Máquinas e Equipamentos

Equipamentos para reciclagem – Exigências ambientais favorecem a expansão de máquinas modernas

Maria Aparecida de Sino Reto
28 de julho de 2011
    -(reset)+

    São três opções de linhas: Challenger Recycler Conical, Challenger Compounder e Challenger Recycler. A primeira consiste em um sistema de pequeno porte, desenhado para operar no chão de fábrica da transformação com o intuito de evitar contaminação e acúmulo de aparas no local. Compacta, a linha Conical pode ser instalada junto às linhas de produção de filmes e possibilita a reciclagem imediata dos resíduos de refiles, aparas ou lotes fora de especificação, realimentando as extrusoras com grãos de alta qualidade. A capacidade produtiva varia de 90 até 180 kg/h para PE e de 50 a 150 kg/h para PP.

    Plástico Moderno, Equipamentos para reciclagem - Exigências ambientais favorecem a expansão de máquinas modernas

    Linha da Wortex produz 1.400 kg/h de resinas reprocessadas de filmes

    Além de produzir compostos e blendas, a Compounder é indicada para reciclagem de plásticos rígidos. Equipados com extrusoras monorroscas, os modelos produzem desde 90 até 1.400 kg/h de PE e de 50 até 900 kg/h de PP (a empresa até projeta modelos de maior porte, mas sob consulta). Essa linha ainda pode ser equipada com cristalizadores e secadores com peneira molecular para processamento de PET pós-consumo e pós-industrial.

    Para quem se propõe a processar grande variedade de resíduos de filmes (impressos, metalizados, multicamadas), a indicação é a Challenger Recycler, com capacidade desde 90 até 1.400 kg/h de PE e 50 até 900 kg/h de PP. A linha ainda comporta até 30% de moídos sólidos (com peneira 12 ou 14, dependendo da espessura da parede) provenientes de injeção e sopro, caso o cliente necessite fazer essa incorporação. A Wortex também executa outras configurações, de acordo com as especificações do cliente.

    Os sistemas Challenger tiveram um aprimoramento recente na condição opcional aos interessados. Trata-se da substituição do moinho por schredder (triturador), fabricado pela Zherma, empresa de origem alemã que se transferiu inteira para a China. A Wortex assinou parceria para distribuir toda a linha da Zherma no país, que inclui moinhos e schredders para a indústria do plástico (entre outras, como borracha; o equipamento tritura um pneu inteiro). Além da durabilidade, cerca de quatro vezes superior à do moinho convencional, Filippis ressalta a capacidade do triturador para materiais variados e de tamanhos maiores.

    Acima da média – O gerente comercial da Seibt garante em suas linhas de reciclagem alta robustez e desempenho superior ao encontrado no mercado. Pinto informa que a maioria dos equipamentos é feita com aço inox, ou aço carbono galvanizado a fogo. “As linhas contemplam processos de lavagem a quente e nas de reciclagem de PET permitem obter um grão grau garrafa (processo bottle to bottle) e este nível de descontaminação possibilita ao material reciclado ser utilizado na produção de embalagens para alimentos, considerando as etapas posteriores de granulação e pós-condensação”, explica Pinto.

    Plástico Moderno, Equipamentos para reciclagem - Exigências ambientais favorecem a expansão de máquinas modernas

    Segundo Braga Pinto, os sitemas de PET e de filmes de PE/PP vendem mais

    As características dos produtos da empresa gaúcha, segundo ele, asseguram aos clientes resinas recicladas de alta qualidade, com excelente nível de descontaminação. O gerente comercial ainda enfatiza o baixo nível de manutenção associado aos equipamentos da marca.

    A Seibt disponibiliza linhas para processar resíduos pós-consumo e também os de origem industrial. No primeiro caso, Pinto atenta para a necessidade de adição de água no processo de descontaminação. Nas linhas de PET, ele ressalta a inclusão de equipamentos para execução das etapas de separação de rótulos e tampas. Mais simples, os processos de pós-industrial dispensam água.

    A Seibt fabrica linhas completas para reciclar PE e PP em filmes, PE e PP rígidos, sistemas que comportam a reciclagem tanto de filmes como de rígidos, e ainda para PET, com sistemas de lavagem a frio ou a quente. As configurações são personalizadas, de acordo com as necessidades específicas dos clientes e as capacidades produtivas variam de 300 até 3.000 quilos por hora. De acordo com Pinto, a maior procura recai nos sistemas de PET e de filmes de PE/PP.

    Com o feedback dos usuários – Para o diretor da Kie, o retorno oferecido pelos seus clientes é fonte rica de informações para o aperfeiçoamento de suas linhas, às quais Didone imputa durabilidade, baixo consumo de energia e facilidades de operação e manutenção. Por conta do feedback, o diretor da empresa observa demanda crescente por resíduos de menor custo, que exigem processos mais complexos. “O que nos estimula a desenvolver equipamentos mais específicos”, comenta.

    Plástico Moderno, Equipamentos para reciclagem - Exigências ambientais favorecem a expansão de máquinas modernas

    Feedback de seus clientes ajuda Didone a aprimorar equipamentos

    Filmes com muita impressão ou rótulos que sobram do processo da reciclagem de PET se relacionam entre os materiais de menor custo. Porém, não podem ser processados em extrusoras convencionais. “Precisam de um processo de extrusão por cascata ou degasagem para a eliminação dos gases gerados no processo”, explica.

    E é exatamente isso que Didone promove atualmente: o aprimoramento de seus sistemas de extrusão com degasagem e por cascata, processos mais eficientes para operar com matérias-primas contaminadas, associados à adoção de alimentação forçada para filmes e ainda sistema de corte em úmido, eliminando o uso de aglutinadores, grandes consumidores de energia elétrica na reciclagem.

    Não à toa, essas linhas complexas são as mais negociadas pela empresa, além de sistemas de secagem de filmes pós-consumo. O investimento mais alto em sistemas complexos é compensado pela matéria-prima de menor custo. “Como a demanda por sucata é grande, não há sucata boa para todos”, lembra.

    Pós-consumo exige mais – Para entender o termo “sucata boa”, leia-se limpa, isenta de contaminações, realmente difícil de ser obtida, considerando-se o índice baixíssimo de coleta seletiva no país. E a diferença entre processar um resíduo desse tipo e um de origem industrial é como água e vinho.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *