Plástico

Extrusão – Setor de embalagem flexível se recria com o respaldo de novos grades e tecnologia

Rose de Moraes
12 de fevereiro de 2012
    -(reset)+

    produzir entre 400 metros e 500 metros de filmes por minuto, inclusive por coextrusão até cinco camadas”, destacou o diretor superintendente.

    A centralização das operações em uma única unidade de produção – a unidade de Varginha-MG foi desativada em 2009 –, de acordo com Botton, também oferece vantagens para a mais alta eficiência e produtividade da empresa, tornando-a mais competitiva.

    “O nosso grande diferencial em filmes de BOPP está na nossa capacidade de produzir com tecnologia de última geração e alta produtividade por coextrusão filmes com até cinco camadas de alta performance e termoencolhíveis”, informou Davide Botton.

    As novas propriedades já constam de embalagens de alimentos consagrados, como os probióticos Yakult, empacotados com filmes de BOPP transparentes e termoencolhíveis, cortados e selados simultaneamente, evidenciando um exemplo de aplicação técnica de alto desempenho, que reúne seis frasquinhos envasados com os produtos.

    “Nossos filmes de BOPP de alta barreira metalizados apresentam valores ao teste de vapor d’água menores do que 0.3 g/m2 por um período de 24 horas e também barreira à luz, preservando o aroma, o sabor e a crocância de alimentos, como biscoitos recheados, um exemplo de aplicação considerada crítica”, acrescentou Jaime G. de Araujo, gerente de desenvolvimento de mercado e assistência técnica da Polo Films.

    Plástico, Extrusão - Setor de embalagem flexível se recria com o respaldo de novos grades e tecnologias

    Filme de BOPP termoencolhível é utilizado em aplicação técnica

    Contando com linhas de produção atualizadas, a empresa produz todos os tipos de BOPP, como metalizados, transparentes, brilhantes e foscos, e também filmes tratados a plasma dentro das metalizadoras, o que permite à camada de alumínio aderir melhor ao BOPP.

    Apesar de responder por um grande número de inovações e de novos desenvolvimentos, a empresa, em razão dos contratos de confidencialidade firmados com produtores de matérias-primas, convertedores e indústrias usuárias finais, não divulga as particularidades técnicas presentes nas embalagens que propiciam vida mais longa aos produtos alimentícios.

    No entanto, comentou Botton: “Podemos assegurar que nossos filmes para embalagens e rótulos podem agregar composições de aditivos e de resinas mais econômicas e que estamos trabalhando para ampliar o leque de aplicações do BOPP, promovendo substituições de embalagens rígidas confeccionadas em cartão e outros plásticos.”

    Segundo Botton, os filmes de BOPP apresentam características de sustentabilidade muito interessantes: “A leveza do BOPP é bem maior em relação ao papel, papelão, plásticos rígidos e ao alumínio, e a sua densidade é 40% menor do que a do poliéster”, o que permite produções mais sustentáveis no setor de embalagens flexíveis.

    Novos PP para BOPP – Segundo reconhece Alessandro Lima, gerente de desenvolvimento de produto da área de polipropileno da unidade de polímeros de Triunfo-RS, da Braskem, as resinas sofrem aprimoramentos constantes até para acompanhar a evolução das máquinas que operam, hoje, com velocidades superiores a 300 metros, 400 metros ou mais por minuto, elevando a produtividade no setor de filmes.

    “Mas, para acompanhar, sem romper, as atuais velocidades de processamento das máquinas, os filmes se tornaram mais finos e sofreram modificações em prol do aumento da sua qualidade, o que nos motivou a desenvolver novos polipropilenos homopolímeros para alimentar os mercados do BOPP”, informou Lima.

    Nessa esteira de novos desenvolvimentos, o especialista destaca: “Os nossos novos grades, que já estão disponíveis para metalização do BOPP, possuem alta eficiência, pois a boa qualidade das resinas é essencial para as novas aplicações, permitindo a boa aderência da metalização sobre o BOPP e a melhor ancoragem da camada de alumínio sobre os filmes.” Lançado alguns meses atrás, o polipropileno homopolímero HP-427J da Braskem proporciona a melhor metalização e a manutenção da barreira à umidade e a gases, como o oxigênio.

    “O polipropileno tem alta barreira à umidade e uma moderada barreira a gases, mas, à medida que é submetido à metalização, a sua barreira à umidade se torna altíssima e a sua barreira a gases se torna alta, lembrando que não pode haver qualquer tipo de imperfeição na metalização, sob pena de não haver bloqueio da entrada do oxigênio e, por isso, é muito importante trabalhar com uma resina de melhor qualidade, e desenvolvida para metalização, pois as chances de ocorrer imperfeições diminuem consideravelmente”, comentou o gerente de produto.

    Outro desenvolvimento com o PP assinado pela empresa permite fabricar embalagens com maior segurança quanto à inviolabilidade. Trata-se do polipropileno terpolímero Symbios 4102, direcionado à termosselagem do BOPP, em três, quatro e até cinco camadas. “A família Symbios atende às necessidades do mercado de filmes de PP termosseláveis para embalagens em linhas de empacotamento automático”, informou Lima.

    Além de acompanhar as altas velocidades de processamento, essas resinas propiciam filmes com maior



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *