Embalagens para alimentos – Mercado aposta em novas aplicações para os plásticos

Plástico Moderno, Embalagens para alimentos - Mercado aposta em novas aplicações para os plásticos
Garrafa da linha Fast não transfere sabor

A Fazenda Leitíssimo, localizada na Bahia, exemplifica outra iniciativa do envase asséptico em PET. Por deter o conhecimento da linha de envase, essa empresa se juntou à Aoki Technical Laboratory do Brasil, que por sua vez forneceu a máquina com o formato de embalagem desejado. Esse desenvolvimento teve início há sete anos e absorveu investimento de R$ 5,5 milhões, com equipamentos, infraestrutura e a criação do gado. A produção atual da fazenda é de 20 mil litros por dia, com a possibilidade de expandir para 150 mil litros/dia.

A Aoki fabrica sopradoras para uma grande variedade de formas de embalagem, como frascos pequenos, de alto volume, gargalos estreitos e largos, entre outros; e para mercados específicos, como o de boca larga e processamento de polietileno e de PET reciclado, entre outros.

Plástico Moderno, Lucas Tosi Salu, Gerente de desenvolvimento da Aoki Technical Laboratory do Brasil, Embalagens para alimentos - Mercado aposta em novas aplicações para os plásticos
Para Salu, PET oferece ótima barreira para a transmissão de oxigênio ao leite esterilizado

Segundo o gerente de desenvolvimento da Aoki Technical Laboratory do Brasil, Lucas Tosi Salu, o PET oferece ótima barreira à transmissão do oxigênio ao produto envasado, pois o leite, após a esterilização, fica muito sensível à luz e à oxidação. No entanto, a morfologia do PET limita a temperatura de trabalho em 60ºC. A temperatura de fusão ou derretimento completo do polímero ocorre a cerca de 250ºC, isso significa que todas as ligações entre as moléculas se rompem e tornam o material líquido. Acima de 60ºC, porém, as ligações entre as moléculas na região amorfa já estão se rompendo, resultando em rígida, porém com moldabilidade.

“Como estamos falando de um processo de fabricação que envolve o repuxo do material por meio do estiramento e do sopro, as moléculas são ‘esticadas’ e assim que rompem suas ligações com outras moléculas, elas tendem a se contrair, daí vem o efeito memória”, explica Salu. Sendo assim, para que as embalagens suportem maior temperatura de envase, é necessário elevar as áreas ordenadas das moléculas de PET, chamadas de cristais, o que é feito com o aquecimento do molde de sopro. “O resfriamento lento do PET aumenta o número de cristais e com isso a temperatura de trabalho que a embalagem pode suportar é um pouco maior”, completa. Além disso, é preciso expandir a espessura da garrafa e do gargalo, que no envase ficará muito próximo ao bico de enchimento.

Plástico Moderno, Embalagens para alimentos - Mercado aposta em novas aplicações para os plásticos
Para Rotta, propriedades do PET asseguram resistência mecânica

A bebida a ser envasada também representa uma questão-chave em todo o processo. Um suco, por ser ácido, não gera muita dificuldade de controle, mas quando o pH tende à neutralidade, o envase se torna mais complexo em condições assépticas. “Quanto mais neutro, mais sensível é o produto”, explica Rotta. Em tempo: o leite puro é uma substância neutra.

Segundo Rotta, as propriedades da resina por si só garantem resistência mecânica, leveza e praticidade. Além disso, a embalagem é inerte, não transfere cheiro ou sabor. Outro ponto salutar se refere à sustentabilidade. “É facilmente reciclada, já existe muito interesse comercial em reciclar o PET, seja para bottle-to-bottle ou para a confecção de outros produtos”, enfatiza.

Para Salu, a embalagem do futuro é justamente aquela de menor impacto ambiental. Entre as tendências anunciadas por ele, figura a criação de tecnologias capazes de fornecer uma embalagem PET ultrafina. A Aoki apresentou esse tipo de produto na exposição K de 2007, na Alemanha. “A embalagem exigida possui a terminação das embalagens pouches, com espessuras inferiores a 0,1 mm”, argumenta.

Assim como em outros setores da indústria, a sustentabilidade das embalagens tem norteado os novos desenvolvimentos. Um dos pontos fortes do plástico é justamente nesse sentido. “Já temos opção de fácil descarte e com um processo de reciclagem de custo extremamente baixo”, completa Sérvulo Dias, da DuPont. Em parceria com o grupo Orsa, a DuPont lançou novas embalagens para o mercado de food service em linha com o conceito de baixo impacto ambiental; são bag-in-box 30% mais leves do que as latas de aço.

A tecnologia de envase asséptico em PET não representa uma novidade para o mercado mundial, no entanto, por aqui sua difusão, talvez pela baixa escala de utilização, ainda não seja expressiva e se limite a casos isolados. Referência no uso de embalagens PET para leite UHT, a italiana Centrale del Latte di Brescia foi responsável pelo primeiro leite puro em garrafa PET, envasado assepticamente em uma máquina Krones, há cerca de cinco anos.

Além do flexível – Outra prova da abrangência do plástico no setor alimentício se vê na embalagem do Hot Pocket Pizza, da Sadia, que, não por acaso, venceu o prêmio Best of the Best – President’s Awards, promovido pela Organização Mundial da Embalagem, na categoria Embalagem mais Inovadora do Mundo em 2009, e também levou a premiação Abre Design & Embalagem, no quesito Embalagem de Alimentos Salgados, no ano passado. Em etapa anterior da competição internacional, a embalagem ganhou como a melhor na categoria alimentos.

O produto tem a vantagem de poder ir do congelador ao micro-ondas e ainda reflete algumas das principais exigências do setor alimentício, pois alia praticidade à inovação. A pizza, com vida útil de três meses, é comercializada em porção individual, o que traduz o fato de existirem mais pessoas morando sozinhas e de as famílias estarem menores.

Página anterior 1 2 3 4Próxima página

2 Comentários

  1. Preciso de embalagem de 500g para embalar Erva para tomar chimarrão, vocês vendem ou pode passar endereço de alguma empresa que tem esse produto. Meu nome ABEL RODRIGUES, meu e-mail abelrithe89@hotmail.com, preciso de uma informação de preferência embalagem de plástico. valeu

  2. Solicitamos informar fornecedores de equipamentos para envasamento de polpa de tomate. Somos uma empresa angolana que pretende instalar em Angola uma linha de produção de atomatados. Se possivel gostaríamos igualmente de receber informaçòes sobre equipamentos diversos inferentes à actividade em apreço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios