Tubos

Extrusão – Construção civil anima fabricantes de tubos

Jose Paulo Sant Anna
18 de dezembro de 2020
    -(reset)+

    Plástico Moderno - Extrusão - Construção civil anima fabricantes de tubos ©QD Foto: Divulgação

    Extrusora de pequeno porte MD 30

    Saneamento e construção civil animam fabricantes de tubos, chapas e perfis – Extrusão

    A expectativa de representantes de algumas das mais importantes empresas ligadas à indústria de tubos e perfis de plástico é positiva. Para eles, o momento mais crítico da economia após o surgimento da Covid-19 terminou em maio e a retomada vem acontecendo em velocidade superior às expectativas vividas nos piores momentos da crise. O principal fator do otimismo se encontra no desempenho da construção civil, segmento que responde por em torno de 22% do total de produtos plásticos transformados no país, de acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast). Tubos e perfis respondem por boa parcela dessa produção.

    A construção civil sofreu em menor intensidade os efeitos da pandemia e vem apresentando boa recuperação. Enquanto no segundo trimestre o PIB caiu 9,7% na comparação com o primeiro trimestre, a queda do PIB da construção civil brasileira foi menor, de 5,7%, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    Outro motivo de otimismo foi a aprovação em julho, pelo Congresso Nacional, do novo marco regulatório do saneamento básico. Com a alteração da lei, a previsão do mercado aponta investimentos de R$ 620 bilhões em atividades como distribuição de água e tratamento de esgotos, entre outras, até o ano de 2033. Vale lembrar: no Brasil, 35 milhões de pessoas não contam com água tratada e 53% da população não têm acesso a redes de esgoto.

    Plástico Moderno - Indústria quer ampliar a reciclagem do PVC - Extrusão ©QD Foto: iStockPhoto

    Claudia Tsukamoto, assessora técnica do Instituto Brasileiro do PVC

    Termômetro – A matéria-prima mais utilizada para a fabricação de tubos e perfis rígidos voltados para a construção civil é o PVC. O desempenho das vendas dessa matéria-prima é excelente termômetro de como caminha esse nicho de mercado. De acordo com Cláudia Tsukamoto, assessora técnica do Instituto Brasileiro do PVC, a pandemia influenciou muito as vendas deste mercado. “Houve queda vertiginosa em abril”.

    Com a classificação do funcionamento das lojas de materiais de construção como atividade essencial e a mudança no comportamento de compra do consumidor, que passou a ficar mais em casa e a fazer obras e reformas, ocorreu recuperação acelerada nos meses seguintes. “Com a ajuda do auxílio emergencial dado pelo governo, o brasileiro passou a dedicar tempo e dinheiro para cuidar de sua residência”.

    Também houve demanda por obras de infraestrutura, abastecimento, e até mesmo a construção de hospitais de campanha provocou a recuperação dos negócios. “O setor entende que a partir de janeiro, pós-férias e com mais proximidade da liberação de uma vacina, tenhamos uma estabilização”, avalia Claudia.

    Alguns testemunhos confirmam o desempenho do mercado apresentado pela assessora técnica. Almir Cotias, diretor do negócio de vinílicos da Braskem, observa uma alentadora retomada no mercado PVC, que chegou a ter 70% de queda nas vendas em todas suas aplicações no bimestre abril/maio. “No terceiro trimestre, em especial nos últimos dois meses, houve uma importante recuperação do setor de construção civil, que impulsiona determinadas aplicações de PVC. As vendas já atingiram o patamar anterior ao início da pandemia”.

    Plástico Moderno - Extrusão - Construção civil anima fabricantes de tubos ©QD Foto: Divulgação

    Cotias: vendas de PVC voltaram ao patamar de antes da pandemia

    Ele também credita a recuperação a alguns outros fatores, como recomposição de estoques e o aquecimento da economia estimulado pelo auxílio emergencial. “Também temos boas expectativas para o mercado de PVC para os próximos anos por conta do Marco Legal do Saneamento Básico, que pode destravar investimentos importantes e necessários para o País”. O diretor da Braskem divulga a linha da empresa SP 767RA, voltada para a produção de tubos e conexões. “A principal característica desses grades para aplicações em rígidos é a não propagação de chamas, que os torna altamente recomendados para uso em sistemas de água e esgoto”.

    Outra indicação do desempenho do mercado vem da Tigre, multinacional brasileira que oferece amplo portfólio de produtos para os mercados predial, de infraestrutura, de irrigação e industrial. Ela tem no nicho de tubos e conexões seu carro-chefe, além de atuar com outras linhas. De acordo com informações prestadas pela empresa, o ano de 2020 tem sido bastante atípico. O primeiro semestre teve os resultados muito prejudicados especialmente por causa dos meses de março, abril e maio. A partir de junho, o mercado reagiu muito bem. Julho e agosto foram meses muito bons, e a expectativa é de resultados positivos no ano.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *