Plástico

22 de novembro de 2012

Empresa traz molde da Europa

Mais artigos por »
Publicado por: Antonio Carlos Santomauro
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Atuando aqui com peças produzidas na Europa por sua operação KTW, a Husky atingirá as metas de negócios projetadas para este ano para o mercado brasileiro de moldes, afirma Paulo Carmo, gerente da área de produtos para embalagens e artigos médicos da empresa. Contribuirá para esse objetivo, ele especifica, a continuidade da expansão da indústria de cosméticos e produtos de higiene pessoal e limpeza, importante usuária dos produtos da Husky, cujos moldes servem basicamente à produção de tampas, tanto de bebidas como as tampas qualificadas como especialidades, destinadas a setores como o de cosméticos e o da indústria alimentícia.

    Plástico, Empresa traz molde da Europa

    Moldes da KTW integram sistemas completos vendidos pela Husky

    Houve este ano, reconhece Carmo, a suspensão de alguns investimentos, que refrearam um pouco os negócios da indústria de moldes. “Mas esses investimentos devem voltar em 2013”, ele prevê.Representante de uma empresa que comercializa no Brasil moldes trazidos do exterior, Carmo recomenda “muito critério” na avaliação sobre a conveniência da elevação das alíquotas incidentes na importação de moldes. As alíquotas maiores, ele crê, provavelmente não estão reduzindo a competitividade dos concorrentes asiáticos. “Um molde asiático de US$ 20 mil, por exemplo, aqui concorre com um de US$ 40 mil, e mesmo com a alíquota maior seguirá mais barato”, ele observa. “Mas moldes chineses geralmente têm menor tecnologia e menor valor agregado, e no caso de moldes maiores e de maior produtividade, que podem custar US$ 500 mil, ou mesmo US$ 1 milhão, o acentuado aumento das alíquotas de importação significa brutal elevação dos custos dos usuários dessas ferramentas”, complementa.

    E esse aumento de custos, destaca Carmo, é repassado para o consumidor final, que se torna então o elo mais prejudicado dessa cadeia. “Além disso, muitas empresas começam a trazer tampas de outros países, como México. Assim, a pretexto de se proteger a indústria de moldes, prejudica-se outro setor que emprega muito mais gente: a transformação de plásticos”, argumenta.

    A Husky-KTW, enfatiza Carmo, busca atualmente diferenciar-se por seu posicionamento como provedora de sistemas completos – máquina, moldes, câmara quente e periféricos –, para os mercados de tampas para bebidas, tampas especiais e pré-formas de PET. No Brasil, ele conta, a empresa produz câmaras quentes e controladores de temperatura. Nessa produção de câmaras quentes, diz Carmo, sua empresa constantemente investe em novas tecnologias: “Por exemplo, o sistema UltraSync, destinado à produção de peças de pequeno peso com injeção direta, e o sistema SideGating – ambos têm aplicação frequente em moldes para peças técnicas ou para aplicações médicas”, ele ressalta.

     



    Compartilhe esta página








      1. […] Empresa traz molde da Europa Compartilhe esta página Tweet Recomendamos Também:Montadoras de veículos de produções menores, como caminhões e utilitários, começam a empregar mais …Perspectivas 2013 – Plastivida – Educação ambiental é sinônimo de sustentabilidadePlástico no automóvel – Materiais de alto desempenho e plásticos de enhgenharia ganham espaço nos ve…Flexografia – 3ª conferência internacional de flexografiaCoextrusão impões barreira aos gases dos combustíveisReciclagem energética reúne especialista no Sul do País 0 comentários »  Facebook  […]


      2. […] – Novos produtos e avanços tecnológicos das resinas tiram o metal de grande fatia d…Empresa traz molde da Europa 0 comentários » […]



      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *