Extrusoras – Fabricantes realçam processos otimizados e exibem modelos dotados de recursos sofisticados

A automação das linhas para fabricação de tubos também ganhou visibilidade no estande da By Engenharia. A empresa mostrou sua mais nova representada: a alemã Inoex, com produtos como o Advantage, equipamento que produz a mudança automática da dimensão de tubos; Saveomat, dosador gravimétrico; e o Maxflexx, junta de calibração para máxima flexibilidade do sistema.

Modelos de dupla-rosca corrotante não faltaram nos estandes do Anhembi. Ao contrário do ocorrido na edição anterior, a Coperion do Brasil levou máquina para a exposição. A fabricante lançou em primeira mão a STS 75 Advanced, antes da apresentação nas próximas edições das feiras NPE (realizada em Chicago) e da chinesa Chinaplast. O modelo é uma dupla-rosca corrotante de 800 r.p.m. de rotação de rosca para produção de até 1.600 kg/h. “Há um aumento da capacidade da extrusora em cerca de 30% para a maioria das formulações com um acréscimo de investimento muito baixo”, comentou o gerente de vendas da Coperion do Brasil, Marcelo Albernaz.

Em virtude da capacidade de produção, a máquina atende sobretudo às necessidades de produtores de masterbatches (branco e preto), recicladores e também de produtores de compostos e plásticos de engenharia de maior volume. Na família STS Advanced, incorporaram-se redutores flender e os acoplamentos bibbygard, ambos da Alemanha, além de sistemas de controle individual de zonas de aquecimento. Em tempo, a extrusora apresenta um preço competitivo por ser montada na China.

Dezesseis máquinas foram comercializadas em 2008 pela Coperion do Brasil: dez montadas na China e seis na Alemanha. “Em 2009, já temos três máquinas da Alemanha e duas da China vendidas”, afirmou Albernaz. Esse cenário estimula a companhia a se aproximar cada vez mais do mercado brasileiro, mas enquanto não consegue viabilizar os planos, divulgados no passado e reiterados nesta edição da feira, de montar algumas máquinas em unidade brasileira, a empresa realiza investimentos em estoque local, sobretudo para as extrusoras do tipo STS. “Também adquirimos equipamentos para prestação de serviços locais como sistema de alinhamento a laser, sistema de medição de desgaste de barris a laser etc.”, comentou.

Esses números revelam outra característica da estratégia da Coperion: competir somente com fabricantes de ponta. Ou seja, suas máquinas concorrem com os modelos europeus, sobretudo os italianos e os da própria Alemanha. Por isso, não há desvantagens, pois os percalços, como as altas taxas de importação, são similares. As fabricações asiáticas nem são consideradas. “A própria Coperion possui uma linha de máquinas 100% chinesa, comercializada apenas no mercado asiático. Este equipamento custa metade do preço da nossa STS, porém não atende às exigências mínimas de qualidade exigidas pelos mercados europeu ou americano e, portanto, não comercializamos estas máquinas fora da Ásia e nem utilizamos o nome Coperion nesta linha de equipamento”, explicou.

Portfólio completo – Quem chegava ao estande da Krauss Maffei se deparava com uma imponente injetora, mas nem por isso o mercado de extrusão ficou descoberto por essa fabricante alemã.

Plástico Moderno, Bruno Sommer, gerente da divisão de extrusão da Krauss Maffei, Extrusoras - Fabricantes realçam processos otimizados e exibem modelos dotados de recursos sofisticados
Sommer confia na aceitação nacional fa tecnologia alemã

Havia amostras de peças extrudadas e um cartaz, com a inscrição de uma dupla-rosca contrarrotante, no qual se ressaltava seu rendimento superior em relação a outros modelos e sua ampla janela de processos para diferentes formulações.

Essa predileção pela injeção pouco tem a ver com os resultados obtidos pela companhia no ano passado. De acordo com o gerente da divisão de extrusão da Krauss Maffei, Bruno Sommer, 2008 foi um ano excelente para a área, por causa da forte demanda dos mercados brasileiros, venezuelano, peruano, costa-riquenho e chileno. A ebulição do setor fez a empresa dobrar o número de profissionais para atender o segmento. Como se nota, levar uma máquina injetora tratou-se somente de uma estratégia. Além de um sistema de extrusão requerer muito espaço no Anhembi, a injeção é um mercado mais amplo, por definição. “O mercado de extrusão para nós é um pouco restrito: em tubos, perfis, compostos, chapas e alguma coisa em filmes”, comentou Sommer.

O gerente está confiante no segmento de tubos de PVC, em todas as suas aplicações, sobretudo as prediais. No Brasil, os tubos de poliolefinas não têm muito espaço, como os de PVC. Em tempo, metade da produção dessa resina se destina à produção de tubos, e está justamente nesse segmento a força da Krauss Maffei. A empresa conta com máquinas cônicas para até 60 mm de diâmetro de rosca, capazes de produzir até 300 kg/h, e modelos de 75 mm para cima, que produzem ainda mais. O modelo da marca mais vendido no Brasil é o KMD para fabricar 1.050 kg/hora. “Todas as nossas máquinas têm altíssimo rendimento”, comentou Sommer.

Também sem extrusora no estande, a Milacron, reconhecida no setor pela sua tradição entre as injetoras, fez questão de se apresentar como fabricante de extrusoras; e mais: colocar-se no páreo entre os maiores. “Nossa estratégia foi colocar cartazes e peças extrudadas em um ‘display’; nossa ideia foi mostrar que a Cincinnati Milacron Extrusion Systems está de volta ao mercado”, comentou o gerente-comercial da Milacron, Hercules Piazzo.

Página anterior 1 2 3 4 5Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios