Ferramentaria Moderna

Ferramentaria moderna – Fabricantes nacionais de moldes para tampas buscam parceiros tecnológicos para elevar produtividade

Antonio Carlos Santomauro
1 de agosto de 2012
    -(reset)+

    E Carmo, da Husky, percebe potencial de geração de negócios tanto nos moldes para tampas de bebidas quanto no segmento das especialidades (composto, por exemplo, pelas indústrias de cosméticos e de alimentos). “No mercado de bebidas, os produtos são mais padronizados, e exige-se principalmente rapidez e repetibilidade, enquanto o mercado das especialidades é mais dinâmico, e nele cada projeto geralmente é um novo projeto, no qual tudo começa praticamente do zero”, compara Carmo.

    Investir é preciso – Interessados em se posicionar mais solidamente no confronto com os provedores mais tradicionais dessa indústria, e simultaneamente reduzir as probabilidades de ampliação da concorrência proveniente da Ásia, os fabricantes brasileiros de moldes para tampas seguem investindo na melhoria da qualidade de sua oferta.

    Plástico, Bruno Chagas, gerente da engenharia da Moltec, Ferramentaria moderna - Fabricantes nacionais de moldes para tampas buscam parceiros tecnológicos para elevar produtividade

    Bruno Chagas: produtor nacional pode chegar a 96 cavidades

    A Btomec, por exemplo, em agosto último, instalaria duas novas máquinas de usinagem importadas da Suíça, nas quais investiu cerca de US$ 1,5 milhão. “E estão previstos novos investimentos em centros de usinagem CNC e em uma segunda injetora, para try out de moldes de menor porte”, adianta Tiergarten.

    O grupo PHN, diz o gestor de desenvolvimento Ricardo Rezende, pode hoje desenvolver, em materiais como silicone e epóxi, entre outros, com os quais produz lotes limitados de peças (denominados pré-séries). “Com esses lotes iniciais os clientes podem, por exemplo, realizar testes de mercado”, destaca Rezende.

    A Moltec, afirma Chagas, dispõe de tecnologia para atender às demandas mais atuais da indústria de tampas, como moldes para tampas bicolores, moldes para tampas flip top com sistema in mold closing system – com o qual as tampas já saem fechadas –, stackmolds e moldes com mais de 64 cavidades. “Já fabricamos vários moldes com 96 cavidades”, ele conta.

    Mas, obviamente, também os grandes players internacionais presentes no Brasil têm seus apelos tecnológicos: na Husky-KTW, Carmo destaca a tecnologia EasyCube, própria para moldes destinados à produção de tampas com mais de um componente. “Essa tecnologia permite que, em máquinas convencionais, sem grandes modificações, realize-se, através de uma placa interna do molde, a sequência de uma das possibilidades de produção de tampas bicomponentes: a injeção do segundo material em sequência à primeira injeção”, ele descreve.

    Tecnologia – A tecnologia dos moldes evolui lenta, porém, consistentemente, observa Paulo Carmo, da Husky. Essa evolução, ele especifica, manifesta-se nos materiais – por exemplo, pelo uso de aços com tratamentos mais requintados – e nos projetos.

    Mas, mesmo de forma paulatina, essa evolução pode gerar resultados bem palpáveis. Segundo ele, máquinas injetoras

    Plástico, Paulo Carmo, da Husky, Ferramentaria moderna - Fabricantes nacionais de moldes para tampas buscam parceiros tecnológicos para elevar produtividade

    Paulo Carmo: aquisição da KTW permitiu a integração de sistemas para tampas

    com 300 toneladas de pressão, que até há pouco tempo produziam tampas com 28 milímetros de diâmetros com moldes da Husky-KTW com 72 cavidades, podem agora utilizar moldes com 96 cavidades, e em ciclos mais rápidos.

    Tal avanço decorre tanto de desenvolvimentos na máquina injetora, como capacidade de plastificação, injeção, força de extração, tempos de movimento e sistemas de controle, quanto do lado do molde, hoje mais evoluído em itens como sistema de extração, cinemática de abertura e fechamento das gavetas, e sistema de refrigeração.

    E, de acordo com Carmo, embora seja crescente o interesse, nas mais diversas aplicações, pelos stackmolds (moldes com múltiplas faces, com os quais é possível aumentar a capacidade de produção), no segmento das tampas a análise dessa opção deve considerar vários fatores.

    Pode-se, por exemplo, pensar em produzir tampas por meio de um stackmold com duas faces – cada uma delas com 24 cavidades –, em vez de um molde convencional com 48 cavidades. “Mas, como as cavidades dos moldes para tampas geralmente são pequenas, o stackmold também pode ficar pequeno; e, por conta da sua altura, exigir uma máquina menor”, pondera Carmo. “Além disso, tampas geralmente têm um processo de extração que muitas vezes exige uma ação lateral (o fechamento de uma tampa flip top, por exemplo); e no stackmold essa operação pode ficar mais complexa”, ele complementa.



    Recomendamos também:








    3 Comentários


    1. DANIEL RODRIGUES NETO

      Olá Sou Ferramenteiro e queria saber como posso mandar um curriculo para empresa, obrigado


    2. Favor nos enviar um telefone para contato direto.
      Precisamos de um molde para injeção de um tipo de dominó em plástico


    3. preciso molde de tampas flip top 38 ou se possível me indiquem alguma empresa no brasil que fabrique essas tampas,

      Atenciosamente,

      Jakson



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *