Borracha

Expobor: Evolução dos automóveis faz indústria da borracha desenvolver inovações

Jose Paulo Sant Anna
16 de junho de 2014
    -(reset)+

    O Bambury Kneader 35L, fabricado pela japonesa Omron, foi a grande atração do estande da Alldar, empresa do grupo Darhel importadora de máquinas para as indústrias do plástico e de borracha. Trata-se de um misturador fechado, dotado com câmara de mistura basculante. Tem dois rotores com quatro asas para homogeneização e dispersão de borrachas. O volume total de mistura é de 35 litros.

    Seu comando permite controlar o tempo em até três estágios de mistura. “A máquina proporciona expressivo aumento na produção, com economia”, garantiu Vinicius Arantes, diretor-industrial. Outro diferencial se encontra na forma de descarga do material já misturado, que dispensa o uso de plataforma elevatória. O equipamento já é bastante utilizado na indústria do plástico.

    Outra novidade divulgada pela Alldar não tem nada a ver com tecnologia. Trata-se da conclusão, ainda em 2014, da nova sede. Localizada em Santa Isabel-SP, conta com área de 24 mil m², dos quais três mil foram reservados para receber os equipamentos e peças de reposição, além de novo departamento técnico.

    Plástico Moderno, Linha PMPS, da Primotécnica, ganhou o modelo 50, para 3 t/h

    Linha PMPS, da Primotécnica, ganhou o modelo 50, para 3 t/h

    Moinhos – A Primotécnica, de Mauá-SP, conhecida fornecedora no segmento de moinhos, lançou na Expobor mais um modelo da linha PMPS. Dirigido às empresas de reciclagem de pneus, o PMPS 50 tem capacidade de moagem de 3 t/h. Ele funciona com dois eixos de dez facas cada. “O mercado está cobrando por modelos menores”, justifica Dante Casarotti, gerente comercial da empresa. Antes, o menor modelo da série tinha capacidade de 6 t/h. O maior, capaz de moer 12 t/h, trabalha com quatro eixos com 14 facas cada.

    Com planta em Nazaré Paulista, a Dynamic Air é fabricante de sistemas de transporte pneumáticos. De quebra, ela representa no Brasil as marcas multinacionais Hosokawa, Alpine e AG Division. “Fabricamos alguns componentes de equipamentos oferecidos pelas empresas que representamos”, esclarece Rafael Paez, engenheiro de aplicações.

    Entre os equipamentos mostrados na Expobor, Paes destacou o moinho de jatos opostos de base fluidizada AFG, fabricado pela Hosokawa. É um moinho classificador para pós com distribuição de tamanho de partícula por etapa e corte superior. Os tamanhos de partícula obtidos se encontram na faixa de 4 a 100 micrômetros. “O equipamento opera sem nenhum contato manual com os materiais”.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *