Feira do Plástico – Substituição de materiais dá mais espaço para os plásticos de engenharia

Feiplastic

Mais PE, mais tecnologia

Alguns dos principais produtores de resinas instalados no Brasil – como Unigel e Innova – não montaram estandes nesta Feiplastic – Feira do Plástico.

Mas lá novamente estava a maior delas, a Braskem, que além de divulgar iniciativas como a plataforma de estímulo ao empreendedorismo em tecnologia e sustentabilidade Braskem Labs (desenvolvida em parceria com a ONG Endeavor), lançou a marca Proxess, de soluções de PE de alta performance.

Com ela, a empresa amplia seu portfólio de PE metalocênico, no qual já atuava com a linha Flexus. “Proxess alia performance à versatilidade, podendo ser usada tanto em máquinas modernas quanto em outras mais antigas”, afirma Renato Di Thommazo, gerente-comercial de PE da Braskem.

O lançamento dessa nova marca se associa ao recente investimento de R$ 50 milhões feito pela Braskem na ampliação de sua capacidade de produção de PE com tecnologia de catalisadores metalocenos que, segundo estimativas da empresa, já representa cerca de 20% dos negócios totais de PEBDL, e cresce em taxas superiores à média desse mercado.

Plástico Moderno, Braskem mostrou uma pletora de aplicações para PVC, PP e PE
Braskem mostrou uma pletora de aplicações para PVC, PP e PE

A Braskem também apresentou na feira um aplicativo para smartphones e tablets capaz de calcular os ganhos decorrentes de suas resinas às quais concede o selo Maxio, reservado às melhores entre suas soluções, sempre capazes, anuncia a empresa, de proporcionar aos usuários vantagens em pelo menos um de três quesitos: redução de peso, redução do consumo de energia e produtividade. “

Temos casos de diminuição de 30% no consumo de energia para produzir uma cadeira monobloco cujo peso foi reduzido de 2,6 kg para 2,4 kg; e de um corpo de ventilador cujo ciclo de produção baixou de 62,5 para 57,5 segundos”, detalha Nicolai Duboc, gerente de desenvolvimento de mercado e aplicações de engenharia de PP da Braskem.

Além de revelar os ganhos proporcionados pelas resinas nos quesito peso, energia e produtividade individualmente para cada máquina, o aplicativo da Braskem calcula ainda os benefícios referentes à redução na emissão de CO2 decorrente do uso das soluções dotadas do selo Maxio, já atribuído a cerca de dez soluções (principalmente de PP), do portfólio de resinas da empresa.

Por enquanto, o selo está mais associado aos produtos destinados a aplicações como embalagens rígidas e utilidades domésticas. “Mas trabalhamos para integrar a esse conjunto outros gêneros de soluções: por exemplo, BOPP”, complementa Duboc.

Plástico Moderno, Estirênicos firmam posição nos produtos eletroeletrônicos
Estirênicos firmam posição nos produtos eletroeletrônicos

A Styrolution participou pela primeira vez de uma Feiplastic, na qual enfatizou sua recente integração com a Ineos ABS – outra unidade do grupo controlador da própria Styrolution –, com a qual reforçou sua oferta de soluções baseadas em ABS.

Entre essas soluções, Fabio Bordin citou a resina Lustran E 112 LG, grade de ABS low gloss (baixo brilho), destinado à produção de componentes para o interior de caminhões e ônibus, onde não pode haver muito brilho para não ser prejudicada a visão dos motoristas.

“Já fizemos testes com clientes desses setores e a receptividade foi muito boa”, ele informou.

Bordin também realçou os grades de SMMA (estireno metil-metacrilato) da marca NAS, apresentados como substitutos do vidro em utilidades domésticas e artefatos médicos.

E enfatizou a participação da empresa no desenvolvimento do Renegade, veículo recentemente lançado pela Fiat em sua linha Jeep, que usa uma resina específica de ASA (acrilonitrila estireno acrilato de butila), sob a denominação Luran S, em itens como espelhos retrovisores e revestimento de colunas.

“Desenvolvemos esse produto especialmente para atender a uma cor preta padronizada pela Fiat”, relata Bordin.

Plástico Moderno, Detalhe do fechamento de embalagem e usos de Surlyn
Detalhe do fechamento de embalagem e usos de Surlyn

Benefícios mais acessíveis

Além de anunciar lançamentos, expositores também divulgavam novos diferenciais ou novos fatores de competitividade de matérias-primas na indústria do plástico.

Procedeu assim a área de embalagens e polímeros industriais da DuPont com sua linha Surlyn, já aproveitada em tampas de perfumes, saltos de sapatos e, no setor dos alimentos, em aplicações como embalagens termoencolhíveis para carnes e queijos – nas quais promove encolhimento sem a necessidade de irradiação e proporciona brilho, transparência e proteção contra perfuração –, embalagens de produtos secos produzidas em processo de extrusion coating com alumínio, embalagens termoformadas de alta profundidade, entre outras.

Página anterior 1 2 3 4 5 6 7Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios