Equipamentos – Moinhos estão entre os mais procurados

Uma diversidade de equipamentos usados está à venda no mercado brasileiro, destinada tanto a quem quer expandir suas operações como a empreendedores interessados em abrir seu próprio negócio.

Os mais procurados são os moinhos, secadores, extrusoras e calandras, por integrarem a lista dos equipamentos de maior aplicação na cadeia de transformação de plásticos, hoje fortemente suprida por matéria-prima reciclável.

Nesse cenário, os moinhos lideram a demanda, “pois eles são parte importante no processo de reciclagem”, explica Raul Santucci, gerente comercial da Fórmula Equipamentos.

Sua empresa se dedica, nesse segmento, à intermediação de vendas de equipamentos usados e costuma selecionar produtos em bom estado e prontos para operação.

Leva em conta também o desempenho dos equipamentos no que diz respeito à conformidade com o porte da empresa e perfil da produção.

Prefere se ocupar mais com a intermediação dos chamados periféricos, como moinhos, esteiras de transporte e outros, que abrangem outras áreas do setor industrial, e chegam a 10% das vendas de sua empresa, segundo Santucci.

A grande maioria dos produtos vendidos pela Primo é voltada para a indústria de transformação de plásticos, informa o gerente de marketing Caique Azevedo.

As extrusoras, injetoras e moinhos respondem por cerca de 25% das vendas.

O restante do faturamento fica por conta da comercialização de ferramentas, material elétrico, de refrigeração e máquinas para outros segmentos da indústria, inclusive produção de borracha, acrescenta Azevedo.

Dada à elasticidade do portfólio dos comerciantes, registra-se também uma acentuada procura por calandras e viradeiras para chapas, observa Renzo Rascio, diretor geral da Vega Máquinas e Equipamentos.

O fato decorre tanto das características de aplicação desses produtos como da própria abrangência do mercado.

“Quase todos os setores industriais têm relativa demanda, seja na fabricação, seja na manutenção”, justifica Rascio.

Na Jemp, reatores, secadores e trocadores de calor representam, em média, 60% do volume vendas, informa o sócio-fundador José Cavalcanti.

Sua inserção no setor envolve tanto o fornecimento de equipamentos para os processos de fabricação de matérias-primas como de produtos acabados.

Nesse segmento, em particular, a empresa fornece equipamentos para reações, misturas, moagem, secagem, extrusão, moldagem e beneficiamento de plásticos em geral.

Além de comercializar, ela também presta serviços de desmontagem de fábricas.

“Adquirimos plantas industriais completas e removemos os equipamentos para o nosso site, onde são submetidos a um processo de revisão completa, reparos e testes, para depois serem disponibilizados para venda”, relata Cavalcante.

Às vezes, por falta de tempo ou de conhecimento dos proprietários sobre as possibilidades de destinação de um equipamento inativo ainda em condição de operação, esses bens acabam se deteriorando, diz Roberta Bosignoli, gerente de operações e de desenvolvimento de negócios da EquipNet.

A função da sua empresa, segundo ela, é dar uma segunda vida a esses equipamentos, recomendando, sempre que possível, sua reutilização, por realocação interna ou venda.

“Nós trabalhamos proativamente, auxiliando nossos clientes a transferirem internamente equipamentos inativos, vendê-los ou comprá-los.

Somos uma ponte entre os vendedores e potenciais compradores, prestamos suporte desde a avaliação dos equipamentos até a precificação, indicação do canal de venda adequado”, afirma Roberta.

Para a realocação, a empresa oferece inclusive uma plataforma, com nome comercial registrado ARMS (Asset Redeployment Management System), um tipo de intranet que permite uma unidade postar equipamentos usados e consultar equipamentos disponíveis em outras unidades do mesmo grupo empresarial, no país e no mundo.

“Todos os tipos de equipamentos estão sujeitos a passar por isso, como uma caldeira, instrumentos de laboratório como um microscópio, ou até uma linha completa de envase.

O processo possui rastreabilidade e transparência permitindo ao vendedor maximizar a recuperação financeira de seus ativos através de um processo confiável e profissional”, explica a executiva.

Leia Mais: 

Moinhos evoluem para oferecer mais eficiência e segurança

Moinhos: Normas de segurança e política de resíduos sólidos favorecem produtores locais

Moinhos ; transformação de plásticos cresce e puxa a venda de maquinas mais seguras, com suporte técnico local

Moinhos ; Fabricantes aperfeiçoam processo com redução de ruídos e maior segurança

Periféricos ; Uso crescente de moinhos e dosadores deslancha novos projetos de nacionalização e expansão dos fabricantes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios