada pelo polietileno, presente interna e externamente nesse tipo de embalagem, de acordo com o conceito da cartonada antecessora da EcoPlus, irá garantir barreira aos líquidos e também a necessária proteção contra a umidade.

“As embalagens EcoPlus representam uma inovação mundial que trará muitos benefícios ambientais, assegurando a continuidade de uso das cartonadas como soluções de embalagens mais amigas do meio ambiente para alimentos longa vida”, destacou Marcelo Gonçalves Nascimento, coordenador de comunicação da Sig Combibloc do Brasil.

Inicialmente, segundo ele, o novo conceito em cartonada será adotado nos segmentos de leite e de lácteos longa vida, mas, futuramente, deverá ser expandido para cartonadas assépticas voltadas ao envase de produtos sensíveis ao oxigênio e de bebidas não-carbonatadas, como sucos. “Outra vantagem da cartonada EcoPlus é poder ser processada com o uso de máquinas de envase no padrão da Sig Combibloc, com simples ajustes realizados nos parâmetros de temperatura de envase”, explicou o coordenador.

A Fispal deste ano também serviu para comemorar a inauguração da primeira fábrica da Sig Combibloc no Brasil, com o objetivo de alcançar maiores níveis de crescimento em mercados emergentes. A localidade escolhida para abrigar a primeira fábrica foi Campo Largo, no Paraná, e o montante de investimento foi avaliado em 90 milhões de euros, oferecendo base à unidade com capacidade de produção de um bilhão de embalagens ao ano.

Plástico Moderno, Fispal tecnologia - Expositores apostam em processos mais produtivos e de baixo impacto ambiental
Embalagem asséptica EcoPlus garante menor emissão de CO²

O mercado mundial de embalagens longa vida para bebidas, segundo o Instituto de Pesquisas Canadean, deverá registrar crescimento de cerca de 4,2% ao ano, no período entre 2010 e 2014. Para o Brasil, no entanto, a previsão de crescimento é maior, de 6,4% ao ano, o que representa um nível de crescimento 50% superior à média mundial. Atualmente, o Brasil já é considerado o segundo maior mercado global e o maior produtor de leite UHT em embalagem cartonada asséptica, respondendo pela comercialização de 5,4 bilhões de litros no último ano.

Catalisador solventless – Lançado no mercado mundial no início deste ano, e já contando com várias homologações entre fabricantes dos Estados Unidos, México e da América Central, o catalisador solventless da Coim chegou, agora, ao Brasil com o propósito de oferecer alternativa aos produtores locais que pretendem posicionar a produção em patamares de sustentabilidade pelo uso de adesivos nas laminações de embalagens para alimentos, desenvolvidos com matérias-primas renováveis e de origem natural.

“Estamos mostrando nosso compromisso e interesse com a sustentabilidade, apresentando ao mercado brasileiro durante a Fispal um catalisador solventless com altíssimo teor de matérias-primas renováveis, de origem natural, e com excelente performance, além de ter custo muito acessível e competitivo com os catalisadores convencionais e poder ser combinado com adesivos solventless tradicionais”, informou Carlos Gandolphi, gerente de desenvolvimento da Coim Brasil.

Desenvolvido para os sistemas de adesivos poliuretânicos, e constituído de 65% até 70% de matérias-primas de fontes renováveis, o novo catalisador atende às laminações de embalagens flexíveis, sendo um dos produtos que ilustram o esforço da companhia em desenvolver adesivos compostáveis e biodegradáveis para as aplicações industriais.

Outra inovação, lançada com exclusividade pela Coim Brasil no mercado latino-americano, é o adesivo solventless de cura ultrarrápida, desenvolvido para aumentar a produtividade nas indústrias de embalagens para alimentos.

Segundo Gandolphi, a cura e o corte da bobina dos filmes laminados podem ocorrer entre seis a oito horas após a laminação, trazendo ganhos muito significativos para as empresas.

“O processo de cura do adesivo e o desenvolvimento de propriedades de resistência térmica e química são muito rápidos, garantindo significativos ganhos de produtividade e maior flexibilidade aos convertedores, que têm ao seu alcance uma solução muito eficiente para reduzir o tempo de espera relacionado com o processo de cura dos adesivos poliuretânicos depois do processo de laminação”, informou Gandolphi.

Novidades para embalar – A exposição de embalagens customizadas da Cromus também atraiu neste ano muitos visitantes ao estande. Considerada líder no segmento de embalagens decorativas por converter cinco mil toneladas de matérias-primas ao ano e em fase de implementação de expansões em seu parque fabril, a empresa promoveu na feira diversos lançamentos com vários tipos de impressão em diferentes cores, tamanhos e tipos de acabamento, para atender o segmento de embalagens para presentes.

Desenvolvido para visualização e conferência do peso de mercadorias em movimento, o módulo de pesagem dinâmica da série Mproll, da Kauffmann, pode ser fabricado de acordo com a necessidade dos usuários, de aço inoxidável ou galvanizado e com correias ou roletes motorizados. Projetado para realizar diversas operações, conferência e contagem de peças, o equipamento possui velocidade variável, com células de carga ligadas a um integrador eletrônico, e que gera resultados precisos e repetitivos, e um dispositivo opcional para a retirada das embalagens que estão fora do padrão preestabelecido.

Ao participar da Fispal deste ano, a Embaquim, considerada pioneira na fabricação dos sistemas bag-in-box no Brasil, destacou uma nova concepção de embalagem para acondicionar produtos que precisam endurecer dentro do liner. Denominada Round Bottom Liner, essa embalagem vem com fundo arredondado, tem soldas externas e pode comportar diferentes volumes, desde 2 litros até 200 litros. Por não possuir reentrâncias na parte interna, impede o acúmulo de produtos e eventuais desperdícios no momento de sua retirada da embalagem.

Outra novidade apresentada pela Embaquim foi o Bag Octogonal Bolha, composto por cinco camadas, sendo a externa formada por plástico bolha, material utilizado com o intuito de servir de proteção durante o transporte.

Já a Pano Cap do Brasil aproveitou a feira para lançar tampa de 38 mm, oferecendo sistema de lacre Tamper Evident, para conferir segurança, comodidade e rapidez de manuseio para abertura, sem prejuízo para a inviolabilidade tão necessária a essas aplicações.

A ideia que permeou esse novo desenvolvimento é dispensar o uso de lacres termoencolhíveis, com vantagem de custo em comparação com os sistemas shrink, e permitir acoplamentos aos frascos com a utilização do mesmo tipo de equipamento de fechamento já existente nas indústrias.

Focada nos mercados de águas e refrigerantes, e servindo para garrafas comportando variados volumes, especialmente aquelas concebidas para consumo imediato, as novas tampas também podem ser utilizadas em garrafas para isotônicos e energéticos, chás e sucos, refrescos, iogurtes e bebidas lácteas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios